Remixando jogos digitais na escola: uma experiência corporal, algumas análises e reflexões possíveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e75985

Palavras-chave:

Games, Cultura digital, Mídia-educação, Educação Física escolar

Resumo

Diante do cenário da sociedade hiperconectada e das mutações culturais da comunicação, o objetivo do presente estudo foi sistematizar e analisar uma experiência de remixagem corporal de um jogo digital no âmbito da Educação Física escolar. Realizamos uma observação participante, em perspectiva descritiva e exploratória, com abordagem qualitativa dos achados da pesquisa. Calcados nos pressupostos da mídia-educação (física) e no conceito de remixagem, ressignificamos corporalmente o game Garena Free Fire em três das suas dimensões: as regras, os elementos e os ambientes. A partir da experiência, mobilizamos os preceitos da ética hacker e do game design para analisa-la. Por fim, identificamo-la como uma possibilidade de remodelagem da tecnologia, de (re)existência do jogar/brincar, de reinvenção dos lazeres e de expansão do repertório de práticas corporais.

Biografia do Autor

Lucas Barbosa Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Estudante de graduação do curso de licenciatura em Educação Física e pesquisador do Remix - Observatório de mídias, tecnologias digitais e práticas corporais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Otávio Bonjiovanne Lourenço, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Estudante de graduação do curso de licenciatura em Educação Física e pesquisador do Remix - Observatório de mídias, tecnologias digitais e práticas corporais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Vinicius Augusto do Nascimento Monteiro, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Estudante de graduação do curso de licenciatura em Educação Física e pesquisador do Remix - Observatório de mídias, tecnologias digitais e práticas corporais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Junior Vagner Pereira da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professor e tutor do Programa de Educação Tutorial dos cursos de Educação Física da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Silvan Menezes dos Santos, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Professor Adjunto dos cursos de Educação Física da Faculdade de Educação e pesquisador do Remix - Observatório de mídias, tecnologias digitais e práticas corporais da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BUCKINGHAM, David. Precisamos realmente de educação para os meios? Comunicação e Educação, v. 17, n. 2, p. 41–60, 2012.

COSTA, Alan Queiroz da. Jogos digitais e Educação Física: por uma experiência corporal educativa. In: ARAÚJO, Alysson Carvalho de et al. (Eds.). Diálogo entre Educação Física e Comunicação: compartilhando saberes e práticas. Natal/RN: EDUFRN, 2016. p. 53–81.

COSTA, Alan Queiroz da; BETTI, Mauro. Mídias e jogos: do virtual para uma experiência corporal educativa. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 27, n. 2, p. 165-178, 2006.

CRUZ JUNIOR, Gilson. Entre bolas, cones e consoles: desafios dos jogos digitais no contexto da mídia-educação (física). Atos de Pesquisa em Educação PPGE/ME FURB, v. 8, n. 1, p. 287–305, 2013.

CRUZ JUNIOR, Gilson. Temos que pegar? Pokémon Go e as interfaces entre movimento, jogos digitais e educação. Motrivivência, Florianópolis/SC, v. 29, n. esp., p. 257-273, 2017.

CRUZ JUNIOR, Gilson; SILVA, Erineusa Maria da. A (ciber) cultura corporal no contexto da rede: uma leitura sobre os jogos eletrônicos do século XXI. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 32, n. 2-4, p. 89-104, 2010.

FANTIN, Mônica. Mídia-educação: olhares e experiências no Brasil e na Itália. Florianópolis: Cidade Futura, 2006.

FANTIN, Mônica. Crianças e games na escola: entre paisagens e práticas. Revista Latinoamericana de Ciências Sociales, Niñez y Juventud, v. 13, n. 1, p. 195–208, 2015.

FREITAS, Gustavo da Silva ; SILVA, Vinícius Behling da; VAGHETTI, Cesar Augusto Otero. " Agora é minha vez de jogar"? Percepção de estudantes sobre a utilização dos Exergames na educação física escolar. Conexões, v. 17, p. e019020-e019020, 2019.

GARCIA, Arthur Yoshihiro Yamada Junqueira. Estudando jogos digitais: novas perspectivas. Florestan, p. 174, 2014.

GNIPPER, Patrícia. Brasil abriga o maior mercado de games da América Latina, que vale US$ 1,5 bi. Exame. 26 de nov de 2018. Disponível em: https://canaltech.com.br/games/brasil-abriga-o-maior-mercado-de-games-da-america-latina-que-vale-us-15-bi-127715/. Acesso em: 18 de jun. de 2019.

MARQUES, Heitor Romero et al. Metodologia da pesquisa e do trabalho científico. 5. ed. Campo Grande: UCDB, 2017.

MARTINI, Cristiane Oliveira Pisani; VIANA, Juliana de Alencar. " Jogando" com as diferentes linguagens: a atualização dos jogos na educação física escolar. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 38, n. 3, p. 243-250, 2016.

PEREIRA, Rogério Santos. Intersecções entre multiletramentos, tecnologias digitais e corpo. XXI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VIII Congresso Internacional de Ciências do Esporte. Anais...Natal/RN: Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte, 2019. Disponível em: http://congressos.cbce.org.br/index.php/conbrace2019/8conice/paper/viewFile/13374/6406.

PIRES, Giovani De Lorenzi; LAZZAROTTI FILHO, Ari; LISBÔA, Mariana Mendonça. Educação física, mídia e tecnologias–incursões, pesquisa e perspectivas. Kinesis, v. 30, n. 1, 2012.

PRETTO, Nelson. Redes colaborativas, ética hacker e educação. Educação em Revista, v. 26, n. 3, p. 305–316, 2010a.

PRETTO, Nelson De Luca. Professores universitários em rede: um jeito hacker de ser. Motrivivência, n. 34, p. 156-169, 2010.

RINCÓN, Omar. Mutações bastardas da comunicação. MATRIZes, v. 12, n. 1, p. 65-78, 2018.

SANTIN, Silvino. Educacao Fisica: outros caminhos. 2a ed. Porto Alegre: Escola Superior de Educação Física - UFRGS, 1993.

SANTIN, Silvino. Educação Física: uma abordagem filosófica da corporeidade. 2 ed. rev. ed. Ijuí: Unijuí, 2003.

SATO, Adriana Kei Ohashi; CARDOSO, Marcos Vinicius. Além do gênero: uma possibilidade para a classificação de jogos. Proceedings of Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames), p. 54-63, 2008.

SCHWARTZ, Gisele Maria. O conteúdo virtual do lazer: Contemporizando Dumazedier. Licere, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 22-31, 2003.

SILVA, Junior Vagner Pereira da; SAMPAIO, Tânia Mara Vieira. Jogos tradicionais: reprodução, ampliação, transformação e criação da cultura corporal do movimento. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 19, n. 1, p. 72-86, 2011.

SILVA, Junior Vagner Pereira da. Políticas Educacionais: Programa de Educação Tutorial e a Formação de Professores em Educação Física na UFMS. In: GOLIN, Carlo Henrique; SILVA, Junior Vagner Pereira da; NETO, Manuel Pacheco (Eds.). Educação física e suas pluralidades. 1 ed. Várzea Paulista, São Paulo: Fontoura, 2018.

SOUZA JUNIOR, A. F. DE; LISBOA, Thiago Felipe Maia; COSTA, Alan Queiroz da. Gamificação e Educação Física Escolar: debatendo conceitos e compartilhando possibilidades. In: ARAÚJO, Allyson Carvalho de; OLIVEIRA, Marcio Romeu Ribas de; SOUZA JUNIOR, Antonio Fernandes de (Eds.). Formação continuada em Educação Física no diálogo com a cultura digital. João Pessoa/PB: IFPB, 2019. p. 91–113.

TAVARES, Roger. Fundamentos de game design para educadores e não especialistas. In: SANTAELLA, Lucia.; FEITOZA, Mirna. (Eds.). . Mapa do jogo: a diversidade cultural dos games. São Paulo: Cengage Learning, 2009. p. 239–249.

TAVARES, Roger. Jogos digitais: do design ao marketing em 20 páginas. In: LUCENA, Simone. (Ed.). Cultura digital, jogos eletrônicos e educação. Salvador: EDUFBA, 2014. p. 71–97.

THE ONLIFE INITIATIVE. The Onlife Manifesto: Being Human in a Hyperconnected Era. Oxford: Springer Open, 2015.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Edição

Seção

Artigos Originais