Modelos alimentares e arranjos produtivos no Vale do Ribeira Paranaense: um estudo sobre os princípios da soberania alimentar

Autores

  • Rubia Carla Formighieri Giordani Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR
  • Daniela Ferron Carneiro Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR
  • Maisa Santos Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR
  • Alessandro Donasolo Cooperativa de Crédito de Interação Solidária, CRESOL, Francisco Beltrão - PR

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n2p156

Palavras-chave:

Segurança alimentar, Agricultura familiar, Modelos alimentares, Arranjos produtivos

Resumo

A relação que se estabelece entre os mecanismos de produção, organização social e apropriação do espaço geográfico são fundamentais para a compreensão das práticas alimentares no meio rural. Este artigo traz à luz destas considerações um estudo de caso sobre a soberania alimentar entre agricultores caboclos de uma comunidade situada na área rural do Vale do Ribeira paranaense. O estudo demonstrou uma relação entre os aspectos organizacionais e econômicos da propriedade rural e a definição de certos modelos de consumo atestados pelas possibilidades produtivas. As modificações no perfil de produção agrícola como a redução do número de hortas, por exemplo, ou pouca variedade produtiva implicaram na diminuição do consumo de legumes e verduras, leite e carnes. Notou-se ainda certa monotonia alimentar em parte influenciada pela pouca diversidade na produção de alimentos, com destaque para as frutas, verduras, raízes e cereais.

Biografia do Autor

Rubia Carla Formighieri Giordani, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná e doutora em Etnologia pela Université Paris Ouest Nanterre, França. Professora do Departamento de Nutrição da Universidade Federal do Paraná e pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde/UFPR-CNPq, Curitiba, PR.

Daniela Ferron Carneiro, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Segurança Alimentar e Nutricional da Universidade Federal do Paraná. Graduação em Nutrição e especialização em Saúde da Família pela Universidade Federal do Paraná.

Maisa Santos, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Mestranda em Ciência do Solo pela Universidade Federal do Paraná. Graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná.

 

Alessandro Donasolo, Cooperativa de Crédito de Interação Solidária, CRESOL, Francisco Beltrão - PR

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal do Paraná e extensiosta, Especialização em Educação do Campo e Agricultura familar e camponesa pela Universidade Federal do Paraná.

Referências

ABRANDH. AÇÃO BRASILEIRA PELA NUTRIÇÃO E DIREITOS HUMANOS. Direito humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. BURITY, V. et al. Brasília, 2010. Disponível em: http://www.redsan-cplp.org/uploads/5/6/8/7/5687387/dhaa_no_contexto_da_san.pdf Acesso em 29 de Jan 2015

ANTUNIASSI, M. H.; REISMANN, L. Características socioambientais da Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape. Cadernos CERU, série 2, n. 12, 2001.

BRASIL. Lei n. 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN – com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11346.htm

Acesso em 30 Dez 2014.

_______. TERRITÓRIOS DA CIDADANIA. 2015. Disponível em: http://www.territoriosdacidadania.gov.br/dotlrn/clubs/territriosrurais/xowiki/120Territorios Acesso em 29 Jan 2015.

CAMPOS, C. S. S. Campesinato autônomo – uma nova tendência gestada pelos movimentos sociais do campo. Lutas & Resistências, v.1, p.146 - 162, set. 2006.

CAMPOS C. S. S. CAMPOS R. Soberania alimentar como alternativa ao agronegócio no Brasil. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales [Internet]. 2007; v. XI, n. 245. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-24568.htm Acesso em 29 Jan. 2015.

CAUME, D. J. Segurança Alimentar, Reforma Agrária e Agricultura Familiar. Revista da UFG, v. 5, n. 1, 2003. Disponível em: http://www.proec.ufg.br/revista_ufg/fome/seguranca.html

Acesso em: 29 jan 2015.

CONSEA. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Relatório da III Conferência Nacional de SAN. Fortaleza: Consea, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/consea/3conferencia/Static/Documentos/Documento_%20Final.pdf Acesso em 29 Jan 2015.

ELESBÃO, I. O espaço rural brasileiro em transformação. Finisterra, v. XLII, n. 84, p. 47 - 65, 2007.

FERREIRA, F. Para alimentar o mundo:modificações genéticas, (in)segurança alimentar e os riscos para a saúde humana e ambiental. Mediações, v. 17 n. 2, p. 272 - 289, Jul./Dez. 2012.

FISCHLER, C. El (h)omnívoro. El gusto, la cocina y el cuerpo. Barcelona: Editorial Anagrama. 1995.

FREIRE, P. Educação e mudança. 25ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

FURTADO, A C. G. F. S. BEZERRA, I. Semeando a agroecologia e colhendo práticas alimentares saudáveis: um olhar sobre os faxinalenses. Demetra, v. 9, n. 1, p. 23 - 40, 2014.

GÖRGEN, S. Os novos desafios da agricultura camponesa. Porto

Alegre, 2004.

HERNÁNDEZ, J. C. Patrimônio e Globalização: o caso das culturas alimentares. In: CANESQUI, A. M.; GARCIA, R. W. D. (orgs.) Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Segurança Alimentar 2004/2009. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/seguranca_alimentar_2004_2009/pnadalimentar.pdf Acesso em: 29 Jan. 2015.

IPARDES. Vale do Ribeira – Referências da dinâmica regional. Curitiba, 2013. Disponível em: < http://www.ipardes.gov.br/webisis.docs/vale_ribeira.pdf>

Acesso em: 29 Jan. 2015.

________. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caderno Estatístico Município de Itaperuçu, Curitiba, 2015. Disponível em

http://www.ipardes.gov.br/cadernos/MontaCadPdf1.php?Municipio=83560&btOk=ok

Acesso em 29 Jan 2015.

JUNGES, J. Bioética e Meio Ambiente num Contexto de América Latina. Revista Redbioética/UNESCO, v. 1, n. 9, p. 13 - 19, 2014.

MALUF, RSJ. Segurança Alimentar e Nutricional. Petrópolis: Vozes; 2007.

MENACHE, R.; MARQUES, F. C.; ZANETTI, C. Autoconsumo e segurança alimentar: a agricultura familiar a partir dos saberes e práticas da alimentação.

Revista de Nutrição PUCCAMP, v. 21, supl., p. 145-158, 2008.

MINAYO, M. C. O Desafio do Conhecimento — Pesquisa Qualitativa em Saúde. 11ª ed. São Paulo: Hucitec/Rio de Janeiro: Abrasco, 2010.

MINTZ, S. W. Comida e Antropologia. Uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.16 n.47, p. 31 - 42, 2001.

MIRANDA, A C. MOREIRA, J C; CARVALHO, R; PERES F. Neoliberalismo, uso de agrotóxicos e a crise da soberania alimentar no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva. Rio de janeiro, v. 12, n. 1, p. 7 – 14, 2007.

OLIVEIRA, A. U. A geografia agrária e as transformações territoriais

recentes no campo brasileiro. In: CARLOS, A. F. (Org.). Novos Caminhos da

Geografia. São Paulo: Contexto, 2002.

ONU. Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. ONU, Nova York, 1966.

Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/counter/Onu/Sist_glob_trat/texto/texto_2.html

Acesso em 29 de Jan 2015.

PEDROSO JUNIOR, N. N. et al. A casa e a roça: socioeconomia, demografia e agricultura em populações quilombolas do Vale do Ribeira, São Paulo, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências humanas, v.3, n.2, p. 227 – 252, 2008.

POULAIN, P. Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. 2ª ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2013.

PLOEG, J. D. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia

e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: UFRGS,

QUEIROZ, R. S. Caipiras negros no Vale do Ribeira: um estudo de Antropologia Econômica. 1983. 145 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Social), Faculdade de Letras, Ciências Humanas, USP, São Paulo, 1983.

RADOMSKY, G. F. W. LEAL O. F. Risco, sociedade e ambiente: o caso da produção ecológica cooperativa e a gestão global da biodiversidade e dos conhecimentos tradicionais. INTERthesis, v.8, n.2, p. 335 - 356, Jul./Dez. 2011.

SERAPIONI, M. Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa social em saúde: algumas estratégias para a integração. Ciência & Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 187 - 192, 2000.

SCHRAMM, R. F. Ética ambiental e bioética global. Revista Redbioética/UNESCO, v. 1, n. 9, p. 71 - 78, 2014.

SCHNEIDER, S. Reflexões sobre diversidade e diversificação. Agricultura, formas familiares e desenvolvimento rural. Ruris, v. 4, n. 1, p. 81 – 131, 2010.

SIMÕES, L. L.; LINO, C. F. (Orgs.). Sustentável Mata Atlântica. A exploração de seus recursos florestais. São Paulo: Editora SENAC, 2002.

THIOLLENT. M. Metodologia de Pesquisa Participativa e Pesquisa-Ação. Rio de Janeiro: COPPE/UFPJ, 2004.

UNESCO. Declaração Universal de Bioética e Direitos Humanos. [Versão eletrônica em língua portuguesa]. 2005. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001461/146180por.pdf

Acesso em Janeiro/2015.

VALENTE, F. L. S. Do combate à fome à segurança alimentar e nutricional: o direito humano à alimentação adequada. Revista de Nutrição PUCCAMP, v. 10, n. 1, p. 20 - 36, jan/jun 1997.

_____. Direito humano a alimentação: desafios e conquistas. São Paulo: Cortez; 2002.

WANDERLEY, M. N. B. O mundo rural como um espaço de vida. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

_____. A sociologia do mundo rural e as questões da sociedade no Brasil contemporâneo. Ruris, v. 4, n. 1 Segurança alimentar. Agricultura familiar. Modelos alimentares. Arranjos produtivos, p. 21 – 36, 2011.

Downloads

Publicado

2015-12-15

Edição

Seção

Artigos - Sociedade e Meio Ambiente