Considerações sobre a constituição da ciência psicológica e suas implicações para a subjetividade na contemporaneidade

Autores

  • Rafael Bianchi Silva Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR
  • Jéssica Paula da Silva Mendes Defensoria Pública do Paraná, Umuarama, PR

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n1p60

Resumo

O presente artigo tem por objetivo percorrer historicamente o caminho de consolidação da Psicologia Científica. Partindo da sistemática cartesiana, em momento de inauguração da Idade Moderna, observa-se a instauração das normativas modernas que, mais tarde, foram radicalizadas pelas ciências, inclusive pela Psicologia, estabelecendo um caráter disciplinador em suas práxis. Ao longo do texto, é debatido o problema da objetividade científica para a operacionalização da ciência psicológica, e suas implicações ético-políticas, buscando compreender a maneira pela qual a Psicologia delineou a subjetividade em função de seu anseio por legitimidade científica e as implicações desta tendência na subjetividade contemporânea. Como resultado, a contemporaneidade revela uma ciência psicológica ainda circunscrita em um projeto científico defasado, que restringe suas possibilidades de intervenção à materialidade de práticas e resultados, e faz com que o objeto a ser investigado se torne produto desta mesma ciência.

Biografia do Autor

Rafael Bianchi Silva, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR

Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho de Marília, SP. Professor da Universidade Estadual de Londrina e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Estadual de Maringá, Londrina, PR

Jéssica Paula da Silva Mendes, Defensoria Pública do Paraná, Umuarama, PR

Mestranda em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Psicóloga na Defensoria Pública do Estado do Paraná, Umuarama, PR

Referências

ABIB, J. A. D. Epistemologia pluralizada e história da psicologia. ScientiaeStudia, São Paulo, v.7, n. 2, p. 195-208, 2009.

ANDRADE, E. B. O projeto epistemológico cartesiano. Kinesis, v.1, n. 1, p. 133-149, Marília, 2009.

BARÓ, M. O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, v. 2, n. 1, p. 7-27, 1996.

BAUMAN, Z. Modernidade e Ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Z. Vida para o Consumo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BRITO, M. R. Dialogando com Gilles Deleuze e Félix Guattari sobre a ideia de subjetividade desterritorializada. Alegrar, n. 09, p. 1-27, 2012.

COSTA, L. A.; FONSECA, T. M. G. Da diversidade: uma definição do conceito de subjetividade. Revista Interamericana de Psicología, v. 42, n. 3, p. 513-519, 2008.

COSTA, P. V. R. O projeto do homem cartesiano como fundamento da prática psicológica contemporânea. Revista Polêmica, v. 13, n. 1, p. 954-979, 2014.

CROCHIK, J. L. Os desafios atuais do Estudo da Subjetividade na Psicologia. Psicologia da USP, v. 8, n. 2, p. 69-85, 1998.

DESCARTES, R. As paixões da Alma. São Paulo: Abril Cultura, 1979.

DESCARTES, R. Discurso do Método. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

FIGUEIREDO, L. C. Matrizes do Pensamento Psicológico. Petrópolis: Vozes, 2008.

FILHO, K. P.; MARTINS, S. A subjetividade como objeto da(s) psicologia(s). Psicologia & Sociedade, v. 19, n. 3, p. 14-19, 2007.

FOUCAULT, M. Tecnologias del yo. Barcelona: Paidós, 1990.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GONÇALVES, R. R. Identidade, consumo e sociabilidade: implicações éticas. Revispsi, 9(1), 185-198, 2009.

JAPIASSU, H. O mito da neutralidade científica. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

LASCH, C. A Cultura do Narcisismo. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

LEBRUN, G. O conceito de paixão. In: A. Novaes (org). Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 12-32.

MARTINS, R. A. O que é ciência, do ponto de vista da epistemologia? Caderno de Metodologia e Técnica de Pesquisa, n. 9, p. 5-20, 1999.

MOREIRA, A. G.; SILVEIRA, H. M. M. L. Teorias da subjetividade: convergências e contradições. Revista ContraPonto, v. 1, n. 1, p. 58-69, 2011.

NARDI, H. C.; SILVA, R. N. A emergência de um saber psicológico e as políticas de individualização. Revista Educação e Realidade, v. 29, n. 1, p. 187-198, 2004.

OLIVEIRA, A. Sobre a moda sociológica: reflexividade, intimidade e mercadoria. Anais IV Colóquio Marx e Engels Unicamp, 2004.

QUEIROZ, E. F. Do pathos do teatro grego à paixão da contemporaneidade. Revista Symposium, n. 3, p. 79-85, 1999.

SANTOS, B. S. Introdução a uma Ciência Pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2008.

SCHULTZ, D. P.; SCHULTZ, S. E. História da psicologia moderna. São Paulo: Cultrix, 2004.

SILVA, J. S. Psicologia e epistemologia: por uma perspectiva ética de potencialização da vida. Aletheia, v. 27, n.1, p. 222-232, 2008.

SILVA, R. B. O individualismo como estratégia de cuidado de si na sociedade de consumo. Cadernos Zygmunt Bauman, v. 1, n. 1, p. 20-33, 2011.

SILVA, R. B. Notas para o diagnóstico da sociedade contemporânea. Revista Espaço Acadêmico, v. 12, n. 136, p. 10-17, 2012.

SILVA, R. B.; HENNING, L. M. P. A construção da subjetividade: notas para o sujeito. ActaScientiarum Human and Social Sciences, v. 33, n. 1, p. 67-74, 2011.

TEIXEIRA, J. A. C. Problemas psicopatológicos contemporâneos: uma perspectiva existencial. Análise Psicológica, v. 24, n. 3, p. 405-413, 2006.

VIEIRA, C. R. A. Individualismo e Sociedade. In: VII Simpósio Internacional de Processo Civilizador UNIMEP, v. 1, Piracicaba, 2003.

Downloads

Publicado

2017-01-08

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana e Saúde na Modernidade