Esporte e lazer no programa “Mais Educação” no estado de São Paulo: características do programa e perfil dos gestores das práticas esportivas

Bruno Freitas Meireles, José Martins Freire Junior, Danilo Sales Bocalini, Sheila Aparecida Pereira dos Santos Silva

Resumo


Este artigo descreve características de Programas de Educação Integral (PEI) em municípios do estado de São Paulo que aderiram ao Programa Mais Educação (PME), patrocinado pelo governo federal e o perfil de seus gestores. Os PEI, em sua maioria, ampliam em 3 horas, em média, a jornada escolar dos alunos. As áreas temáticas mais comuns são: Acompanhamento Pedagógico, Artes e Educação Patrimonial, Esporte e Lazer, cujas atividades mais desenvolvidas são: Futsal, Atletismo e Recreação. O estudo tem caráter qualitativo e descritivo, coletou informações por meio de um questionário com 16 questões fechadas aplicado a 68 gestores, e a análise dos dados foi realizada por meio de estatística descritiva simples. Os resultados mostram que a maioria dos gestores é do sexo feminino, são funcionários públicos efetivos com média de ±6,2 anos de trabalho no município e atuam, em sua maioria, na gestão das secretarias municipais há cerca de 3 anos. 


Palavras-chave


Gestão Educacional; Gestão Esportiva; Educação Integral

Texto completo:

PDF/A

Referências


BELTRAMI, D. M. Dos fins da Educação Física escolar. Revista da Educação Física/UEM. Maringá, v. 12, n. 2, p. 27-33, 2011.

BRACHT, V. Esporte na escola e esporte de rendimento. Porto Alegre. Movimento. Ano 6, n.12, p. 14 – 24, 2000/1.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Programa Mais Educação: Passo a Passo. Brasília: MEC, Secad, 2014.

_______. Ministério da Educação. Portaria Normativa Interministerial Nº 17, de 24 de Abril de 2007. Brasília: MEC, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/mais_educacao.pdf Acesso em: 01/07/2014.

_______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD). Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira. Mapeamento das experiências de jornada escolar ampliada no Brasil. Brasília: MEC/SECAD, 2009.

CARVALHO, M. C. B. O lugar da educação integral na política social. Cadernos CENPEC: política e ação educacional, v. 1, n. 2, p. 7-11, 2006.

CASTELLANI FILHO, L. Educação Física no Brasil: a história que não se conta. Papirus, Campinas, 1988.

FARIA, T. C. L. Reflexões sobre o programa Mais Educação na rede municipal de ensino de Natal/RN. Revista Científica das Faculdades de Comunicação, Artes e Educação, ano 1, n. 1, dez.2011/maio2012.

GADOTTI, M. Educação Integral no Brasil: inovações em processo. Instituto Paulo Freire: São Paulo, 2009.

GASPAR, L. C. J.; PICH, S.; VAZ, A. F. Política pública de esporte escolar e educação física escolar: entre a inclusão social e a busca por talentos esportivos, tendo como pano de fundo o Programa Estadual Esporte Escolar de Santa Catarina. Motrivivência. Ano 26, n. 23, p. 103-116, dez, 2004.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP. Censo Escolar 2013. Anexo I. Brasília, 2013. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/resultado/2013/dados_finais_censo_escolar_2013_anexo_I.xlsx Acesso em: 28/05/2014.

TABORDA DE OLIVEIRA, M. Educação Física Escolar e a ditadura militar no Brasil (1968 – 1984): entre a adesão e a resistência. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Campinas, v. 25, n. 2, p. 9 – 20, 2004.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2016v28n49p195



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA