“Trezentas mil implicações”: possibilidades familiares em uma pesquisa sobre conjugalidade

Autores

  • Rafael Reis Luz Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n1p152

Palavras-chave:

Conjugalidade, Parentalidade, Reprodução Assistida, Família, Homossexualidade

Resumo

Este artigo consiste em um recorte de minha pesquisa de Mestrado, na qual investiguei a experiência da conjugalidade homossexual a partir de entrevistas com quatro casais, tendo como referenciais teóricos os estudos queer. No presente texto, parto de recentes contribuições sobre parentesco de Marilyn Strathern (2005/2015), especialmente suas discussões sobre parentalidade e demais relações familiares, para apresentar as narrativas de um dos casais de mulheres entrevistadas e pensar os (des)encontros entre certa ordem familiar instituída e novos arranjos familiares. Dentre as muitas expectativas, planos e dilemas, observamos que, no tocante à geração de filhos, são temidos os questionamentos da família de origem quanto à identificação e inclusão do genitor na rede familiar, à orientação sexual das mães etc. O discurso do casal aponta para uma complexa trama que envolve variadas possibilidades de arranjos parentais e familiares, sexualidades e afetos. Não obstante, o casal de mulheres entrevistadas parece operar sob uma reiteração subversiva: as possibilidades são discutidas e negociadas tendo a família de origem como referência legitimadora, como instituição que se autoriza a indagar seus vínculos, afetos e desejos. Nesse sentido, o casal analisado apropria-se de determinadas referências familiares porque estas dizem respeito às histórias individuais, ao mesmo tempo em que as negociam, reformulam-nas, submetem-nas às reavaliações que fazem em seu projeto de uma vida a dois ‘alternativa’.

Biografia do Autor

Rafael Reis Luz, Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Analista Judiciário na especialidade Psicólogo, no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981;

BAUMAN, Z. O mal estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998;

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015;

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Provimento nº 52, de 14 de março de 2016. Dispõe sobre o registro de nascimento e emissão da respectiva certidão dos filhos havidos por reprodução assistida;

CORRÊA, M. C. D. V. As novas tecnologias reprodutivas: uma revolução a ser assimilada. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 7, n. 1, pp. 69-98, 1997;

COSTA, J. F. Ordem médica e norma familiar. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989;

DONZELOT, J. A polícia das famílias. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986;

GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993;

FERNANDES, C. A. Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2. ed. São Carlos: Claraluz, 2008;

FONSECA, C. Quando cada caso NÃO é um caso: Pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 10, pp. 58-78, 1999;

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999. Coleção Tópicos;

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: A vontade de saber. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1994;

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987;

HEILBORN, M. L. Dois é par: Gênero e identidade sexual em contexto igualitário. Rio de Janeiro: Garamond, 2004;

LOPES, M. “Homens como outros quaisquer”: Subjetividade e homoconjugalidade masculina no Brasil e na Argentina. 2010. 339 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2010;

MELLO, L. Novas famílias: Conjugalidade homossexual no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Garamond, 2005;

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 6. ed. Campinas: Pontes Editores, 2012;

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009;

RAMÍREZ-GÁLVEZ, M. Razões técnicas e efeitos simbólicos da incorporação do “progresso tecnocientífico”: reprodução assistida e reprodução de crianças. Revista Sociedade e Estado, v. 26, n. 3, pp. 565-585, 2011;

RAMÍREZ-GÁLVEZ, M. Corpos fragmentados e domesticados na reprodução assistida. Cadernos Pagu, n. 33, pp. 83-115, 2009;

SARTI, C. A. Contribuições da antropologia para o estudo da família. Psicologia USP, v. 3, n. 1/2, pp. 69-76, 1992;

STRATHERN, M. Parentesco, direito e o inesperado: parentes são sempre uma surpresa. 1. ed. São Paulo: Editora Unifesp, 2015;

WARNER, M. Introduction: Fear of a Queer Planet. Social Text, n. 29, pp. 3-17, 1991.

Downloads

Publicado

2017-01-08

Edição

Seção

Artigos - Estudos de Gênero