Biopolítica e brutalismo em chave estratégica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2020.e72591

Palavras-chave:

Biopolítica, Lazzarato, Mbembe, Máquina de guerra do capital, Brutalismo, Corpo

Resumo

Como repensar a biopolítica no contexto do neoliberalismo? A que ponto a trilha aberta por Foucault mantém sua validade? Como a perspectiva de Maurizio Lazzarato, com seu conceito de “máquina de guerra do capital”, e o de Achille Mbembe, com o de “brutalismo”, se prestam a repensar a relação entre corpo, guerra e capital?

Biografia do Autor

Peter Pál Pelbart, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP

Professor Titular no Departamento de Filosofia e no Núcleo de Estudos da Subjetividade do Pós-Graduação em Psicologia Clínica da PUC-SP.

Referências

ALLIEZ, Éric, LAZZARATO, Maurizio, Guerres et Capital. Paris : Amsterdam, 2016.

DELEUZE, Gilles, “Sobre o capitalismo e o desejo”, in Gilles Deleuze. A ilha deserta David Lapoujade (org.), trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Iluminuras, 2006, p. 332.

FOUCAULT, Michel, História da sexualidade I: A vontade de saber, Paris, Gallimard, 1975.

LAZZARATO, Maurizio, Fascismo ou revolução: o neoliberalismo em chave estratégica. São Paulo: n-1 edições, 2019.

MBEMBE, Achille, Crítica da razão negra. São Paulo: n-1edições, 2019.

MBEMBE, Achille, Necropolítica. São Paulo: n-1edições, 2018.

MBEMBE, Achille, Brutalisme. Paris: La Découverte, 2020 (no prelo em português pela n-1 edições).

PELBART, Peter Pál, Ensaios do assombro. São Paulo: n-1 edições, 2019.

Downloads

Publicado

2020-11-27

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana na Modernidade