Amélia Beviláqua que era mulher de verdade: a memória construída da esposa de Clóvis Beviláqua

Wilton Carlos Lima da Silva

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2014v11n2p138

A partir de quatro biografias sobre o jurista Clóvis Beviláqua, que apresentam três estigmas do personagem - ser filho de padre, se envolver em uma grande polêmica jurídico gramatical com Rui Barbosa na confecção do Código Civil de 1917 e ter uma esposa de modos exóticos - busca-se discutir a memória construída de Amélia Carolina de Freitas Beviláqua, que fica marcada como pioneira do movimento feminista no Brasil e também como escritora arrivista que ambicionou entrar para a Academia Brasileira de Letras; dona de casa relapsa; mulher pouco vaidosa e desalinhada no vestir; esposa leviana ou adúltera, entre outras adjetivações negativas.


Palavras-chave


Clóvis Beviláqua; Amélia Carolina de Freitas Beviláqua; Biografia; Memória

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2014v11n2p138

Direitos autorais



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.