Autodesconstruçâo narrativa no cinema contemporâneo: a emergência de questões ontológicas em McQueen e Esmir Filho

Alessandro Zir

Resumo


Este ensaio examina, a partir de dois exemplos (Hunger e Os famosos e os duendes da morte), o processo de emancipação, no cinema contemporâneo, de elementos icônicos, visuais e sonoros, com relação à sua função narrativa. Busca-se caracterizar esse processo como uma autodesconstrução da unidade conceitual dessas obras, a qual possibilita a emergência de questões de ordem ontológica, fundamentais à experiência estética para além das suas dimensões psicológico-sociais. O ensaio se inicia com uma discussão de pressupostos teóricos de base, remontando a autores como Heidegger e Blanchot, para em seguida, durante a análise concreta dos casos estudados, fazer referência também a pesquisas mais recentes e especificamente relevantes para a área de cinema, como os estudos de Michel Chion sobre L’audio-vision.

 


Palavras-chave


Imagem; Som; Écriture; Desconstrução; Cinema

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2012v9n1p349

Direitos autorais



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.