Mercantilização de órgãos humanos para transplantes intervivos sob a ótica da bioética social

Fernando Hellmann, Mirelle Finkler, Marta Inez Machado Verdi

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2012v9n2p123

A compra e venda de órgãos humanos para transplantes provenientes de doadores vivos vem sendo pauta de discussão mundial no debate bioético, tornando-se um problema de saúde pública. O presente ensaio discute, à luz da Bioética Social, os argumentos utilizados para justificar tais práticas, que giram em torno do bem comum, da pluralidade moral, da autonomia e da liberdade individual. Tais vertentes justificativas assumem caráter liberalista e utilitarista, apresentam possibilidade de duplo standard, não consideram a vulnerabilidade social e ferem a dignidade e os direitos humanos, evidenciando-se uma apologia às leis de mercado. Desta forma, as justificativas para a compra e venda intervivos de órgãos humanos para transplantes acabam por transformar o corpo, ou parte dele, em mercadoria.


Palavras-chave


Ética; Bioética; Transplante; Órgãos; Doadores Vivos

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2012v9n2p123

Direitos autorais



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.