Movimento de mulheres camponesas e a semeadura de novas perspectivas: os significados da (re)produção de sementes crioulas para as mulheres no oeste catarinense

Nilton Manoel Lacerda Adão, Valmir Luiz Stropasolas, Maria José Hötzel

Resumo


Este estudo trata das razões que motivam as mulheres organizadas no Movimento das Mulheres Camponesas a buscarem o cultivo de sementes crioulas visando à produção de alimentos. Para tanto, realizou-se uma análise centrada nas práticas e percepções destas mulheres no que se refere à (re)produção e multiplicação de sementes crioulas e sua possível contribuição para a produção de alimentos para o autoconsumo de forma sustentável no município de Itá, região oeste de Santa Catarina. Utilizou-se como técnica para a coleta de dados, entrevistas semi-estruturadas e a observação não participante; já a análise das informações coletadas foi feita através de análise de conteúdo. Dentre as principais constatações, destaca-se o fato das mulheres perceberem a importância do MMC para impulsionar a participação nos espaços públicos e a valorização das suas atividades cotidianas. Na horta as mulheres do movimento cultivam as variedades crioulas que simbolizam as lutas pela soberania alimentar integrando a produção de alimentos mais saudáveis com a valorização do papel da mulher nos âmbitos familiar e social .



Palavras-chave


Soberania Alimentar; Gênero; Agroecologia; Sementes Crioulas; Movimento das Mulheres Camponesas

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2011v8n2p160

Direitos autorais



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.