"É a partir dessa sementinha que nós vamos avançando". As práticas agroecológicas do movimento de mulheres camponesas em Santa Catarina (MMC/SC)

Mariateresa Muraca

Resumo


O artigo se origina de uma etnografia colaborativa iniciada em 2011 junto ao Movimento de Mulheres Camponesas em Santa Catarina (MMC/SC), e visa delinear a caracterização político-pedagógica da perspectiva agroecológica encarnada pelo movimento, conjuntamente com as demais organizações da Via Campesina. As reflexões apresentadas surgem da elaboração crítica de dados coletados através de vários instrumentos: entrevistas narrativas, participação-observante, grupos focais, análise de documentação, ações de devolução. Primeiramente a luta por agroecologia será contextualizada no interior da trajetória do MMC/SC. O texto, então, entrará no mérito das práticas agroecológicas do movimento, com especial referência para as atividades de resgate, produção e multiplicação das sementes crioulas e o uso das plantas medicinais. Os resultados apontaram o cunho feminista e decolonial das práticas agroecológicas no interior do projeto popular de agricultura camponesa do MMC. 


Palavras-chave


Movimento de Mulheres Camponesas; Agroecologia; Sementes Crioulas; Plantas Medicinais; Projeto Popular de Agricultura

Texto completo:

PDF/A

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA (ABRASCO) – Dossiê Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde Parte 1 - Agrotoxicos, Seguranca Alimentar e Nutricional e Saude. Rio de Janeiro: ABRASCO, 2012.

ARTICULAÇÃO NACIONAL DE AGROECOLOGIA (ANA). Mulheres construindo a agroecologia. Caderno do II encontro Nacional de Agroecologia. Rio de Janeiro: Walprint Gráfica e Editora, 2008.

BERTIN, Giovanni. Educazione alla ragione. Lezioni di pedagogia generale. Roma: Armando, 1995.

BONI, Valdete, De agricultoras a camponesas: o Movimento de Mulheres Camponesas de Santa Catarina e suas práticas. 2012. Tese (doutorado em Sociologia Politíca) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

CAPORAL, Francisco R. Em defesa de um plano nacional de transição agroecológica: compromisso com as atuais e nosso legado para as futuras gerações. In: BALESTRO, Moisés V.; SAUER, Sérgio (orgs). Agroecologia e os desafios da transição agroecológica. São Paulo: Expressão Popular, 2009, p. 267-309.

CICCARESE, Davide. I semi e la terra. Manifesto per l’agricoltura contadina. Milano: Altreconomia, 2013.

CINELLI, Catiane. Programa de sementes crioulas de hortaliças: experiência e identidades no Movimento de Mulheres Camponesas. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação nas Ciências) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2012.

ETC GROUP. Monsanto-Bayer y el control digital de la agricultura. 2016. Disponível em: www.etcgroup.org.es. Último acesso em: 29 novembro 2016.

ETC GROUP. Transgénicos, glifosato y cancer. 2015. Disponível em: www.etcgroup.org.es. Último acesso em: 20 novembro 2016.

GEBARA, Ivone. Teologia ecofeminista. São Paulo: Olho d'Água, 1997.

VIGIL, José M.; CASALDÁLIGA, Pedro (orgs). Agenda Latinoamericana Mundial 2012. Buen vivir/buen convivir. Disponível em: www.latinoamericana.org. Último acesso em: 28 novembro 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA). Posicionamento do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva acerca dos agrotóxicos. 2015. Disponível em: www.inca.org.br. Último acesso em: 22 novembro 2016.

MMC/BRASIL. Lutas. Disponível em: www.mmcbrasil.com.br. Último acesso em: 29 novembro 2016.

MMC/Brasil. Mulheres camponesas em defesa da saúde e da vida. Cartilha, Chapecó, abril 2008.

MURACA, Mariateresa, Práticas pedagógicas populares, feministas e decoloniais do Movimento de Mulheres Camponesas de Santa Catarina. Uma etnografia colaborativa. 2015. Tese (doutorado interdisciplinar em Ciências Umanas) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

PIUSSI, A. Maria. Educare per il cambiamento o cambio di civiltà? In: BUTTARELLI, Anna R.; GIARDINI, Federica (orgs). Il pensiero dell'esperienza. Milano: Baldini Castoldi Dalai, 2008a, p.445-459.

POLI, Odilon. Leituras em movimentos sociais. Chapecó: Argos, 2008.

SCHMITT, Claudia J. Transição agroecológica e desenvolvimento rural: um olhar a partir da experiência brasileira. In: BALESTRO, Moisés V.; SAUER, Sérgio (orgs). Agroecologia e os desafios da transição agroecológica. São Paulo: Expressão popular, 2009, p.177-204.

SHIVA, Vandana. Le nuove guerre della gobalizzazione. Sementi, acqua e forme di vita. Torino: Utet, 2005.

SHIVA, Vandana. Sopravvivere allo sviluppo. Torino: Isedi, 1990.

TECCHIO, Andréia. O uso de sementes crioulas de hortaliças pelas componentes do Movimento de Mulheres Camponesas de Santa Catarina. 2005. Monografia (pós-graduação em Movimentos Sociais e Desenvolvimento) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Francisco Beltrão, 2005.

TOMMASI, Wanda. Il lavoro del servo. In: Diotima. Oltre l'uguaglianza. Le radici femminili dell'autorità. Napoli: Liguori, 1995, p.59-84.

WEZEL, Alexander et al. Agroecology as a science, a movement and a practice. A review. Agronomy for Sustainable Development, n.4. pp.503-515, out./dez. 2009.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2018v15n1p75

Direitos autorais 2018 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.