Mulheres negras e antirracismo no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2020.e73291

Palavras-chave:

Mulheres negras, Racismo, Antirracismo

Resumo

O objetivo do presente texto é destacar as contribuições de ativistas e intelectuais negras para o movimento antirracista brasileiro. São apresentados três elementos para pensar esse processo: primeiro, a forma como algumas pensadoras negras compreenderam a dinâmica racial brasileira; segundo, como elas problematizaram o lugar da mulher negra na sociedade brasileira; e em terceiro lugar, discute-se como elas atuaram na construção de ações específicas de enfrentamento do racismo. Para se alcançar a questão proposta, faz-se referência à algumas produções de ativistas e intelectuais identificadas à primeira geração do feminismo negro contemporâneo brasileiro.

Biografia do Autor

Regimeire Oliveira Maciel, Universidade Federal do ABC, São Bernardo do Campo, SP

Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)Professora Adjunta do Bacharelado em Políticas Públicas e do Programa de Pós-graduação em Economia Política Mundial da Universidade Federal do ABC (UFABC).

Referências

BAIRROS, Luiza. Nossos Feminismos Revisitados. Revista Estudos feministas. Nº295. vol.3. 1995.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o Feminismo: A situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA, Empreendedores Sociais e Takano Cidadania (org.). Racismos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Ed., 2003a.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados 17 (49), 2003b.

CARNEIRO, Sueli. A batalha de Durban; Estudos Feministas 1/2002.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007b. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-770420070. Acesso em: 30 nov. 2019.

GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras - Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Coletânea organizada e editada pela União dos Coletivos Pan-africanistas, 2018.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Traduzido por Patrick Burglin. 2ª ed. – Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2005.

JACCOUD, Luciana de Barros; BEGHIN, Nathalie. Desigualdades raciais no Brasil: um balanço da intervenção governamental. Brasília: IPEA, 2002.

LIMA, Márcia. Desigualdades raciais e políticas públicas: ações afirmativas no governo Lula. Novos estud. - CEBRAP [online]. 2010, n.87, pp.77-95.

MOREIRA, Núbia Regina. O feminismo negro brasileiro: um estudo do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro e em São Paulo. 2007. 127 fls. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

MOREIRA, Núbia Regina. A organização das feministas negras no Brasil. Vitória da Conquista-BA, Edições UESB, 2011.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro, processo de um racismo mascarado. São Paulo: Paz e Terra, 1978.

NASCIMENTO, Beatriz. Por uma história do homem negro. In: RATTS, Alex. Eu sou atlântica sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. Impressão oficial, São Paulo, 2006. p. 117-124.

NOGUEIRA, O. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem, pp. 287-308. in Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 19, n. 1, 2007.

RATTS, Alex. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. SP: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo/ Instituto Kuanza, 2006.

RIBEIRO, Matilde. Antigas personagens, novas cenas: mulheres negras e participação política. In: BORBA, Angela; GODINHO, Tatau; FARIA, Nalu. (Orgs.). Mulher e política: gênero e feminismo no Partido dos Trabalhadores. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998. p. 189-209.

RIBEIRO, Matilde. Institucionalização das políticas de promoção da igualdade racial no Brasil: percursos e estratégias (1986-2010). Tese de doutorado. Serviço Social. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2013.

RIBEIRO, Matilde. O feminismo em novas rotas e o feminismo em novas rotas e visões. Estudos Feministas, Florianópolis, 14(3): 272, setembro-dezembro/2006.

RIBEIRO, Matilde. Mulheres negras brasileiras: de Bertioga a Beijing. Revista Estudos Feministas, 2, 446-457, 1995.

RIOS, Flávia; MACIEL, Regimeire. Feminismo negro brasileiro em três tempos: mulheres negras, negras jovens feministas negras interseccionais. Labrys, études féministes/ estudos feministas, julho/ 2017- junho 2018 /juillet 2017-juin 2018.

RODRIGUES, Cristiano Santos; PRADO, Marco Aurélio Maximo. Movimento de Mulheres Negras: trajetória política, práticas mobilizatórias e articulações com o Estado brasileiro. Psicologia & Sociedade; 22 (3): 445-456, 2010.

ROLAND, Edna. O movimento de mulheres negras brasileiras: desafios e perspectivas. In GUIMARÃES, A. S. A. & HUNTLEY, L. (Orgs). Tirando a máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil. (pp. 237-256). São Paulo: Paz e Terra, 2000.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nomeando as diferenças: a construção da ideia de raça no Brasil, in VILLAS BOAS, Glaucia; GONÇALVES, Marco Antônio (orgs). O Brasil na Virada do Século, Rio de Janeiro: Relume/Dumará, 1995.

SILVA, Joselina da. I Encontro Nacional de Mulheres Negras: o pensamento das feministas negras da década de 1980. In: SILVA, Joselina da; PEREIRA, Amauri Mendes Pereira (org.). O movimento de mulheres negras: escritos sobre os sentidos de democracia e justiça social no Brasil. Belo Horizonte: Nandyala, 2014.

THOMAZ, Omar Ribeiro; NASCIMENTO, Sebastião do. Entre a intenção e o gesto: a Conferência de Durban e a elaboração de uma pauta de demandas de políticas compensatórias no Brasil. Documento de trabalho 6/ 03. Disponível em: http://nupps.usp.br. Acesso em 03 de setembro de 2019.

WERNECK, Jurema. Mulheres negras brasileiras e os resultados de Durban. In: DE PAULA, M.; HERINGER, R. Caminhos convergentes: Estado e Sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll, ActionAid, 2009.

Downloads

Publicado

2020-11-27

Edição

Seção

Artigos - Estudos de Gênero