Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - DSM-5, estatísticas e ciências humanas: inflexões sobre normalizações e normatizações

Tito Sena

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2014v11n2p96

A edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - DSM-5, em 2013, mantém acesa a polêmica sobre diagnósticos psiquiátricos. O campo da psiquiatria, historicamente em disputa com a psicologia e a psicanálise (quanto à forma de avaliação e terapêutica), continua a sustentar uma prática enquadradora classificatória (taxionômica), fundamentada em características e critérios diagnósticos de perturbações ou transtornos verificados, em sua maioria, empiricamente. O uso das ferramentas estatísticas nas ciências humanas é questionável, e o que se pretende neste artigo é apontar o disfarce de critérios quantitativos em critérios qualitativos e, por extensão, da prática discursiva comum de confundir descrições com apreciações, estas últimas com julgamentos valorativos e normativos. Fecha-se um círculo: as frequências (estatísticas) definem as normalidades (axiológicas) e estas se sustentam nas freqüências. Neste âmbito, as elaborações de Canguilhem, Ewald, Foucault e Goffman foram imprescindíveis para a articulação das argumentações teóricas críticas.


Palavras-chave


DSM-5; Estatística; Ciências Humanas; Normalização; Normatização

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2014v11n2p96

Direitos autorais



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.