Uma Reflexão sobre o Hibridismo Cultural e o Processo Identitário de Ciganas Calins Nômades no Rio de Janeiro

Autores

  • Maria Inácia D'Ávila Neto Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Cláudia Valéria Fonseca da Costa Santamarina Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n1p228

Palavras-chave:

Mulheres, Ciganas, Identidade, Etnicidade, Hibridismo

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão teórica sobre o hibridismo como elemento intrínseco ao processo de construção de identidades de mulheres autodenominadas ciganas calins – feminino do povo Calon - que vivem em acampamentos no interior do Rio de Janeiro, a partir da contribuição teórica dos Estudos Culturais e Pós-Coloniais.  Embora o discurso hegemônico ocidental promova uma espécie de etnização totalizante de minorias, transformando práticas sociais dinâmicas em um conjunto de hábitos culturais supostamente cristalizados e imutáveis, o processo de construção de identidades entre mulheres ciganas tem se mostrado como um potente exemplo de que a etnicidade não é fixa e nem se extingue com o contato entre culturas. Pelo contrário, é formada em meio a um processo de hibridação com as culturas circundantes, ganha relevo exatamente por suas fronteiras e trocas culturais, exibindo-se como um exercício permanente de negociação de espaços de existência entre diferentes.

Biografia do Autor

Maria Inácia D'Ávila Neto, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Doutora em Psicologia Social pela Université Paris Diderot, PARIS 7, França. Professora titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Coordena o Laboratório de Imagens do Eicos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, grupo do diretório CNPq, financiado pelo CNPq e Secretaria Especial de Mulheres.

Cláudia Valéria Fonseca da Costa Santamarina, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Doutoranda em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, trabalha com referenciais dos Estudos Culturais, Subalternos e Pós Coloniais voltados para os contextos de migração e mulheres. Participa do Laboratório de Imagens do Eicos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, grupo do diretório CNPq, financiado pelo CNPq e Secretaria Especial de Mulheres.

Downloads

Publicado

2015-07-13

Edição

Seção

Artigos