As heroínas de Michele Roberts e a ação de escrever conscientemente

Autores

  • Maria Soraya García-Sánchez Universidad de Las Palmas de Gran Canaria

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2011v8n2p199

Palavras-chave:

Heroínas, Michèle Roberts, Romance, Escrita das mulheres

Resumo

Este artigo é dedicado a descrever a evolução da ficção contemporânea da escritora anglo-francesa Michèle Roberts, comparando seus romances a um de seus livros mais recentes: O Mistressclass (2003). Apesar de apresentar algumas mudanças em seu estilo de narrativa, a autora feminista tem mantido a presença de mulheres como ativistas em sua ficção. Tenho focado em como Roberts é inspirada por personagens femininas reais, canonizadas ou históricas, a fim de criar protagonistas ligadas à história que expressam suas próprias vozes conscientes por meio do romance moderno da consciência. A maioria das heroínas de Roberts é geralmente desconhecida e são personagens marginais que estão posicionadas no centro de suas narrativas, a fim de reescrever suas próprias histórias. A história pessoal torna-se necessariamente vital para ter acesso à história geral das mulheres.

 

Biografia do Autor

Maria Soraya García-Sánchez, Universidad de Las Palmas de Gran Canaria

Doctor and lecturer at the Faculty of English Studies at the University of Las Palmas de Gran Canaria, Spain where teach language, culture and literature courses. The research areas are focused on women’s writing, literature, culture and language in contemporary contexts. Doutora e Professora de lengua estrangeira, cultura e literatura no Departamento de Línguas Estrangeiras da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria, Espanha. Doctora y Profesora de lengua extranjera, cultura y literatura en el Departamento de Lenguas Modernas de la Universidad of Las Palmas de Gran Canaria, España.

 

Downloads

Publicado

2011-12-09

Edição

Seção

Artigos