Clandestinidad y lucha armada: una mirada desde el género. el caso de “Mery” en la clandestinidad del partido comunista de Chile

Autores

  • Javiera Libertad Robles Recabarren Universidad Nacional de La Plata, La Plata

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2013v10n1p131

Palavras-chave:

Gênero, Militância, Identidade

Resumo

Este artigo centraliza suas preocupações na participação das mulheres na luta contra a ditadura militar no Chile (1973 - 1988), com o objetivo de ir desvelando as relações de gênero estabelecidas dentro da militância clandestina. Para perceber isso, recorremos a memória de uma mulher militante da Frente Patriótica Manuel Rodríguez, que através do testemunho de sua experiência expõe aspectos da vida militante a partir de sua posição de mulher, mãe e clandestina, que permitem revelar o lugar ocupado pelas mulheres no braço armado do Partido Comunista do Chile.

Biografia do Autor

Javiera Libertad Robles Recabarren, Universidad Nacional de La Plata, La Plata

Profesora de Historia y Ciencias Sociales y Licenciada en Educación por la Universidad Academia de Humanismo Cristiano, Providencia, Santiago, Chile Actualmente cursa la maestría en Historia y Memoria en la Universidad Nacional de La Plata, UNLP, La Plata, Argentina

Publicado

2013-06-07

Edição

Seção

Dossiê: Militância e vida cotidiana: os anos ’60 e ’70 no Cone Sul