Cultura da violência, dispositivo do amor-paixão, sexualidade e machismo: uma análise do discurso feminino em relacionamentos conturbados

Ângela Maria Rubel Fanini, Marcia Lopes dos Santos, Gilberto Gnoato

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n2p132

Este artigo analisa as postagens virtuais de mulheres visitantes de Blog, focado em problemas conjugais. A violência dos casais é analisada pela perspectiva relacional de Santos e Izumino (2005). Sobre o machismo, adotamos a premissa de Castañeda (2006), que o destaca como um discurso e prática não exclusivos dos homens. A ideologia do amor-paixão (Rougemont, 1988) também fortalece a cultura de violência. Partimos também das contribuições de Foucault (1982, 1984, 2012, 2013) sobre o poder e a violência, enquanto relacional, e o dispositivo da sexualidade como outro fator que leva à violência. A pesquisa espera contribuir para uma reflexão sobre a violência contra a mulher e os relacionamentos conjugais, enfatizando a necessidade de alterar os paradigmas culturais, que reforçam atitudes e discursos violentos dentro e fora da família.


Palavras-chave


Cultura da Violência; Discursos sobre o Feminino; Sexualidade; Amor-paixão; Machismo

Texto completo:

PDF/A

Referências


BAKHTIN, M.; VOLOCHÍNOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2014.

CASTAÑEDA, M. O machismo invisível. São Paulo: Girafa, 2006.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ) – Novo Diagnóstico de Pessoas Presas no Brasil, do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas – DM, Brasília, junho de 2014.

FANINI, A. M. R. A grande arte: uma abordagem estético-sociológica. 1992. 178f. Dissertação (Mestrado em Literatura) - Universidade Federal de Santa Catarina, 1992.

FORUM DE SEGURANÇA PÚBLICA/2016. . Acesso em 10 de outubro de 2016.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2012.

KRUG, E. G. et al. World report on violence and health (Relatório Mundial sobre violência e saúde). Genebra: [s.n.], 2002.

MACHADO, L. Z.; MAGALHÃES, M. T. B. Violência Conjugal: os espelhos e as marcas. Brasília: [s.n.], 1998. (Série Antropologia).

ROUGEMONT, D. O amor e o Ocidente. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

SANTOS, C. M.; IZUMINO, W. P. Violência contra as mulheres e Violência de Gênero: Notas sobre Estudos Feministas no Brasil. In.: EIAL: Estudios Interdisciplinarios de America Latina y el Caribe, v. 16, nº 1, p. 147-164, 2005.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME. Global study on homicide 2013. [S.l.]: UNODC, 2013.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. 1ª ed. Brasília: [s.n.], 2015.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n2p132

Direitos autorais 2017 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.