Entre Maria Madalena e Gabriela Leite: diferentes modos de nomeação de mulheres na prostituição

Luciana Codognoto da Silva, Wiliam Siqueira Peres

Resumo


Esta pesquisa visa problematizar os significados e as particularidades presentes nos processos de subjetivação de mulheres adultas ligadas à prostituição em um pequeno centro urbano, localizado no interior do Estado de Mato Grosso do Sul - MS. Recorremos à abordagem qualitativa de pesquisa em Psicologia e como método a cartografia. Foram realizadas entrevistas de longa duração com 10 (dez) bio-mulheres – mulheres em termos biológicos, detentoras do órgão sexual feminino (PRECIADO, 2008) – que residissem e/ou trabalhassem no munícipio pesquisado e de escolaridades, raças/cores e tempo de atuação variados na prostituição. A luz dos Estudos Culturais e da Teoria Queer, evidenciamos o emprego de distintas nomenclaturas por parte de nossas participantes, denotando importantes posições pessoais e disputas políticas dessas mulheres na sociedade e na própria prática da prostituição, bem como a desconstrução de uma identidade universal da mulher prostituta.


Palavras-chave


Cartografias; Estudos Queer; Mulheres; Processos de Subjetivação; Prostituição Feminina Adulta

Texto completo:

PDF/A

Referências


BARBOSA, Romilda Meira de Souza. Garota de programa: acontecimento discursivo. 2008. 112p. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2008.

Boletim da Pastoral de Apoio à Mulher da Região Sul. Mulher da vida é preciso falar. (Boletim). Lajes. n.47, jan/abr. 1998.

BRAIDOTTI, Rosi. Sujetos nómades. Barcelona: Gedisa, 2009.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

CNBB – Setor Pastoral Social. O grito dos excluídos. Petrópolis: Editora Vozes, 1995.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v.1. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denilse Tolfo. (Orgs). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIDDENS, Anthony. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora da UNESP, 1993.

GUIMARÃES, Katia; MÉRCHAN-HAMANN, Edgar. Comercializando fantasias: a representação social da prostituição, dilemas da profissão e a construção da cidadania. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v.13, n.3, p. 525-544, set/dez. 2005.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu. Campinas, v.5, p. 07-41. 1995.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Nota 1: Estimativas da população residente nos Municípios de Mato Grosso do Sul, com data de referência 1º de julho de 2014 publicada no Diário Oficial da União em 28/08/2014. Brasília/DF, 2014.

LEITE, Gabriela. Filha, mãe, avó e puta: a história de uma mulher que decidiu ser prostituta – em depoimento a Marcia Zanelatto. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 1994.

OLIVAR, José Miguel Nieto. Devir puta: políticas da prostituição de rua na experiência de quatro mulheres militantes. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

OSBORNE, Raquel (Org). Trabajador@s del sexo: derechos, migraciones y tráfico em siglo XXI. Barcelona: Bellaterra, 2004.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides de. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 17-31.

PISCITELLI, Adriana. Trânsitos: brasileiras nos mercados transnacionais do sexo. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

PRECIADO, Beatriz. TESTO Yonqui. Madrid: Espasa Calpe, 2008.

PRECIADO, Beatriz. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v.19, n.01, p. 11-20, jan/abr. 2011.

RAGO, Margareth. Os Prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. A cartografia e a relação pesquisa e vida. Revista Psicologia & Sociedade. Porto Alegre, v. 21, n.2, p. 166-173. 2009.

RUSSO, Glaucia Helena Araújo. Rodando a bolsinha: dinheiro e relações na prostituição. 2006. 278p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006.

SANCHES, Silvana Colombelli Parra. Envelhecimento e saúde das profissionais do sexo em Mato Grosso do Sul. 2007.151p. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2007.

SILVA, Rosane Neves da. A invenção da psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2005.

ZAMBENEDETTI, Gustavo; SILVA, Rosane Azevedo Neves da. Cartografia e genealogia: aproximações possíveis para a pesquisa em psicologia social. Revista Psicologia & Sociedade. Porto Alegre, v. 23, n.03, p. 452-461. 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2016v13n3p203

Direitos autorais 2016 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.