Educação científica e tecnológica e literatura: uma leitura de A Caverna de José Saramago

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e77506

Resumo

Diversos autores têm indicado o potencial da articulação entre literatura e ciências. Concordando com essa perspectiva, neste artigo, temos como objetivo analisar as contribuições de um texto literário para a discussão de implicações sociais das ciências e tecnologias. Escolhemos como foco de análises um texto literário que não tem como intenção explícita a abordagem de temas de ciências. Esse tipo de abordagem, também proposta por outros autores, vem sendo tema de nossas pesquisas recentes. Compreendemos que, ao propor para o ensino de ciências a leitura de textos literários, abrimos espaço para contemplar a complexidade das relações sociais, localizando a ciência nesse contexto. No artigo, escolhemos como foco de nossa análise o livro A Caverna, de José Saramago. A escolha do texto se deu tendo em vista seu potencial para o desenvolvimento de discussões sobre as relações entre ciências e tecnologias e por possibilitar uma discussão crítica dos modos de produção e consumo fundados pela lógica capitalista. Além disso, o estudo permite aprofundar a compreensão da leitura como uma forma de autoria e aponta possíveis contribuições dessa perspectiva para pensar a leitura na educação em ciências.

Biografia do Autor

Patrícia Montanari Giraldi, Universidade Federal de Santa Catarina.

Professora Associada vinculada ao Departamento de Metodologia de Ensino  da Universidade Feceral de Santa Catarina e Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica.

Cecília Galvão, Universidade de Lisboa.

Professora Catedrática do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Referências

ACHINTE, Adolfo Albán. Pedagogías de la Re-existencia: artistas indígenas y afrocolombianos. In: WALSH, Catherine (ed). Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I, Ediciones AbyaYala, Quito, 2013, pp. 443-468.

ALMEIDA, Maria José P. Discursos da Ciência e da Escola: Ideologia e Leituras Possíveis. 1. ed. Campinas-São Paulo: Mercado de Letras, v. 1., 120 p., 2004.

ANDRADE, Inez B. ; ROCHA, Marcele; VERMELHO, Cristina; MARTINS, Isabel G. R. . Uma análise dos trabalhos apresentados no ENPEC sobre Leitura e Educação em Ciências. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2015, Águas de Lindóia, SP. X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2015. v. único.

ARAUJO, Marlucia. S. ; BEKMAN, Luciana S. ; SILVA, Josias F. ; BARROSO, Rosimeri R. . Abordagem da leitura no ensino de ciências: um estudo a partir das pesquisas produzidas nos Encontros Nacionais de Pesquisas em Educação em Ciências (ENPECs) 2005 a 2015. In: XI ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2017, SANTA CATARINA. XI ENPEC. RIO DE JANEIRO: ABRAPEC - Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2017.

BARBOSA, Alessandro.; CASSIANI, Suzani. Efeitos de colonialidade no currículo de ciências do ensino secundário em Timor-Leste. Dynamis (FURB. Online), v. 21, 2015, p. 3-14

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários escritos. São Paulo/Rio de Janeiro: Duas Cidades/Ouro sobre Azul, 2004, p. 169-191.

CASSIANI, Suzani. Reflexões sobre os efeitos da transnacionalização de currículos e da colonialidade do saber/poder em cooperações internacionais: foco na educação em ciências. Ciência e Educação (UNESP), v. 1, 2018, p. 225-244.

CASSIANI, Suzani; FLÔR, Cristhiane C. O que dizem os estudos da linguagem na educação científica? Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. Vol. 11; n 2, 2011

DORNELES, Dionia E.; GIRALDI, Patricia M. Diálogos inspirados em Carolina Maria de Jesus: decolonialidade na formação de professoras(es) de ciências. Educação, Cultura e Sociedade, v. 9, p. 11-24, 2019.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

FOUCAULT, Michel. O Que É um Autor?. Trad. José A. Bragança de Miranda e António Fernando Cascais. Lisboa: Passagem, [1969] 1992.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

GALVÃO, Cecília. Ciência na literatura e literatura na ciência. N3, Interacções, 2006, p-32-51.

GIRALDI, Patricia M. Leitura e escrita no ensino de ciências: espaços para produção de autoria. 2010, 350f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) - Programa de PósGraduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

LIBRANDI-ROCHA, Marília. Escutar a escrita: por uma teoria literária ameríndia. O Eixo e a Roda, v. 21, n. 2 (edição especial), 2012, p. 179-202.

LIBRANDI-ROCHA, Marília. A Carta Guarani Kaiowá e o direito a uma literatura com terra e das gentes. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (44), 2014,165-191.

MALDONADO-TORRES, NelsonPensamiento crítico desde la sub-alteridad: los estudios étnicos como ciencias descoloniales o hacia la transformación de las humanidades y las ciencias sociales en el siglo veintiuno. In: Saavedra, José Luis (Ed.). Educación superior, interculturalidad y descolonización, p. 145-174, 2007.

ORLANDI, Eni. Discurso e leitura. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

ORLANDI, Eni. Colonização, globalização, tradução e autoria científica. In: GUIMARÃES, E. (org.). Produção e circulação do conhecimento. Política, ciência, divulgação. Campinas, SP: Pontes Editora, 2003, p. 13-19.

ORLANDI, Eni. P. A Linguagem e seu Funcionamento. 4. ed.,Campinas: Pontes, 1996.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni Pulcinelli Orlandi [et al.] Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PIASSI, Luis. P. De Émile Zola a José Saramago: Interfaces didáticas entre as Ciências Naturais e a Literatura Universal. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, n. 1, 2015, p. 33-57.

PIASSI, Luis P.; PIETROCLA, Maurício. De olho no futuro: ficção científica para debater questões sociopolíticas de ciência e tecnologia em sala de aula. Ciência & Ensino, vol. 1, número especial, 2007.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global / compiladores Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

ROCQUE, Lucia. R.; SAWADA, Anunciata; FIGUEIRA-OLIVEIRA, Denise. Literatura e Imagens de Ficção Científica: perspectivas entre as ciências e as artes, relações possíveis para a formação de professores no ensino de ciências. In: Leila Assumpção Harris. (Org.). A Voz e o Olhar do Outro. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012. v. 4, p. 72-83.

RIBEIRO, Simone S. ; Giraldi, Patricia M. ; CASSIANI, Suzani. As não ausentes: olhar interseccional para a ecologia de saberes. Revista Fórum Identidades, v. 30, 2019, p. 131-150.

Santos, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. 1. ed. -- Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O direito dos oprimidos. São Paulo: Cortez, 2014.

Santos, Boaventura de Sousa. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SARAMAGO, José. A Caverna. São Paulo: Companhia das letras, 2000. p. 350.

SILVA, Ezequiel. T. Ciência, leitura e escola. In: ALMEIDA, Maria José P. M.; SILVA, Henrique C. (orgs.). Linguagens, leituras e ensino da ciência. Campinas: Mercado de Letras, 1998, p. 121-130.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da Mente: Perspectivas da Biodiversidade e da Biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2013.

WALSH, Catherine. Pedagogías Decoloniales. Práticas Insurgentes de resistir, (re)existir e (re)vivir. Serie Pensamiento Decolonial. Editora Abya-Yala. Equador, 2017

ZANETIC, João. Física e literatura: construindo uma ponte entre as duas culturas. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, v. 13, 2006, p. 71-87

Downloads

Publicado

2021-06-28

Como Citar

Giraldi, P. M., & Galvão, C. (2021). Educação científica e tecnológica e literatura: uma leitura de A Caverna de José Saramago. erspectiva, 39(2), 1–20. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e77506

Edição

Seção

Dossiê Linguagem, literatura e decolonialidade: caminhos para pensar a educação em ciências