A violência na experiência de mulheres idosas nos centros de referências da assistência social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2021.e76457

Palavras-chave:

Violência, Gênero, Mulheres Idosas, Centros de Referência da Assistência Social, Direitos

Resumo

A violência contra pessoas idosas é um fenômeno dentro do atual processo de envelhecimento, ocorre de diferentes formas, e, por isso mesmo, sua identificação torna-se difícil dependendo do contexto cultural em que esteja inserida.  O assunto que move o presente artigo reside em tornar visível as logicas e motivações presentes na violência de gênero praticadas contra mulheres idosas inseridas nos centros de referência da assistência social (CRASs) em Aracaju. A pesquisa de natureza qualitativa teve seu desenvolvimento mediante a parceria entre teve seu desenvolvimento mediante a parceria entre o Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares sobre a Mulher e Relações de Gênero (NEPIMG) e o Conselho Municipal dos direitos da Mulher (CMDM). Diferentes fontes documentais e empíricas subsidiaram os resultados, priorizando-se sessões de grupo focal com as idosas, visando a contribuir para a avaliação de políticas e programas relacionados ao atendimento de pessoas idosas. Os tipos de violência doméstica contra idosos são a psicológica, a física e a patrimonial, os cuidados com a saúde, medo da pedra do convívio familiar, entre outros aspectos, contribuem para inibir denúncias de episódios de violência doméstica. O arcabouço normativo registra que os cuidados com os idosos são de responsabilidade da família, da sociedade e do Estado, o que sugere atentar para a centralidade da família, tendo o Estado como apoio.

Biografia do Autor

Maria Helena Santana Cruz, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, SE

Programa de Pós-Graduação em Educação. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social

Vera Núbia Santos, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, SE

Departamento de Serviço Social. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social

Referências

ALMEIDA, A. V; Mafra, S. C. T; Silva, E. P; KANSO, S. A Feminização da Velhice: em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social. Textos & Contextos. Porto Alegre, v. 14, n 1, pp. 115 - 131, jan./jun. 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/282460699_. Acesso em: 20 set. 2019.

ARENDT, H. Condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

AZEVEDO, E. L.; TAVARES, M. S. As DEAMS desconhecem sexo e gênero na velhice: reflexões sobre mais uma modalidade de violência contra as mulheres. REDOR – PERSPECTIVAS FEMINISTAS DE GÊNERO: DESAFIOS NO CAMPO DA MILITÂNCIA E DAS PRÁTICAS, 18. 2014. Recife. Anais [...]. Recife: Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. 2014, p. 522-536.

BEAUVOIR, S. Da maturidade à velhice. In: BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. 9. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980. Volume 2.

BRASIL. Lei nº 8.842, de 1994. Lei da Política Nacional do Idoso. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, ano CXXXII, nº 03, p. 77, 11 de janeiro de 2002, Página 77. Brasília, DF, 1994 PL 5710/1990.

BRASIL. Lei nº 10.741, de 01 de outubro de 2003. Estatuto do Idoso – Lei do Idoso. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso. Diário Oficial da União, seção 1 Brasília, DF, ano CXL, nº 192 de 03 de outubro de 2003, p. 1. PL 3561/1997.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Disque 100. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/acesso-a-informacao/disque-100-1. Acesso em: 10 jun. 2020.

BOURDIEU, P. A juventude é apenas uma palavra. Questão de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. p. 112-121.

BRITO DA MOTTA, A. O final da vida no século XXI. Mediações, Londrina, v. 17 n. 2, p. 9-25, jul./dez. 2012.

BRITTO DA MOTTA, A. Violência contra as mulheres idosas – questão de gênero ou de gerações? In: SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA, III. 2010. Salvador. Anais eletrônicos [...]. Salvador: Universidade Católica de Salvador, 2010. Disponível em: http://www.interativadesignba.com.br/III _SPSC/arquivos/sessao8/225.pdf. Acesso em: 11 maio 2020.

CASTRO, M.L.D. A feminização da violência contra o idoso. 2015. 34 f. Dissertação (Especialista em Psicologia Jurídica) - Faculdade Integrada- AVM, Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, 2015.

DEBERT, G. G.. A família e as novas políticas sociais no contexto brasileiro. Interseções. Revista de Estudos Interdisciplinares, UERJ, Rio de Janeiro, ano 3, n. 2, jul./dez. 2001. Disponível em: www.e-publicacoes.uerj.br intersecoes issue download” PDF. Acesso em: 11 mar. 2020.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Bookman, Artmed, 2006.

DIAS, M. J. S. et al. Violência simbólica contra mulher idosa nas relações de gênero. Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade, São Luís, v. 4, nº especial, 2018.

FUSS, D. O “risco” da essência. In: BRANDÃO, Izabel et al. (Org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2010). Tradução Ildney Cavalcanti e Amanda Prado. Florianópolis: EDUFAL, Editora da UFSC, 2017.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Liber Livro, 2005.

GIDDENS, A. As transformações da intimidade. São Paulo: Editora da UNESP, 1992.

GONDIM, L. V. C.. Violência Intrafamiliar Contra o Idoso: Uma Preocupação Social e Jurídica. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DO CONSELHO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (CONPEDI), V. 2016. Montevideo. Anais eletrônicos [...]. Facultad de Derecho. Universidad de la República Montevideo – Uruguay, 2016. Disponível em: http://www.mpce.mp.br/esmp/publicacoes/edi002_2011/artigos/04. Acesso em: 03 maio 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico. 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 12 maio 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Atlas da violência 2020. Disponível em https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/200826_ri_atlas_da_violencia.pdf. Acesso em 16 set. 2021.

MINAYO, M. C.. Violência contra o idoso: o avesso do respeito a experiência a sabedoria. 2. ed. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2005.

MINAYO, M. C.; ALMEIDA, L. C. C. Importância da Política Nacional do Idoso no enfrentamento da violência. In.: ALCÂNTARA, A. O.; CAMARANO, A. A.; GIACOMIN, K.C. (orgs.). Política nacional do idoso: velhas e novas questões. 2016. Disponível em http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/7253Acesso em 10 ago. 2020.

MOI, T. Introdução: Quem tem medo de Virginia Woolf? Leituras feministas de Woolf. In: BRANDÃO, I. et al. (org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2010). Tradução Izabel Brandão. Florianópolis: EDUFAL, Editora da UFSC. 2017.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (OEA). Convenção de Belém do Pará – Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. 1994.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Plano de Ação Internacional para o Envelhecimento. Plano aprovado na II Assembleia Mundial do Envelhecimento realizada de 8 a 12 de abril de 2002, em Madri. Brasília: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD e a Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2013.

PEIXOTO, C. E. Avós e netos na França e no Brasil: a individualização das transmissões afetivas e materiais. In: CICCHELLI, V. (Org.) Família e Individualização. R.J.: FGV, 2000.

SAFFIOTI, H. I. O. Violência de gênero: o lugar da práxis na construção da subjetividade. Lutas sociais. Revista do Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas Sociais (NEILS).Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais – PUC, n. 2, 1997.

SAFFIOTI, H. I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu (16) 2001. Disponível em: www.pagu.unicamp.br. Acesso em: 13 maio 2020.

SALGADO, C. D.S. Mulher idosa: a feminização da velhice. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, Porto Alegre, v. 4, p. 7-19, 2002.

SARDENBERG, C. M. B. O enfoque de gênero: fundamentos teóricos e aspectos práticos. Salvador: Ed. NEIM/UFBA, 1998.

SCOTT, J. Experiência. In: SILVA, A. L.; LAGO, M. C. S.; RAMOS, T. R. O. (org.) Falas de gênero. Santa Catarina: Editora Mulheres, 1999, p. 21-55. Disponível em https://historiacultural.mpbnet.com.br/feminismo/Joan_Scoot-Experiencia.pdf. Acesso em 15 ago.2020.

SILVEIRA, L.; NADER, M. B. Histórias de vida de mulheres idosas em situação de violência: uma perspectiva de gênero e de geração. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 30. 15 a 19 de julho de 2019. Anais eletrônicos [...]. Recife: ANPUH – Brasil. Universidade Federal de Pernambuco. 2019.

Downloads

Publicado

2021-10-08

Edição

Seção

Artigos - Estudos de Gênero