Por que não posso “querer fixar o sol e observar a lua”?: “Desviantes” do trabalho e seu adoecimento na Colônia Juliano Moreira-RJ (1930-1945)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e75289

Palavras-chave:

História da loucura, História do trabalho, História do Brasil

Resumo

Neste artigo, analisamos a história de homens internados na Colônia Juliano Moreira (CJM) que apresentaram indícios em suas documentações de internações de doenças mentais relacionadas com o trabalho. A metodologia de trabalho foi o levantamento e seleção do grupo
de internos, analisando as principais fontes documentais: os prontuários dos internos. No Brasil, foi durante o governo Vargas que o trabalho e o trabalhador foram sendo alvos de políticas públicas mais intensas na busca da construção da “nação”. Do indivíduo homem, provedor da família e cidadão trabalhador produtivo se esperava que fosse um "respeitável" chefe de família, gozando de boa saúde e muito disciplinado, a base da construção nacional. Assim, qualquer desvio nesse modelo – fosse por indisciplina ou esgotamento físico e mental decorrente das atividades e das condições de trabalho – tornava esses homens “desviantes” do projeto de nação e sociedade que se defendia naquele momento e, portanto, passíveis de serem considerados “loucos” e internados em instituições psiquiátricas para tratamento e
recuperação.

Biografia do Autor

Anna Beatriz de Sá Almeida, Fundação Oswaldo Cruz/Casa de Oswaldo Cruz

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense, pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz da Fiocruz. Áreas de estudo: história da saúde e das doenças do trabalho, história da psiquiatria, história da tuberculose, entre outras.

Ana Carolina de Azevedo Guedes, PUC Rio de Janeiro - Doutoranda

Historiadora de formação, mestre em História Política pela UERJ em 2012 e doutoranda em História Cultural na PUC-RJ. Áreas de interesse: teoria da história, história cultural, história da literatura e história das doenças

Referências

ALMEIDA, Anna Beatriz de Sá. As doenças do “trabalho” no Brasil no contexto das políticas públicas voltadas ao trabalhador (1920-1950). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 7, n. 13, p. 65-84, jan.-jun. 2015.

ALMEIDA, Anna Beatriz de Sá. As parcelas (in)visíveis da saúde do trabalhador: uma contribuição à história da medicina do trabalho no Brasil (1920-1950). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.

BERTUCCI, Liane Maria. Saúde: arma revolucionária. São Paulo – 1891-1925. Campinas: Área de Publicações CMU/Unicamp,1997.

CARRARA, Sérgio. Tributo a vênus: a luta contra a sífilis no Brasil, da passagem do século aos anos 40. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1996.

Dossiê Temático "Trabalho, Saúde e Medicina na América Latina" na Revista Mundos do Trabalho, v. 7, n. 13, janeiro-junho de 2015, organizado por Adriano Luiz Duarte e Óscar Gallo.

ENGEL, Magali Gouveia. Sexualidades interditadas: loucura e gênero masculino. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, supl., p. 173-190, jun. 2008.

FREIRE, Maria Martha de Luna. “Ser mãe é uma ciência”: mulheres, médicos e a construção da maternidade científica na década de 1920. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, supl., p. 153-171, jun. 2008.

GOMES, Angela M. de Castro. A invenção do trabalhismo. São Paulo: Vértice; Rio de Janeiro: IUPERJ, 1988.

LENHARO, Alcir. Sacralização da política. São Paulo: Papirus, 1986.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Introdução. In: OLIVEIRA, L. L.; VELLOSO, M. P.; GOMES, A. M. C. Estado Novo: ideologia e poder. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

POTENGY, Gisélia Franco; HOPPE, Sigrid. Identidade e apropriações do espaço do bairro Colônia. In: VENÂNCIO, Ana Teresa A.; POTENGY, Gisélia Franco (org.) O asilo e a cidade: histórias da Colônia Juliano Moreira. Rio de Janeiro: Garamond, 2015. p. 273-308.

ROSENBERG, C. E. Introduction - Framing Disease: Illness, Society and History. ROSENBERG, C.; GOLDEN, J. (org.). Framing Disease. Studies in Cultural History. New Brunswick: Rutgers University Press, 1992. p. XIII-XXI.

SILVA, Maria Elisa Lemos Nunes da. Entre lançadeiras, guindastes e trilhos: doenças e acidentes de trabalho em Salvador nas décadas de 1930 e 1940. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 7, n. 13, p. 215-231, jan.-jun. 2015.

VENANCIO, Ana T. A.; CASSILIA, Janis A. P. A doença mental como tema: uma análise dos estudos no Brasil. Revista Espaço Plural, Marechal Cândido Rondon, ano XI, v. 1, n. 22, p. 24-34, jan.-jun. 2010.

VENANCIO, Ana Teresa A.; POTENGY, Gisélia Franco. Apresentação. O asilo e a cidade: histórias da Colônia Juliano Moreira. Rio de Janeiro: Garamond, 2015.

WADI, Yonissa M. “Entre muros”: os loucos contam o hospício. Topoi, Rio de Janeiro, v. 12, n. 22, p. 220-269, jan.- jun. 2011.

WADI, Yonissa M.; SANTOS, Nádia M. W. História e loucura: saberes, práticas e narrativas. Uberlândia: Edufu, 2010.

Downloads

Publicado

2020-11-16

Edição

Seção

Dossiê 2020.2 - "Os mundos do trabalho e suas interfaces com a ciência, a saúde e a doença”