A oikonomia nas epístolas de Paulo: notas sobre a “hermenêutica” de Agamben

Rafael Venturini

Resumo


Acompanhando a reconstrução da origem do conceito teológico de oikonomia, que Giorgio Agamben oferece na obra O Reino e a Glória: Uma Genealogia Teológica da Economia e do Governo: Homo sacer II, 2 (2011), o artigo propõe uma releitura dos trechos nos quais, em suas cartas às igrejas, o apóstolo Paulo utiliza o termo grego. Essa releitura confirma a proposição geral do filósofo italiano, de que a compreensão da oikonomia como uma “administração” dos homens e das coisas, como um paradigma gerencial, não parece ter sofrido alterações semânticas expressivas nos escritos de Paulo e na linguagem corrente entre os cristãos até o fastígio do Império Romano. Não obstante, tal releitura acaba por indicar fragilidades significativas em O Reino e a Glória, as quais podem ser constatadas tanto pelo leitor não especializado como pelos estudiosos de Agamben nos campos da filosofia, da teologia e da economia política. Essas notas sobre a obra de Agamben são, por fim, uma tentativa de estabelecer um diálogo com outros textos recentemente publicados no Brasil sobre o autor.


Palavras-chave


Oikonomia; Epístolas de Paulo; Hermenêutica; Giorgio Agamben; O Reino e a Glória

Texto completo:

PDFA

Referências


AGAMBEN, G. “A Europa Precisa Colapsar” In: SARAIVA, M. H. Entrevista com Giorgio Agamben, por Iris Radisch (Tradução). Profanações, Ano 3, n. 1, p. 238-248, 2016.

______. “Cristianismo como Religião: a Vocação Messiânica”. In: SBARDELOTTO, M. Adaptação de um discurso de Agamben na Catedral de Notre-Dame, em Paris, em março de 2009 (Tradução). Publicada em janeiro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 set 2016.

______. “Da Teologia Política à Teologia Econômica”. In: ASSMANN, S.J. Entrevista com Giorgio Agamben, por Gianluca Sacco (Tradução). Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, v. 2, n. 2, p. 1-11, 2005.

______. O Mistério do Mal. Bento XVI e o Fim dos Tempos. Tradução de Silvana de Gaspari e Patrícia Peterle. São Paulo: Boitempo; Florianópolis, SC: Ed. da UFSC, 2015.

______. O Reino e a Glória: uma Genealogia Teológica da Economia e do Governo: Homo sacer, II, 2. São Paulo: Boitempo, 2011.

ARISTÓTELES. Politics. Tradução de Harris Rackham. Cambridge: Harvard University Press, 2005.

ASSMANN, S. J. O Romano Radical (Entrevista). Subtrópicos, n. 17, p. 6-7, 2015.

BÍBLIA. Grego. Novum Testamentum Textus Stephanici a.D. 1550. Whitake et soc.; G. Bell et filli: Londres, 1877.

______. Português. Bíblia Sagrada. Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição Corrigida e Revisada Fiel ao Texto Original. São Paulo: Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, 2007.

DULCI, P. L. O Rosto Filosófico de Paulo: Categorias Messiânicas na Filosofia Política de Giorgio Agamben. Profanações, Ano 2, n. 2, p. 111-138, 2015.

______. Vivendo na Plenitude dos Tempos: Agamben e Zizek Leitores de Paulo. Revista Teologia Brasileira, v. 1, 2014.

GIGNAC, A. Paulo de Tarso e os Filósofos Contemporâneos. In: NEUTZLING, I. (ed). Cadernos IHU em Formação. Ano 5, n. 32, p. 12-24, 2009.

HARDEN, J.M. Dictionary of the Vulgate New Testament. Londres: Society for Promoting Christian Knowledge. Nova Iorque: Macmillan Co, 1921.

HARINK, D. (ed). Paul, Philosophy and the Theopolitical Vision: Critical Engagements with Agamben, Badiou, Zizek and Others (Theopolitical Visions 7). Eugene: Cascade Books, 2010.

KELLY, J. N. Early Christian Doctrines. Revised Edition. Nova Iorque: HarperCollins, 1978.

KEREKES, E. The Figure of the Apostle Paul in Contemporary Philosophy (Heidegger, Badiou, Agamben, Žižek). Journal for the Study of Religions and Ideologies, v. 14, n. 42, p. 27-53, 2015.

MCCLOSKEY, D. N. The Two Movements in Economic Thought, 1700–2000: Empty Economic Boxes Revisited. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 set 2016.

MILOVIC, M. Política do Messianismo: algumas reflexões sobre Agamben e Derrida. Cadernos de Ética e Filosofia Política, n. 14, p. 103-121, 2009.

NOVAIS, M. Reino e Governo: Notas Sobre a Teologia Econômica em Giorgio Agamben. Revista Profanações, v. 3, p. 133-160, 2016.

RATAJCZAK, M; ZAWISZA, R. Introduction: Theology as a Critique. Praktyka Teoretyczna, n. 3, v. 17, p. 8-22, 2015.

SCHUMPETER, J. A. História da Análise Econômica. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964.

TEIXEIRA, A. Marx e a Economia Política: a Crítica como Conceito. Econômica, v. 2, n. 4, p. 85-109, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n3p32

Direitos autorais 2017 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.