A batalha: construção de saberes de mulheres que exercem a prostituição em Salvador/BA

Autores

  • Fernanda Priscila Alves Silva Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA https://orcid.org/0000-0003-3795-3916
  • Lívia Alessandra Fialho da Costa Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2019v16n3p114

Palavras-chave:

Batalha, Saberes, Mulheres Pobres, Prostituição

Resumo

O artigo objetiva problematizar sobre as formas e modos de socialização e agenciamento construídos pelas mulheres e outros atores no cenário da prostituição, assim como em perceber e enunciar os saberes e aprendizados que surgem nesta prática social, ou seja, na “batalha” da vida.  A pesquisa teve uma perspectiva etnográfica, contou com a participação de 10 interlocutoras formais, com idades entre 30 e 65 anos e se encontravam na batalha pela vida – expressão por elas utilizada para se referir ao trabalho como prostitutas nas ruas – desde a adolescência. O referencial teórico está ancorado no campo de estudos autobiográficos em educação e numa perspectiva interdisciplinar de análise, conjugando orientações dos campos da Psicologia (ao tratar dos contextos familiares e construção de subjetividades) e da Antropologia (ao considerar a socialização um eixo importante para composição de uma etnografia das interações). Os resultados apontaram uma categoria que parece explicar em profundidade a experiência de ganhar/fazer a vida na rua, a batalha, portanto é uma expressão que aponta o modo de fazer e construir a vida na rua e na prostituição. A expressão “tô na batalha, tô na vida”, assim como a leitura dos significados e sentidos atribuídos a esta expressão pelas mulheres, aponta nesta pesquisa uma categoria que exprime o trabalho exercido pelas mulheres prostitutas na rua, no Centro de Salvador/BA.

Biografia do Autor

Fernanda Priscila Alves Silva, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação e Contemporaneidade na Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA

Lívia Alessandra Fialho da Costa, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA

Doutora em Antropologia Social e Etnologia - École des Hautes Études en Sciences Sociales. Pós-doutorado na Université Paris 13. Professora Titular do Departamento de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação e Contemporaneidade da Universidade do Estado da Bahia e professora e pesquisadora no Programa de Pós-graduação em Família na Sociedade Contemporânea, da Universidade Católica do Salvador.

Referências

AGUSTÍN, Laura María. “Mujeres inmigrantes ocupadas em la indústria del sexo”. In: Colectivo IOÉ; Mujer, inmigración y trabajo. Madri: Imserso: 2001.

AGUSTÍN, Laura María. Trabalhar em la industría del sexo, y outros tópicos migratórios. Donosti: Tercera Prensa, 2005.

APPADURAI, Arjun. Modernity at large. Cultural dimensions of globalization. Minneapolis: University of Minenesota Press, 1996.

BACELAR, Jeferson A. A família da prostituta. São Paulo: Ática, 1982.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. 2ª-ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Fundamentos Espistemológicos da Pesquisa Biográfica em Educação. Educação em Revista: Belo Horizonte, 2011, v.21 (01), p. 333-346.

FONSECA, Cláudia. (1996). A dupla carreira da mulher prostituta. Rio de Janeiro: Revista Estudos Feministas, vol. 4, n.1, 1996.

GASPAR, Maria Dulce. Garotas de programa: prostituição em Copacabana e identidade social. 3 ed. Rio de JANEIRO: Jorge Zahar Editor,1998.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2002, vol.17, n.49, pp.11-29.

MAZZARIOL, Regina Maria. (1977). “Mal necessário”. Ensaio sobre o confinamento da prostituição na cidade de Campinas. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1977.

MORAES, Aparecida Fonseca. Mulheres da Vila: prostituição, identidade social e movimento associativo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

OLIVAR, José Miguel Nieto. Devir puta: políticas da prostituição de rua na experiência de quatro mulheres militantes. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

OLIVAR, José Miguel Nieto. O direito humano de ser puta: uma reflexão sobre direitos sexuais no universo da prostituição feminina em Porto Alegre. Belo Horizonte: Teoria e Sociedade, jul/dez 2007, v.2, p. 108-137.

OLIVAR, José Miguel Nieto. Prostituição feminina e direitos sexuais: diálogos possíveis. Revista Latinoamericana: Sexualidade, Salud y Sociedad. N11 – ago.2012, p. 88-121. Disponível em: www.sexualidadsaludysociedad.org.

PASINI, Elisiane. “Corpos em evidência”, pontos em ruas, mundos em pontos: a prostituição na região da Rua Augusta em São Paulo. Dissertação de Mestrado Antropologia. Universidade Estadual de Campinas: Campinas, 2000.

PERLONGHER, Néstor. (2008). O negócio do michê: a prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2008.

PISCITELLI, Adriana. Ambivalência sobre os conceitos de sexo e gênero na produção de algumas teóricas feministas. In: AGUIAR, Neuma (Org.). Gênero e Ciências Humanas: desafio às ciências desde a perspectiva de mulheres. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1997, p. 49.66.

PISCITELLI, Adriana. Re-criando a (categoria) mulher. Campinas, 2001. Disponível em: http://articulacaodemulheres.org.br/wp-content/uploads/2015/06/TC-2-PISCITELLI-Adriana-Re-criando-a-categoria-Mulher.pdf. Acesso em 29 de novembro de 2015.

PISCITELLI, Adriana. Apresentação: gênero no mercado do sexo. Campinas: Cadernos Pagu, jul/dez 2005, v.25, p. 7-23.

PISCITELLI, Adriana. Mercado do Sexo. Cadernos Pagu (25) julho-dezembro de 2005. Universidade Estadual de Campinas.

PISCITELLI, Adriana. Trânsitos: brasileiras nos mercados do sexo transacionais do sexo. Coleção sexualidade, gênero e sociedade. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

PISCITELLI, Adriana. Atravessando fronteiras: teorias pós-coloniais e leituras antropológicas sobre feminismos, gênero e mercado do sexo. Contemporânea, v.3, n.2, jul-dez, 2013, p. 377-404.

Proposta de acompanhamento às mulheres em situação de prostituição. São Paulo: Editora Nelpa, 2013.

RAGO, Margareth. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

RAGO, Margareth. Trabalho feminino e sexualidade. In: DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. 10 ed. São Paulo: Contexto, 2013, p. 578-606.

SOUZA, Francisca Ilnar de. O cliente: o outro lado da prostituição. Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto. São Paulo: Annablume, 1998.

SILVA, Ana Paula; BLANCHETTE, Thaddeus. “Nossa Senhora da Help: sexo, turismo e deslocamento transnacional em Copacabana”. Cadernos PAGU 25, 2005, p. 249-81.

SOUSA, Fabiana Rodrigues. Ações educativas desenvolvidas por prostitutas organizadas: tecendo confiança e autonomia. In: Educação Popular. Revista da FAEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v.24, n43, p.75-88, 2015.

THORBEK, Susanne e PATTANAIK, Bandana. Transnational prostitution. Changing global patterns. Londres/ Nova York: Zed Books, 2002.

Downloads

Publicado

2019-09-25

Edição

Seção

Artigos - Estudos de Gênero