Reflexões sobre o poder mediadas pelo empoderamento das mulheres na condição de sujeito político

Autores

  • Maria Helena Santana Cruz Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão, SE
  • Ana Paula Leite Nascimento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe, Lagarto, SE
  • Anabela Maurício de Santana Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, SE

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2018v15n3p38

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre o empoderamento das mulheres na condição de sujeito político, elemento fundamental para sua emancipação e participação ativa na sociedade. Com vistas a alcançar o objetivo proposto, desenvolveu-se uma pesquisa qualitativa de natureza bibliográfica em diálogo com vertentes do conceito de gênero, patriarcado e empoderamento das mulheres. O empoderamento envolve um processo político para gerar compreensão dos complexos fatores que criam subordinação/exclusão das mulheres do mundo público/político e engendrar consciência sobre a reformulação/desconstrução dos atuais esquemas políticos e sociais da sociedade. Captamos, pois, que é preciso levar em conta as relações de poder entre homens e mulheres, e, desta maneira, buscar solucionar não somente condições concretas materiais das mulheres, senão também mudar as relações sociais de gênero na sociedade, construindo democracias com equidade de gênero.

Biografia do Autor

Maria Helena Santana Cruz, Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão, SE

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia, Bahia, BA. Pós-Doutorado em Sociologia da Educação na Universidade Federal de Sergipe. Professora nos Programas de Pós-Graduação em Educação e Serviço Social na mesma universidade. Professora Emérita da Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão, SE, Brasil.

Ana Paula Leite Nascimento, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe, Lagarto, SE

Doutoranda em Educação na Universidade Federal de Sergipe. Assistente Social do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe, Lagarto, SE, Brasil

Anabela Maurício de Santana, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, SE

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe. Professora Tutora do Centro de Educação Superior a Distância da Universidade Tiradentes.

Referências

APPLE, M. W. Power, meaning and identity: essays in critical educational studies. New York: Peter Lang, 1999.

BERQUÓ, E. Arranjos familiares no Brasil: uma visão demográfica. In: SCHWARCZ, L.M. (Org.). História da vida privada no Brasil. Contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

CASTELLS, M. O poder da identidade. A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CONNELL, R. W. Schools and social justice. Montréal: Our Schools/Our Selves Education Foundation, 1993.

CRENSHAW, K. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, jan., 2002, p.171-188. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000100011&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 9 jan. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011.

CRUZ, M. H. S. Trabalho, gênero e cidadania: tradição, modernidade. Aracaju: Editora UFS, 2005.

FOUCAULT, M. Microfisica do poder. 16. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GARCÍA CANCLINI, N. Culturas híbridas: estratégias para entrar y salir de la modernidad. México: Grijalbo.1990.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. Educação & Realidade, v. 22, n. 2, 1997, p.15-46.

HIRATA, H. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

HONNETH, A. Luta pelo reconhecimento: para uma gramática moral dos conflitos sociais. Tradução Luiz Repa. São Paulo: Editora 34, Edição brasileira, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Mensal de Emprego (PME) (2010). Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/ home/estatistica/ indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/Mulher_Mercado_Trabalho_Perg_Resp.pdf>. Acesso em: 2 ago. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais. (2015). Disponível em: . Acesso em: 7 out. 2017.

LEITE, C. L. de P. Mulheres: muito além do teto de vidro. São Paulo: Atlas, 1994.

LEÓN, M. (Org.). Poder y empoderamiento de las mujeres. Santafé de Bogotá: Tercer Mundo y UN Facultad de Ciencias Humanas, 1997. Disponível em: <https://issuu.com/renejaimez/docs/el-empoderamiento-de-las-mujeres>. Acesso em: 17 nov. 2017.

McKINNON, C. A. Feminism, marxism, method, and the state: An Agenda for: Theory. Signs, v. 7, n. 3, Feminist. Published by University of Chicago Press. Spring, 1982, p. 515-544.

MILLET, K. Política-sexual. Lisboa: Dom Quixote, 1970.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Assembléia do Milênio. Aprovada na Cimeira do Milénio – realizada de 6 a 8 de Setembro de 2000, em Nova Iorque. Disponível em: <https://www.unric.org/html/portuguese/uninfo/DecdoMil.pdf>. Acesso em: 16 out. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Relatório Nacional de Acompanhamento e Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Relatório Nacional de Acompanhamento 2015. Nações Unidas no Brasil. Brasília: Ipea. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2017.

RUBIN, G. O tráfico de mulheres. Notas sobre a economia política do sexo. Tradução de Cristine Rufino Dabat. Recife: SOS Corpo, 1993 [1975].

SANTOS, B. de S. Reconhecer para libertar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SANTOS, B. de S. A construção cultural da igualdade e da diferença. In: SANTOS, B. de S. A gramática do tempo. São Paulo: Cortez, 2006, p. 270-316.

SARDENBERG, C. M. B. O enfoque de gênero: fundamentos teóricos e aspectos práticos. Salvador: Ed. NEIM/UFBA, 1998.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 16, n. 2, jul./dez., 1995.

STROMQUIST, N. La busqueda del empoderamento: em qué puede contribuir el campo de la educación. In: LEÓN, M. (Org.). Poder y empoderamiento de las mujeres. Santafé de Bogotá: Tercer Mundo y UN Facultad de Ciencias Humanas, 1997. Disponível em: <https://issuu.com/renejaimez/docs/el-empoderamiento-de-las-mujeres>. Acesso em: 3 mar. 2017.

WALTERS, S. Her words on his lips: gender and popular educations in South Africa. ASPBAE, Courier, v. 52, n. 17,1991.

Downloads

Publicado

2018-09-13

Edição

Seção

Artigos - Estudos de Gênero