Sobre o princípio regulativo e os elementos constitutivos da ideia de sustentabilidade

Autores

  • Luciano Alvim Fiscina União das Instituições de Serviço, Ensino e Pesquisa, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2019v16n1p1

Palavras-chave:

Psicologia Social, Sustentabilidade, Razão histórica, Crise Ambiental, Cidade Ideal

Resumo

Esta pesquisa visa retomar algumas retóricas que versam sobre o termo sustentabilidade com a intenção de se encontrar perspectivas de consciência histórica, uma vez que a Ecologia tem se projetado como uma visão contemporânea de mundo. Assim, este trabalho é uma análise semântica do termo sustentabilidade, procurando investigar de que modo a ideia de um espaço-tempo regulado como um ideal da Razão histórica aparece implicado no termo. Sendo assim, parte-se da hipótese que há um operador psicológico presente na estruturação discursiva do termo sustentabilidade, no qual observamos o papel de um princípio regulador e alguns elementos constituintes. A pesquisa conclui que os conteúdos reguladores e constitutivos da ideia de sustentabilidade derivam do próprio percurso civilizatório como um imperativo da Razão histórica frente à questão ambiental que se impõe no contemporâneo.

Biografia do Autor

Luciano Alvim Fiscina, União das Instituições de Serviço, Ensino e Pesquisa, São Paulo, SP

Doutor em Psicologia Social pela Universidade São Paulo, São Paulo, SP.  Professor nas instituições Centro Universitário Anchieta em Jundiaí, do Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas e Coordenador acadêmico e professor do Curso de Psicologia da União das Instituições de Serviço, Ensino e Pesquisa, São Paulo, SP

Referências

BRAUDEL, Fernand. (1972). A longa duração. História e ciências sociais. Lisboa: Editorial Presença.

CASSIRER, Ernst. (1994). Ensaios sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. São Paulo: Martins Fontes.

DURAND, Gilbert.(1994). L’Imaginaire. Essais sur les sciences et la philosophie de I’image. Paris: Hatier.

FOUCAULT, Michel. (2000). O que são as luzes. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de Pensamento. Rio de Janeiro: Forense Editora.

HARTOG, François. (1998). O espelho de Heródoto: ensaio sobre a representação do outro. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

HOBSBAWN, Eric (1995). A era dos extremos: o breve séc. XX. São Paulo: Companhia das Letras.

KANT, Immanuel (1991). A crítica da razão pura. Vol. II. Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

LA BLACHE, Paul Vidal de. (1922) Principes de géographie humaine. Paris : Boulevard Saint-Michel.

LEFEBVRE, Henri. (2000). La production de l´espace. 4°. ed. Paris: Éditions Anthropos.

NOVAIS, Fernando. (2008). Entrevista. Rev. Bras. Psicanálise, 2, 15-31.

PIAGET, Jean. (1973). Biologia e conhecimento: ensaio sobre as relações orgânicas e os processos cognoscitivos. Petrópolis: Vozes.

VEIGA, José Luis da. (2008) Desenvolvimento sustentável: desafio do séc. XXI. Rio de Janeiro: Garamond.

Downloads

Publicado

2019-02-01

Edição

Seção

Artigos - Sociedade e Meio Ambiente