Os conceitos de cultura e linguagens na historiografia: um debate interdisciplinar

Autores

  • Fabio Feltrin de Souza Universidade Federal da Fronteira Sul, Erechim, RS

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n2p18

Palavras-chave:

Nova História Cultural, Estudos Culturais, Cultura, Linguagens, Interdisciplinaridade

Resumo

Este artigo tem o objetivo de problematizar as noções de cultura e linguagens no interior da historiografia contemporânea, a partir de uma abordagem interdisciplinar. Para isso, propõem-se dois momentos: primeiro, analisar as apropriações do conceito de cultura operadas pela Nova História Cultural, identificando seus limites e ponderações; segundo, propor a noção de linguagens, recolhida dos estudos culturais e pós-estruturalistas, como um possível caminho para o debate no interior das ciências humanas. Por fim, é reconhecida importância dos modelos estruturalistas e economicistas na metade do século XX, mas avalia-se que a Nova História Cultural parece possuir as ferramentas mais adequadas para analisar os problemas emergidos no contemporâneo.

Biografia do Autor

Fabio Feltrin de Souza, Universidade Federal da Fronteira Sul, Erechim, RS

Doutor em História pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do curso de História da Universidade Federal da Fronteira Sul e do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina. Coordenador da Especialização Gênero e Diversidade na Escola e vice-líder do grupo de pesquisa "Historiografia, Linguagens e Memória" na Universidade Federal da Fronteira Sul em Erechim, RS.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2010.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. O historiador naïf ou a análise historiografica como prática de excomunhão. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Estudos Sobre História da História. Rio de Janeiro: Editora 7 letras, 2006, p.192-215.

AURELL, Jeume. Los Efectos del Giro Lingüistico en la Historiografia Reciente. In: RILCE, n. 20, 2004, p.1-16.

BELTING, Hans. O fim da História da Arte: uma revisão dez anos depois. São Paulo: Cosac Naif, 2012.

BRAIDA, Celso. A crítica do conhecimento em Nietzsche. In: Nietzsche: uma provocação. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1997, p.33-80.

BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

CARDOSO, Ciro Flamarion e VAINFAS, Ronaldo (orgs.). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

______. Um historiador fala de teoria e metodologia. Bauru, EDUSC, 2005.

CHARTIER, Roger. À beira da falesia: a história entre incertezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2002.

COSTA, Marisa Vorraber (org.). Estudos culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.

DERRIDA, Jacques. Feu la cendre. Paris: Éd. Des femmes, 1987.

______. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de janeiro: Relume Dumará, 2001.

Downloads

Publicado

2015-12-15

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana na Modernidade