Mulheres no mercado de trabalho do magistério superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e67713

Resumo

Este estudo analisa a inserção histórica da mulher no mercado de trabalho e sua relação com a educação. Discute a persistência da desigualdade de gênero entre homens e mulheres no Brasil e o longo caminho a ser percorrido, em direção à superação deste fenômeno social, especialmente, quanto às dimensões étnico-raciais que desafiam os modos de vida de mulheres afrodescendentes. Faz uso de pesquisa bibliográfica e documental, abordando três aspectos principais: 1) a questão da divisão sexual no mercado de trabalho, que engloba as desigualdades de gênero no uso do tempo para dedicação à profissão, aos cuidados com a família, a imposição de múltiplas jornadas de trabalho; 2) a relação entre conquistas nas trajetórias educacionais e atuação no mercado de trabalho, especialmente, nos embates de inserção das mulheres na profissão docente; e, 3) a necessidade de políticas públicas que incentivem a participação equitativa de mulheres no mercado de trabalho. Os resultados evidenciaram a necessidade de políticas públicas baseadas em princípios de transversalidade, intersetorialidade e interseccionalidade, visando distribuição de competências (políticas, institucionais e administrativas) com foco no aumento das redes de fortalecimento da autonomia econômica das mulheres via escolarização e participação no mercado de trabalho, sem obliterar que existem especificidades para mulheres afrodescendentes, lésbicas, rurais, dentre outras.

Biografia do Autor

Raimunda Nonata da Silva Machado, Universidade Federal do Maranhão

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Docente do Departamento de Educação II/UFMA e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) – Brasil. É coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Educação das Relações Étnico-Raciais e de Gênero (NEPERGE/UFMA) e do Projeto de Pesquisa: Professora Afrodescendente no Magistério Superior: vozes epistêmicas. Atua como pesquisadora no Grupo de Estudo e Pesquisa sobre Educação, Mulheres e Relações de Gênero (GEMGe/UFMA) e no Núcleo de Pesquisa e Estudos RODA GRIÔ-GEAfro: gênero, educação e afrodescendência (UFPI).

Ana Carla de Melo Almeida, Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Universidade CEUMA

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Docente da Universidade CEUMA. Desenvolve estudos no Projeto de Pesquisa: Professora Afrodescendente no Magistério Superior: vozes epistêmicas (MAfroEduc)

Referências

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009.

BARRETO, Andreia. A mulher no ensino superior distribuição e representatividade. Cadernos do GEA, n. 6, jul./dez. 2014. Disponível em: http://flacso.org.br/files/2016/04/caderno_gea_n6_digitalfinal.pdf. Acesso em: 22 ago 2018.

BARROSO, Carmem Lúcia de Melo; MELLO, Guiomar Namo de. O acesso da mulher ao ensino superior brasileiro. In: Cadernos de Pesquisa, nº 15, dez 1975.

BARSTED, Leila Linhares; PITANGUY Jacqueline. O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Rio de Janeiro: Cepia; Brasília: ONU Mulheres, 2011.436p. Disponível em: http://onumulheres.org.br/wp-content/themes/vibecom_onu/pdfs/progresso.pdf. Acesso em: 21 set 2018.

BOAKARI, Francis Musa. Mulheres Brasileiras Afrodescendentes de Sucesso: o discurso do fazer, fazendo diferenças. In: BOAKARI, Francis Musa. Educação, Gênero e Afrodescendência: a dinâmica das lutas de mulheres na transformação social. Curitiba: CRV, 2015.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo sexo: a experiência vivida; tradução de Sérgio Milliet. 2 ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1980.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Nós, afro-descendentes: história africana e afro-descendente na cultura brasileira. In: ROMÃO, J. (Org.). História da Educação do Negro e outras histórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 249- 273.

DAVIS, Angela. Mulheres, cultura e política. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

FERREIRA, Lola. Menos de 3% entre docentes da pós-graduação, doutoras negras desafiam racismo na academia. Disponível em: http://www.generonumero.media/menos-de-3-entre-docentes-doutoras-negras-desafiam-racismo-na-academia/. Acesso em: 21 set 2018.

FLORESTA, Nísia. Opúsculo Humanitário. São Paulo: Cortez; Brasília: INEP, 1989.

FRANCHI, Tássio. Igualdades e diferenças no discurso do Exército Zapatista de Libertação Nacional: construção e estratégias do discurso zapatista (1994-1996). Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil. 2004.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Brasília, 2014. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv91983.pdf. Acesso em 21 fev 2018.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil (2018). Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101551 . Acesso em: 21 fev 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. IN: DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004. P. 443-481.

OIT. O emprego no mundo e perspectivas sociais – Tendências para as mulheres 2017 - Relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Disponível em: http://cite.gov.pt/pt/destaques/noticia665.html. Acesso em: 16 set. 2018.

PATEMAN, Carole, O contrato sexual. Trad. de Marta Avancini. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PINTO, Céli R. J. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos das mulheres no Brasil: desafios e perspectivas. In: PENIDO, Laís de Oliveira (Coord.). A igualdade de gêneros nas relações de trabalho. Brasília: Escola Superior do Ministério Público da União, 2006, p. 205-212.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B de S. MENEZES, M.P. (Orgs.) Epistemologia do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

RAGO, Margareth. Foucault, História & Anarquismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 2004.

ROSEMBERG, F.; PIZA, E. P.; MONTENEGRO, T. Mulher e educação formal no Brasil: estado da arte e bibliografia. Brasília: Reduc, Inep, 1990

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade; prefácio de Antônio Cândido de Mello e Souza. Petrópolis, Vozes, 1976.

SCHUMAHER, Schuma. BRAZIL, Érico Vital, Dicionário de Mulheres do Brasil de 1550 até a atualidade biográfico e ilustrado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. V. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

TEIXEIRA, Moema. A presença negra no magistério: aspectos quantitativos. In: OLIVEIRA, Iolanda de (Org.). Cor e Magistério. Rio de Janeiro: Quartet; EDUFF, 2006.

TRINDADE, Ana Paula P.; TRINDADE, Diamantino F. Desafios das primeiras médicas brasileiras. História da Ciência e Ensino. V. 4, p. 24-37, 2011. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/hcensino/article/download/6435/5767. Acesso em: 22 ago 2018.

WEFORUM. WORLD ECONOMIC FORUM. The Global Gender Gap Report 2018. Disponível em: http://www3.weforum.org/docs/WEF_GGGR_2018.pdf. Acesso em: 20 ago 2019.

VENTURINI, Anna Carolina. A presença das mulheres nas universidades brasileiras: um panorama de desigualdade. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13 Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1500230828_ARQUIVO_AnnaCarolinaVenturini_Texto_completo_MM_FG.pdf. Acesso em: 22 ago 2018.

VILLELA, Heloisa de O. S. Do artesanato à profissão – representações sobre a institucionalização da formação docente no século XIX. In: STEPHANOU, M. BASTOS, M. H. C. (Org.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Volume II: século XIX. Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

Downloads

Publicado

2021-05-11

Como Citar

Machado, R. N. da S., & Almeida, A. C. de M. (2021). Mulheres no mercado de trabalho do magistério superior. erspectiva, 39(2), 1–22. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e67713