A batalha: construção de saberes de mulheres que exercem a prostituição em Salvador/BA

Fernanda Priscila Alves Silva, Lívia Alessandra Fialho da Costa

Resumo


O artigo objetiva problematizar sobre as formas e modos de socialização e agenciamento construídos pelas mulheres e outros atores no cenário da prostituição, assim como em perceber e enunciar os saberes e aprendizados que surgem nesta prática social, ou seja, na “batalha” da vida.  A pesquisa teve uma perspectiva etnográfica, contou com a participação de 10 interlocutoras formais, com idades entre 30 e 65 anos e se encontravam na batalha pela vida – expressão por elas utilizada para se referir ao trabalho como prostitutas nas ruas – desde a adolescência. O referencial teórico está ancorado no campo de estudos autobiográficos em educação e numa perspectiva interdisciplinar de análise, conjugando orientações dos campos da Psicologia (ao tratar dos contextos familiares e construção de subjetividades) e da Antropologia (ao considerar a socialização um eixo importante para composição de uma etnografia das interações). Os resultados apontaram uma categoria que parece explicar em profundidade a experiência de ganhar/fazer a vida na rua, a batalha, portanto é uma expressão que aponta o modo de fazer e construir a vida na rua e na prostituição. A expressão “tô na batalha, tô na vida”, assim como a leitura dos significados e sentidos atribuídos a esta expressão pelas mulheres, aponta nesta pesquisa uma categoria que exprime o trabalho exercido pelas mulheres prostitutas na rua, no Centro de Salvador/BA.


Palavras-chave


Batalha; Saberes; Mulheres Pobres; Prostituição

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGUSTÍN, Laura María. “Mujeres inmigrantes ocupadas em la indústria del sexo”. In: Colectivo IOÉ; Mujer, inmigración y trabajo. Madri: Imserso: 2001.

AGUSTÍN, Laura María. Trabalhar em la industría del sexo, y outros tópicos migratórios. Donosti: Tercera Prensa, 2005.

APPADURAI, Arjun. Modernity at large. Cultural dimensions of globalization. Minneapolis: University of Minenesota Press, 1996.

BACELAR, Jeferson A. A família da prostituta. São Paulo: Ática, 1982.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. 2ª-ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Fundamentos Espistemológicos da Pesquisa Biográfica em Educação. Educação em Revista: Belo Horizonte, 2011, v.21 (01), p. 333-346.

FONSECA, Cláudia. (1996). A dupla carreira da mulher prostituta. Rio de Janeiro: Revista Estudos Feministas, vol. 4, n.1, 1996.

GASPAR, Maria Dulce. Garotas de programa: prostituição em Copacabana e identidade social. 3 ed. Rio de JANEIRO: Jorge Zahar Editor,1998.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2002, vol.17, n.49, pp.11-29.

MAZZARIOL, Regina Maria. (1977). “Mal necessário”. Ensaio sobre o confinamento da prostituição na cidade de Campinas. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1977.

MORAES, Aparecida Fonseca. Mulheres da Vila: prostituição, identidade social e movimento associativo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

OLIVAR, José Miguel Nieto. Devir puta: políticas da prostituição de rua na experiência de quatro mulheres militantes. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

OLIVAR, José Miguel Nieto. O direito humano de ser puta: uma reflexão sobre direitos sexuais no universo da prostituição feminina em Porto Alegre. Belo Horizonte: Teoria e Sociedade, jul/dez 2007, v.2, p. 108-137.

OLIVAR, José Miguel Nieto. Prostituição feminina e direitos sexuais: diálogos possíveis. Revista Latinoamericana: Sexualidade, Salud y Sociedad. N11 – ago.2012, p. 88-121. Disponível em: www.sexualidadsaludysociedad.org.

PASINI, Elisiane. “Corpos em evidência”, pontos em ruas, mundos em pontos: a prostituição na região da Rua Augusta em São Paulo. Dissertação de Mestrado Antropologia. Universidade Estadual de Campinas: Campinas, 2000.

PERLONGHER, Néstor. (2008). O negócio do michê: a prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2008.

PISCITELLI, Adriana. Ambivalência sobre os conceitos de sexo e gênero na produção de algumas teóricas feministas. In: AGUIAR, Neuma (Org.). Gênero e Ciências Humanas: desafio às ciências desde a perspectiva de mulheres. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1997, p. 49.66.

PISCITELLI, Adriana. Re-criando a (categoria) mulher. Campinas, 2001. Disponível em: http://articulacaodemulheres.org.br/wp-content/uploads/2015/06/TC-2-PISCITELLI-Adriana-Re-criando-a-categoria-Mulher.pdf. Acesso em 29 de novembro de 2015.

PISCITELLI, Adriana. Apresentação: gênero no mercado do sexo. Campinas: Cadernos Pagu, jul/dez 2005, v.25, p. 7-23.

PISCITELLI, Adriana. Mercado do Sexo. Cadernos Pagu (25) julho-dezembro de 2005. Universidade Estadual de Campinas.

PISCITELLI, Adriana. Trânsitos: brasileiras nos mercados do sexo transacionais do sexo. Coleção sexualidade, gênero e sociedade. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

PISCITELLI, Adriana. Atravessando fronteiras: teorias pós-coloniais e leituras antropológicas sobre feminismos, gênero e mercado do sexo. Contemporânea, v.3, n.2, jul-dez, 2013, p. 377-404.

Proposta de acompanhamento às mulheres em situação de prostituição. São Paulo: Editora Nelpa, 2013.

RAGO, Margareth. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

RAGO, Margareth. Trabalho feminino e sexualidade. In: DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. 10 ed. São Paulo: Contexto, 2013, p. 578-606.

SOUZA, Francisca Ilnar de. O cliente: o outro lado da prostituição. Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto. São Paulo: Annablume, 1998.

SILVA, Ana Paula; BLANCHETTE, Thaddeus. “Nossa Senhora da Help: sexo, turismo e deslocamento transnacional em Copacabana”. Cadernos PAGU 25, 2005, p. 249-81.

SOUSA, Fabiana Rodrigues. Ações educativas desenvolvidas por prostitutas organizadas: tecendo confiança e autonomia. In: Educação Popular. Revista da FAEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v.24, n43, p.75-88, 2015.

THORBEK, Susanne e PATTANAIK, Bandana. Transnational prostitution. Changing global patterns. Londres/ Nova York: Zed Books, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2019v16n3p114

Direitos autorais 2019 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.