As doenças ‘do trabalho’ no Brasil no contexto das políticas públicas voltadas ao trabalhador (1920-1950)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2015v7n13p65

Palavras-chave:

Doenças do Trabalho, Medicina do trabalho, Condições de trabalho

Resumo

O artigo tem como tema central a história das doenças do trabalho no Brasil (1920-1950), analisada no âmbito da história do trabalho e das políticas públicas voltadas ao trabalhador. Serão enfocadas as condições de trabalho e saúde dos trabalhadores desde a virada do século XIX para o século XX e, em especial, a partir de 1930, com o governo Vargas e as políticas voltadas ao mundo do trabalho. Enfocaremos a história das doenças do trabalho e da medicina do trabalho no Brasil, no período de 1920 a 1950, destacando os variados grupos sociais que participaram desse processo (trabalhadores, médicos, servidores públicos, juristas, juízes, peritos, empresários, sindicalistas). Era necessário definir quais seriam as doenças consideradas como decorrentes do trabalho, definições essas que foram sendo modificadas ao longo do processo histórico, sempre permeadas pelos interesses e reivindicações dos grupos sociais envolvidos. Além de debates e artigos médicos, serão analisados exemplos de processos indenizatórios os quais acatavam ou não a reivindicação dos trabalhadores e seus familiares de que a tuberculose fosse considerada uma doença decorrente do trabalho.

Biografia do Autor

Anna Beatriz de Sá Almeida, Fundação Oswaldo Cruz Casa de Oswaldo Cruz Departamento de Pesquisa em História das Ciências e da Saúde

Fundação Oswaldo Cruz
Casa de Oswaldo Cruz
Departamento de Pesquisa em História das Ciências e da Saúde

Referências

ALMEIDA, Anna Beatriz de Sá. “As parcelas (in)visíveis da saúde do trabalhador: uma contribuição da medicina do trabalho no Brasil (1920-1950)”. (Tese de Doutorado em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004).

ALMEIDA, Anna Beatriz de Sá. “De moléstias a doenças profissionais: uma contribuição ao estudo das doenças do trabalho no Brasil”. (Dissertação de Mestrado (História), Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1994).

ARAÚJO, Rosa Maria Barboza de. O Batismo do Trabalho: a experiência de Lindolfo Collor. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1981.

BASTOS, Pedro Paulo Zahluth & FONSECA, Pedro Cezar Dutra. (orgs.) A Era Vargas: desenvolvimentismo, economia e sociedade. São Paulo: Editora da UNESP, 2012.

BRAGA, Marigildo de Camargo. Moléstias profissionais e doenças do trabalho. São Paulo: Aries, 1965.

CALLAGE, Fernando. “A Questão Social e a Cultura Brasileira”. Revista do Trabalho, 7(12), dezembro, 1939.

COTTEREAU, Alain. “La tuberculose: maladie urbaine ou maladie de l’usure

au travail”. Sociologie du Travail, IV-VI, 1978.

FONSECA, Cristina M. Oliveira. “Modelando a ‘cera virgem’: a saúde da criança na política social de Vargas”. (Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal Fluminense, 1990).

FRANCO, Luis. “Relatório de Atividades da Inspetoria do Trabalho de 1934”. In: BMTIC, nº 7, março, 1935.

GOMES, Angela M. de Castro. A Invenção do Trabalhismo. São Paulo: Vértice; Rio de Janeiro: IUPERJ, 1988.

GOMES, Angela M. de Castro. Burguesia e Trabalho: política e legislação social no Brasil, 1917-1937. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1979.

HOCHMAN, Gilberto. A Era do Saneamento. As bases da política de saúde pública no Brasil. São Paulo: Editora HUCITEC/ANPOCS, 1998.

LENHARO, Alcir. Sacralização da Política. São Paulo: Papirus, 1986.

LEOPOLDI, Maria Antonieta P. “Estratégias de ação empresarial em conjunturas de mudança política”. In: PANDOLFI, Dulce (org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1999.

MARKOWITZ, Gerald and ROSNER, David. “The illusion of medical certainty: Silicosis and the Politics of Industrial Disability, 1930-1960”. In: ROSENBERG, Charles & GOLDEN, Janet (orgs.). Framing Disease. Studies in Cultural History. New Brunswick, New Jersey: Rutgers University Press, 1992.

MATTOS, Marcelo Badaró. “A classe trabalhadora através do materialismo histórico: passado e presente de um detalhe aberto”. Relações Laborais em Portugal e no Mundo Lusofônico: História e Demografia. Lisboa, Edições Colibri, 2014.

MATTOS, Marcelo Badaró. “’Trabalho e Seguro Social’: Aspectos Médico-Higienistas da Política Social do Estado entre as Décadas de 1930 e 1950 no Brasil”. Rio de Janeiro, 1991 (mimeo).

MEDEIROS, Jarbas. Ideologia Autoritária no Brasil: 1930/1945. Rio de Janeiro: Editora

da FGV, 1978.

MOORE, Barrington. Injustiça – as bases sociais da obediência e da revolta. São Paulo: Brasiliense, 1987.

NASCIMENTO, Amauri Mascarro. Curso de Direito do Trabalho: história e teoria geral do Direito do Trabalho. Relações individuais e coletivas do trabalho. São Paulo: Editora Saraiva, 1989, capítulo I - História do Direito do Trabalho.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. “Introdução”. In: OLIVEIRA, L. L.; VELLOSO, M. P. e GOMES, A. M. C. Estado Novo: Ideologia e Poder. Rio de Janeiro: Zahar Editores S.A., 1982.

PEIXOTO, Afrânio; FAVERO, Flamínio; RIBEIRO, Leonídio. Medicina legal dos acidentes do trabalho e das doenças profissionais. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1926.

REZENDE, Lysandro Monteiro de. “A Legislação do Trabalho em Face da Nova Constituição”. Revista do Trabalho, Janeiro, 1938.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Cidadania e Justiça: a Política Social na Ordem Brasileira. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1987.

SOUSA, Cynthia Pereira de. “Saúde, educação e trabalho de crianças e jovens: a política social de Getúlio Vargas”. In: GOMES, Angela M. de Castro. Capanema: o ministro e seu ministério. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2000.

Downloads

Publicado

2016-03-08