Paradoxos do Discurso Capitalista: um novo sujeito?

Autores

  • Lilian Clementoni Batista Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina - Hospital São Paulo, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n2p39

Resumo

Sobre os discursos que prevaleceriam na contemporaneidade, faz-se inevitável o questionamento sobre o discurso capitalista, na forma do matema que foi apresentado por Lacan em 1972, ocasião da Conferência de Milão. O discurso capitalista já havia sido mencionado, porém, sob outra forma pelo psicanalista há alguns anos anteriores, sobretudo no seminário 17, “O avesso da psicanálise” (1969/1970). Na ocasião do seminário 17, Lacan apontou o discurso capitalista como uma variante do discurso do mestre. Nesse contexto, o autor sempre se refere a esse discurso, ressaltando a diferença entre o mestre moderno (capitalista) e o mestre tradicional (senhor), porém, ocupando posições semelhantes. Contudo, alguns anos depois, em conferência sobre o discurso do analista, conhecida como a Conferência de Milão, de 1972, Lacan propôs o matema do discurso Capitalista, contudo salienta que essa forma está condenada a consumir a si própria. Esse artigo questiona a possibilidade de existência do discurso capitalista como a expressão de forma inédita de relação do sujeito com o Outro jamais ocorrida em outro momento histórico.

Biografia do Autor

Lilian Clementoni Batista, Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina - Hospital São Paulo, São Paulo, SP

Mestre em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP. Pesquisa financiada pelo CNPq. Psicóloga atuando na Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina - Hospital São Paulo em São Paulo, SP

Referências

ASKOFARÉ, S. (1991). O sintoma social. In: GOLDENBERG, R. (org.).Goza!: capitalismo, globalização, psicanálise. Salvador: Ágalma, 1997. p. 164– 189.

BRAUNSTEIN, N. “O discurso capitalista: quinto discurso? O discurso dos mercados (PST): sexto discurso?”. In: A Peste: Revista de Psicanálise, Sociedade e Filosofia, v. 2, n. 1, jan./jun. 2010, p. 143–165.

CEVASCO, R. El discurso del amo. in: MAZA, C. P. et. al. Los discursos de Lacan: seminario del Colegio de Psicoanálisis de Madrid. Madrid: Colegio de Psicoanálisis de Madrid, 2007.

LACAN, J. (1969–1970). O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LACAN, J. (1972/1978). Traducción de la Conferencia de Lacan en Milán del 12 de mayo de 1972. Tradução de Olga Mabel Máter. In: ELSIGMA. Disponível em http://www.elsigma.com/historia-viva/traduccion-de-la-conferencia-delacan-en-milan-del-12-de-mayo-de-1972/9506. Acesso em 2008.

LACAN, J.. (1974). Televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

MARX, K. (1890). O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

NETTO, J. P; BRAZ, M. (2006). Economia política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2011.

PACHECO FILHO, R. A. O frenesi teórico sobre o sujeito do capitalismo tardio. In: RUDGE, A. e BESSET, V. (orgs). Psicanálise e outros saberes. Cia. De Freud/ FAPERJ, 2012; Rio de Janeiro. p. 183-205.

Downloads

Publicado

2017-05-18

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana e Saúde na Modernidade