Informação como prova ou monumento: materialidade, institucionalidade e representação

Rodrigo Rabello, Georgete Medleg Rodrigues

Resumo


Objetivo: Analisar a informação como prova ou monumento a partir de uma perspectiva interdisciplinar, para, especificamente, realizar uma reflexão sobre as implicações epistemológicas e políticas em modos de representação a partir da consideração da materialidade e da institucionalidade da informação.

Método: Lança mão de revisão de literatura não exaustiva mediante saberes da ciência da informação, bem como das perspectivas documental, judiciária, historiográfica, arquivística e diplomática que encontram no documento seus subsídios teóricos, metodológicos e operacionais. A seleção dos autores dos campos abordados segue a trilha daqueles que apresentam contribuições significativas em perspectivas teóricas francófonas.

Resultado: A transformação da “evidência” materializada em “coisa” institucionalizada e em meio de “prova” pressupõe: a) sujeitos com alguma autoridade, b) documento que congrega dimensões epistemológica e política sintetizadas em sua condição perene e material (suporte) e efêmera e imaterial (pragmática e simbólica).

Conclusões: As implicações epistemológicas e políticas de modos de representação são evidenciadas mediante os enunciados: a) “o documento, quando autêntico, leva à verdade”, orientador da “informação como prova” para representação da realidade social; e b) “todo documento é um monumento”, orientador da “informação como monumento” para a legitimação de discursos sobre a realidade.


Palavras-chave


Informação; Documento; Materialidade; Prova; Monumento; Representação; Arquivo

Referências


BAUER, W. Documentos. In: Wilhelm Bauer. Introducción al estudio de la Historia. Barcelona: Bosch, 1957.

BELLOTTO, H. L. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado / Imprensa Oficial do Estado, 2002.

BLOCH, M. Apologie pour l’histoire, ou métier d’historien. Paris: Librairie Armand Colin, 1952.

BRIET, S. Qu'est-ce que la documentation? Paris: Éd. Documentaires Industrielles et Técnicas, 1951.

BUCKLAND, M. K. Information as thing. JASIS, v. 45, n. 5, p. 351-360, 1991.

BUCKLAND, M. K. What is a document? JASIS, v. 48, p. 804-809, 1997.

BURKE, P. A Escola dos Annales: 1929-1989: a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Unesp, 1997.

CAPURRO, R. Epistemología y Ciencia de la Información. Enl@ace: Revista Venezolana de Información, Tecnología y Conocimiento, v. 4, n. 1, p. 11-29, 2007.

CASANOVA, E. Archivistica. Lazzeri: Siena, 1928.

CHARTIER, R. História positivista. In: LE GOFF, J. et al. A nova história. Coimbra: Almedina, 1978. p. 516-518.

COURTRIGHT, C. Context in Information Behavior Research. ARIST, v.41, p.273-306, 2007.

DERRIDA, J. Mal d’archive: une impression freudienne. Paris: Éd. Galillé, 2008.

DERVIN, B.; NILAN, M. Information needs and uses. ARIST, v. 21, p. 3-33, 1986.

DICK, A. L. Epistemological positions and Library and Information Science. Library Quartely, v. 69, n. 3, p. 305-323, 1999.

DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. The genealogy of the modern individual: the interpretive analytics of power, truth, and body. In: Hubert Dreyfus. Michel Foucault, beyond structuralism and hermeneutics. Chicago: The University of Chicago, 1983. p. 104-204.

DURANTI, L. Diplomatics: new uses for an old science. Archivaria, v. 28, p. 7-27, 1989.

DURANTI, L. The concept of appraisal and archival theory. American Archivist, v. 57, p. 328-344, 1994.

FAVIER, J. Les archives. Paris: Presses Universitaires de France, 2001.

FOUCAULT, M. L’Archéologie du savoir. Paris: Gallimard, 1969.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 2009.

JENKINSON, H. A manual of archive administration. London: Percy Lund; Humphries, 1965.

LE GOFF, J. Documento/monumento. In: Jacques Le Goff. História e memória. 7. ed. Campinas: Unicamp, 2013. p. 485-499.

MENESES, U. T. B. Memória e cultura material: documentos materiais no espaço público. Estudos Históricos, v. 11, n. 21, p. 89-103, 1998.

MEYRIAT, J. Document, documentation e documentalogie. Revue de Bibliologie, Schema et Schematisation, v. 19, 51-63, 1981.

MULLER, S.; FEITH, J.A.; FRUIN, R. Manual de arranjo e descrição de arquivos. Rio de Janeiro: Ministério da Justiça; Arquivo Nacional, 1973.

MURGUIA, E. I. Saber/poder: os agenciamentos da Ciência da Informação com a Biblioteconomia e a Arquivologia no Brasil. InCID: Rer. Ci. Inf. Document., v. 5, n. 1, p. 4-26, 2014.

NUÑEZ-CONTRERAS, L. Concepto de documento. In: Luis Núñez Contreras. Archivistica: estudios básicos. Sevilla: Diputación Provincial, 1981. p. 25-44.

OTLET, P. Traité de documentation : le livre sur le livre : théorie et pratique. Bruxelles: Mundaneum, 1934.

POMIAN, K. A história das estruturas. In: LE GOFF, J. et al. A nova história. Coimbra: Almedina, 1978. p. 183-208.

RABELLO, R. Sujeito e agências informacionais: comportamento, prática e ação. In: GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N.; RABELLO, R. (Org.). Informação: agentes e intermediação. Preface by Rafael Capurro. Brasília: IBICT, 2017.

RABELLO, R. Documento e institucionalidades: dimensões epistemológica e política. Encontros Bibli: Rev . Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., v. 23, n. 51, p. 138-156, 2018.

RABELLO, R.; RODRIGUES, G. M. Prova documental: inscrições e materialidade. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v.7, n.2, jul./dez. 2014.

RABELLO, R.; RODRIGUES, G. M. Documento, forma e materialidade: abordagens probatórias e representação da realidade. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 17., 2016, Salvador. Descobrimentos da Ciência da Informação: desafios multi, inter e transdisciplinaridade. Salvador: UFBA, 2016. p. 267-286.

REIS, J. C. A História, entre a filosofia e a ciência. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

RICŒUR, P. Phase documentaire: la mémoire archivée. In: Paul Ricœur. La mémoire, l’histoire, l’oubli. Paris: Éditions du Seuil, 2000. p. 181-230.

RIESCO TERRERO, A. La Paleografia y Diplomática en el marco de los estudios de Documentación. In: CONGRESO UNIVERSITÁRIO DE CIÊNCIAS DE LA DOCUMENTACIÓN, 1., Madrid, 2000. Anales… Madrid: Universidad Complutense, 2000

SCHELLENBERG, T. R. Modern archives: principles and techniques. Chicago: The University of Chicago Press, 1975.

SHWARTZ, J. M.; COOK, T. Archives, records, and power: the making of modern memory. Archival Science, v. 2, p. 1-19, 2002.

SILVA, A.M. et al. Arquivística: teoria e prática de uma Ciência da Informação. Porto: Afrontamento, 1999.

TESSIER, G. La Diplomatique. 3. ed. Paris: PUF, 1966




DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2019.e58738



Direitos autorais 2019 Rodrigo Rabello, Georgete Medleg Rodrigues

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1518-2924.

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By  (mais informação)