A experiência do movimento dos trabalhadores sem-terra e o governo Lula

Leandro Vergara-Camus

Resumo


Baseado no trabalho de campo realizado no Sul do Brasil, este artigo analisa as realizações, dificuldades e contradições do projeto alternativo do Movimento Sem-Terra (MST). Identifica a estrutura organizacional do MST como a grande responsável pelo sucesso do movimento. Destaca a mobilização e as pressões sobre o Estado têm sido também meios úteis para a distribuição de terra e do desenvolvimento dos assentamentos. Observa a estratégia que o MST tinha adotado em relação à participação na política institucional e sua aliança com o Partido dos Trabalhadores (PT) no Sul do Brasil, e questiona que esta estratégia e aliança mudarão, provavelmente, por causa da composição do gabinete e da orientação política do Presidente Lula.

Palavras-chave


Concentração de terra; Luta pela terra; Estrutura organizacional; PT; Governo Lula; Land concentration; Struggle for land; Organizational structure; Lula government; Concentración de tierra; Lucha por la tierra; Estructura organizatival

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.