Resiliência e reconhecimento em neocomunidades: o caso da comunidade quilombola morro de São João (TO)

Autores

  • Alex Pizzio da Silva Fundação Universidade do Tocantins, Palma, TO
  • Elaine Aparecida Toricelli Cleto Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2016v13n3p1

Palavras-chave:

Resiliência, Neocomunidades, Quilombola, Reconhecimento, Cultura como Recurso

Resumo

O cenário atual, caracterizado pelas transformações sociais e econômicas impostas pela globalização, tem produzido novos condicionamentos sociais, impactando diretamente as comunidades tradicionais e ampliando a vulnerabilidade. Cada comunidade apresenta maior ou menor capacidade de superação das adversidades. Aquelas que conseguem superá-las e ainda e se fortalecerem são consideradas pelos estudiosos como resilientes. O objetivo deste artigo é apresentar o resultado de uma investigação realizada na comunidade quilombola Morro de São João, no Estado do Tocantins, em que se analisaram sua capacidade de resiliência e os fatores que possibilitam essa condição. A pesquisa desenvolvida possui natureza quanti-qualitativa e foi realizada por meio de um estudo de caso, utilizando como técnicas de coleta de dados a entrevista não estruturada, a observação participante, pesquisa documental, questionário e história de vida, que ocorreram durante as viagens ao campo, ocasião que permitiu também a participação nas cerimônias e nos festejos da comunidade. Os principais conceitos utilizados na análise teórica foram resiliência, neocomunidades, reconhecimento e cultura como recurso. A análise demonstrou que a comunidade possui capacidade de superação das adversidades, e o reconhecimento da identidade cultural constitui um fator de promoção da resiliência.

Biografia do Autor

Alex Pizzio da Silva, Fundação Universidade do Tocantins, Palma, TO

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Coordenador do Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas. Professor no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e no Curso de História na Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Elaine Aparecida Toricelli Cleto, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Mestre em Desenvolvimento Regional pelo Programa de Desenvolvimento Regional da Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Referências

ANDRADE, Al. A. A política de reconhecimento em Charles Taylor. 2013. 209 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Departamento de Filosofia, Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia- FAJE, Belo Horizonte. 2013. Disponível em: <http://www.faculdadejesuita.edu.br/documentos/280813-3G2QiLB92fKF9.pdf.> Acesso em: 18 abr. 2015.

BARBOSA, G. S. Roteiro dos Índices de Resiliência: Uma introdução de como analisar os resultados de pesquisas em resiliência. São Paulo: SOBRARE, 2014.

BRANDÃO, J. M.; MAHFOUD, M.; GIANORDOLI-NASCIMENTO, I. F.. A construção do conceito de resiliência em psicologia: discutindo as origens. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 21, n. 49, p. 263-271, maio/ago. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2011000200014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17 abr. 2015.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. Tradução de Roneide V. Majer. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005. (A era da Informação: economia, sociedade e cultura. v. 1).

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Cidades. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/uf.php?lang=&coduf=17&search=tocantins>. Acesso em: 21 jan. 2014.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Tradução de Plinio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GROTBERG, E. H. Introdução: Novas tendências em resiliência. In: Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Aldo Melillo, Elbio N. S. Ojeda (Org.). Tradução de Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2005. p.15-22.

HALL, P. A.; LAMONT, M. Social Resilience in the Neoliberal Era. Nova York: Cambridge, 2013.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz T. da Silva e Guacira L. Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

______. Quem precisa da identidade?. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tomaz T. da Silva (Org.). 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 103-133.

HONNETH, A. Luta por Reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Trad. Luiz Repa; Nobre. São Paulo: Ed.34, 2003.

IANNI, O. Globalização: novo paradigma das Ciências Sociais. Estudos Avançados, São Paulo, v.8, n. 21, p. 147-163, maio/ago. 1994. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141994000200009>. Acesso em: 27 jul. 2014.

INFANTE, F. A resiliência como processo: Uma revisão da literatura recente. In: Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Aldo Melillo, Elbio . S. Ojeda (Org.). Tradução de Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 23-38.

LIFSCHITZ, J. A. Comunidades tradicionais e neocomunidades. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

LOPES, J. R. “Exclusão social” e controle social: estratégias contemporâneas de redução da sujeiticidade. Psicologia & Sociedade, [S.I], v. 18, n. 2, p.13-24, maio/ago. 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/psoc/v18n2/02.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2015.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

OJEDA, E. N. S. Uma concepção Latino-Americana: a resiliência comunitária. In: Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Aldo Melillo, Elbio N. S. Ojeda (Org.). Tradução de Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 47-57.

PIZZIO, A. Reconhecimento e resiliência no cotidiano de quebradeiras de coco babaçu. Estudos de Sociologia [online], Pernambuco, v.1, n.20, p.[s/p], 2014. Disponível em: <http://www.revista.ufpe.br/revsocio/index.php/revista/article/view/341>. Acesso em: 13 fev.2015.

PNUD BRASIL. Relatório de Desenvolvimento Humano 2014. Sustentar o progresso humano: reduzir as vulnerabilidades e reforçar a resiliência. Brasília-DF, 2014. Disponível em: < http://www.pnud.org.br/arquivos/RDH2014pt.pdf >. Acesso em: 23 nov. 2014.

SEN, A. Desenvolvimento como Liberdade. Tradução de Laura T. Motta. Revisão de Ricardo D. Mendes. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SILVA, L. T. O multiculturalismo e a política e reconhecimento de Charles Taylor. NEJ, v. 11, n. 2, p. 313-322, jul./dez. 2006. Disponível em: <http://www6.univali.br/seer/index.php/nej/article/view/440>. Acesso em: 25/02/2015.

YÚDICE, G. A Conveniência da Cultura: usos da cultura na era global. Tradução de Marie-Anne Kremer. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

Downloads

Publicado

2016-09-01

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana na Modernidade