Percepções socioambientais de inundações: reflexões sobre o risco

Keila Camila da Silva, Cristiano Poleto

Resumo


Estudar a relação ser humano com seu ambiente é uma tarefa difícil. Com a evolução cada vez mais acelerada da espécie, o ser humano adquiriu muitas habilidades e conheceu novos avanços científicos em prol de seu benefício, porém causou desequilíbrios ambientais alarmantes. Nesse contexto, observa-se uma crise planetária, a transformação da natureza foi notada ao longo do tempo, até na própria palavra, que passou de natureza para ambiente ou paisagem, perdendo assim seu significado. Devido a esses fatores, torna-se fundamental o diálogo com a população, como uma forma de busca de sua percepções, comportamentos e atitudes ambientais. Com base no socioambiental, objetivo do estudo foi realizar entrevistas com moradores de bairros considerados em risco de inundações e moradores em áreas fora de risco. As entrevistas utilizaram-se das técnicas de pesquisa semiestruturada e de saturação teórica. O estudo demonstrou a necessidade da sensibilização ambiental pelo meio ambiente urbano e que através dela é possível minimizar ou evitar desastres, porém a preocupação pelas inundações aparece apenas no momento das perdas materiais ou não materiais.


Palavras-chave


Sociedade; Risco; Inundações; Percepção; Meio Ambiente

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALVES, H. P. F. (2007), “Desigualdade ambiental no município de São Paulo: análise da exposição diferenciada de grupos sociais a situações de risco ambiental através do uso de metodologias de geoprocessamento”, Rev.bras. estud. popul., vol. 24, n. 2, p. 301-316.

BASSANI, M. Fatores psicológicos da percepção da qualidade ambiental. In: MAIA N.B.

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Ed. 34, 2010.

BRADFORD, R. A; SULLIVAN, J.J; CRAATS, I. M; KRYWKOW, J; ROTKO, P; AALTONEN, J; BONAIUTO, M; DOMINICIS, S; WAYLEN, K; SCHELFAUT, K. Risk perception – issues for flood management in Europe . Sci., 12, 2299–2309, 2012. 11p.

CAVALCANTE, J. S. L. ALOUFA, M. A. (2014), “Percepção de riscos ambientais: uma análise sobre riscos de inundações em Natal-RN, Brasil”, Investigaciones Geográficas, Boletín, núm. 84, Instituto de Geografía, UNAM, México, pp. 54-68, dx.doi.org/10.14350/rig.33709.

CAVALCANTE, J. S. I. Percepção de riscos ambientais de populações vulneráveis a inundações e deslizamentos de dunas em Natal-RN. Dissertação de Mestrado. 2013. 88p.

COLLOT, M. Pontos de vista sobre a percepção das paisagens. Boletim de geografia teorética, São Paulo, 20 (39); 21-31, 1990.

DREW, David. Processos interativos homem-meio ambiente. Tradução de João Alves dos Santos: revisão de Suely Bastos; coordenação editorial de Antonio Christofoletti. – 3ª Ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994, 201p.

DENZIN, N. K. & LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitativerResearch. Thousand Oaks, CA: Sage Publications. 2000

FERNANDEZ, F. O poema imperfeito: crônicas de biologia, conservação da natureza e seus heróis. Curitiba, PR: Ed. UFPr, 2002.

GLASER, B.G, STRAUSS, A. L. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New York: Aldine de Gruyter; 1967.

GUNTHER , H. Algumas considerações programáticas sobre a Psicologia Ambiental. Textos do Laboratório de Psicologia Ambiental-IP-UnB, 1, 1-5, 1991.

LEE, S. Amazing Fantasy 15. New York: Marvel Comics, 1962.

JACOBI, P. Dilemas socioambientais na gestão metropolitana: do risco à busca da sustentabilidade urbana. ISSN 0104-8015 POLÍTICA & TRABALHO Revista de Ciências Sociais n. 25 Outubro de 2006 - p. 115-134.

LEFF, H. Sociologia y ambiente: Sobre el concepto de racionalidade amviental y las transformaciones del conocimiento, 1993. In Paulo Freire Vieira, Dália Mamon (Org.), As Ciências Sociais e a questão ambiental: Rumo à interdisciplinariedade. Rio de Janeiro e Belém: APED e UFPA.

LIMA, M. V; RONCAGLIO, C. Degradação socioambiental urbana, políticas públicas e cidadania. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 3, p. 53-63, jan./jun. 2001. Editora da UFPR.

MORETTI, R. S Terrenos de fundo de vale: Conflitos de propostas, Téchne, São Paulo, 2000.

POLETO, C. Alterações morfológicas em um canal fluvial urbano no contexto antrópico, social e ambiental: um estudo de caso. Maringá, v. 33, n. 4, p. 357-364, 2011.

SAMMARCO, Y. M. Educación Ambiental y Paisajes para la gestión participativa de las Áreas Protegidas en Brasil. Tese de Doutorado.Madrid. 2013, 509p.

SILVA, K. C. Pertencimento em relação ao Bosque Campos Prado: Um estudo de percepção ambiental da comunidade do entorno. Jaú: 2012, 160p.

SOUZA, L. B. e M. E. ZANELLA, (2009), Percepção de Riscos Ambientais: Teoria e Aplicações, Edições UFC, Fortaleza.

SCHMIDT, A. História e Natureza em Marx. In: COHN, Gabriel (Org.). Sociologia: para ler os clássicos. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1977. p. 240-258.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012. 342p.

TUCCI, C. E. M; BERTONI, J.C Inundações urbanas na América do Sul. Porto Alegre, 2003.

TUCCI, C.E.M. Inundações Urbanas. Ed.ABRH. Porto Alegre, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n2p200

Direitos autorais 2015 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.