Concepções em redução de danos no projeto Consultório de Rua: práticas na saúde mental

Autores

  • Maria Eniana Araújo Gomes Pacheco Universidade de Fortaleza, Ceará, CE
  • João Tadeu de Andrade Universidade Estadual do Ceará, Ceará, CE

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n2p57

Resumo

Discutem-se as concepções da Redução de Danos no âmbito do uso e abuso das substâncias psicoativas através das práticas terapêuticas da abordagem de rua em território urbano, no Projeto Consultório de Rua. Trata-se de um estudo empírico, com natureza qualitativa e exploratória, no município de Fortaleza-CE. A sistematização do conhecimento desdobrou-se na perspectiva crítico-analítica de análise do fenômeno social e de suas relações com o campo da saúde mental, pela práxis social, através de pesquisa de campo, por meio do diário de campo e entrevista semiestruturada, e revisão de literatura especializada. Por meio da análise de conteúdo consideraram-se as categorias Cuidado, Acessibilidade, Territorialidade, Estratégia, Política e Escuta. Foi discutida a Política de Redução de Danos enquanto estratégia transversal nas práticas terapêuticas da abordagem de rua na saúde pública.

Biografia do Autor

Maria Eniana Araújo Gomes Pacheco, Universidade de Fortaleza, Ceará, CE

Doutoranda em Psicologia pela Universidade de Fortaleza, Ceará, CE, Brasil. Mestre em Políticas Públicas e Sociedade pela Universidade Estadual do Ceará. Bolsista da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

João Tadeu de Andrade, Universidade Estadual do Ceará, Ceará, CE

Doutor em Antropologia pela Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil. Pós-doutorado na University of Toronto, Canada. Professor adjunto da Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil 

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luiz Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70; 1979.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação Nacional DST/AIDS. A política do Ministério da Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

______. Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – SISNAD; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. Diário Oficial da República do Brasil. Poder Executivo. Brasília-DF, 24 ago. 2006.

______. Decreto nº 7.179, de 20 de maio de 2010. Institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. Brasília: Presidência da República, 2010.

______.Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Saúde Mental. Consultórios de Rua do SUS. Material de trabalho para a II Oficina Nacional de Consultórios de Rua do SUS. Brasília: Ministério da Saúde/EPJN-FIOCRUZ, 2010a.

______. Ministério da Saúde. Portaria nº 122, de 25 de janeiro de 2012. Define as diretrizes de organização e financiamento das Equipes de Consultório na Rua. Brasília: Presidência da República, 2012.

CAMPOS, G. W. O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cadernos de Saúde Pública, 1998, n.14, p. 863-870.

______. Um Método Para Análise e Co-Gestão de Coletivos. São Paulo: Hucitec, 2000.

ESPINHEIRA, Gey. Os tempos e as substâncias psicoativas das drogas In: ALBA, R. A. et al. Drogas: tempos, lugares e olhares sobre seu consumo. Salvador: EDUFBA, 2004, p. 11-26.

FERREIRA, S. C. (Organizadores). Gestão em saúde: contribuições para análise da integralidade. Rio de Janeiro: EPSJV, 2009.

GALDURÓZ, J. C. F. Critérios diagnósticos: CID-10 e DSM-IV. In: Detecção do uso abusivo e diagnóstico da dependência de substâncias psicoativas. Módulo 3 / coordenação do módulo Telmo Mota Ronzani (UFJF). 4. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2011, p. 02-11.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do ‘fim dos territórios’ à multiterritorialidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

LARANJEIRA, R. Políticas Públicas para o Álcool. São Paulo: Roca, 2004.

LE BRETON, D. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. São Paulo: Papirus, 2003.

MACRAE, E. Antropologia: aspectos sociais, culturais e ritualísticos. In: Dependência de drogas. Seibel, S. D. e Toscano Jr., A. São Paulo: Atheneu, 2001. p. 25-34.

MARLATT, G. A. Redução de danos: estratégias práticas para lidar com comportamentos de alto risco. Porto Alegre: Artmed, 1999.

MARTINELLI, M. L. Pesquisa qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras, 1999.

MELMAN, C. Alcoolismo, toxicomania, delinqüência. São Paulo: Escuta, 1992.

MERHY, E. E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.

MESQUITA, F.; BASTOS, F. I. Drogas e Aids, estratégias de redução de danos. São Paulo: Hucitec, 1994.

MOREIRA, F. G.; SILVEIRA, D. X. da; ANDREOLI, S. B. The drugs misuse related harm reduction in the health promoting schools. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 807-816, 2006.

NIEL, M.; SILVEIRA, D. X. Drogas e redução de danos: uma cartilha para profissionais de saúde. São Paulo: Ministério da Saúde, 2008.

OLIEVENSTEIN, C. A droga: drogas e toxicômano. São Paulo: Brasiliense, 1980.

OLIVEIRA. M. G. P. N. de. Consultório de rua: um relato de experiência. 2009. 146 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

PACHECO, M. E. A. G. Política de redução de danos a usuários de substâncias psicoativas: práticas terapêuticas no Projeto Consultório de Rua em Fortaleza, Ceará. 2013. 143f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2013.

PEREIRA, P. A. P. Necessidades Humanas. São Paulo: Cortez, 2000.

SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Te Corá/Instituto Franco Basaglia, 2001.

TURCK, M. da G. M. G. Rede interna e rede social: o desafio permanente na teia das relações sociais. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2002.

Downloads

Publicado

2017-05-18

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana e Saúde na Modernidade