Os refugiados, uma vida cindida entre o humano e o cidadão: um diálogo com Giorgio Agamben

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2022.e75091

Resumo

A condição do refugiado tem se tornado algo a mais que um mero fato político pontual de nossa modernidade. A figura do refugiado, em suas múltiplas versões, carrega em si o estigma de ser reconhecido como humano, porém negando-lhe a cidadania. A condição do refugiado, que não cessa de crescer ao longo do mundo, desvela os limites do Estado-nação e suas instituições incapazes de reconhecer a igualdade real de direitos a todos os seres humanos. A obra de Giorgio Agamben oferece um instrumental conceitual para pensarmos criticamente a condição do refugiado e os limites do Estado-nação. Os novos muros que não cessam de construir-se por todo mundo, são reflexo da incapacidade jurídico política do Estado-nação para responder aos novos desafios políticos de uma humanidade nômade. O refugiado opera no presente como uma espécie de vanguarda do povo, que nos instiga a pensar as categorias para uma nova política que não exclua através da cisão da vida humana.  

Biografia do Autor

Castor Mari Martín Bartolomé Ruiz, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS

Professor Titular (PT) do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Orienta Mestrado e doutorado no PPG Filosofia Unisinos, na linha de Filosofia social e política. Possui doutorado em Filosofia - Universidad de Deusto, Bilbao (1999), Pós-Doutorado em Filosofia - Instituto de Filosofia do Consejo Superior de Investigaciones Científicas da Espanha (CSIC, 2006). Coordenador da Cátedra Unesco de Direitos Humanos. Membro da diretoria da Associação Ibero Americana de Filosofia Política (AIFP). Coordenador do Grupo de Pesquisa CNPq, "Ética, biopolítica e alteridade". Leciona na graduação de filosofia e outros cursos as cadeiras de Antropologia Filosófica, Ética geral, Filosofia Política, Filosofia dos séculos XVI-XVII, Filosofia contemporânea. Ministra cursos temáticos na pós-graduação e pesquisa nas áreas de ética, subjetividade, alteridade, poder, violência, direitos humanos e democracia.

Carolina Reyes Molina, Universidade do Vale do Rio dos Sinos- Unisinos, São Leopoldo - RS

Mestre em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação Filosofia Universidade do Vale do Rio dos Sinos- Unisinos, São Leopoldo - RS

Referências

ARENDT Hannah. Origens do totalitarismo. Tradução Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

AGAMBEN, Giorgio. La comunità que viene. Torino: Einaudi, 1990.

AGAMBEN, Giorgio. "We Refugees." Symposium. 1995, No. 49(2), Summer, Pages: 114-119.

AGAMBEN, Giorgio. Mezzi senza Fine. Note sulla política. Torino: Bollati Boringhieri,1996.

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UF MG, 2002.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. Homo Sacer II. Tradução de Iraci D. Poleti.- São Paulo: Boitempo, 2004.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. Tradução e apresentação Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. Homo Sacer III. Tradução Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

AGAMBEN, Giorgio. Stasis : la guerra civile come paradigma politico, Homo Sacer, II, 4, Torino : Bollati Boranghieri, 2015.

BENJAMIN, Walter. Documentos de cultura, documentos de barbárie. São Paulo: Cultrix, 1986.

BENJAMIN, Walter. “Zur Kritik der Gewalt”. In. Archiv für Sozialwissenschaften und Socialpolitik, n. 47, 1921.

BENJAMIN, Walter. “Crítica do poder como violência”. In: BENJAMIN, Walter. Benjamin, o anjo da história. São Paulo: Autêntica, 2012, p. 59-82.

CALORE, Andrea. «Per Iovem lapidem». Alle origini del giuramento. Sulla presenza del ´“sacro” nell’esperienza giuridica romana. Milano: Mondadori, 2000.

CARANDINI, Andrea. La nascita di Roma. Dei, Lari, eroi e uomini all’alba di uma civiltà, Torino: Einaudi, 1997.

CASTRO, Edgardo. “Nuevo Derecho, Estatalidad, gubernamentalidad’. In: CASTRO, Edgardo. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte. N.108 pp.41-61. Jan./jun.2014. DOI: 10.9732/P.0034-7191.2014v108p41.

CASTRO, Edgardo. Introdução a Giorgio Agamben. Uma arqueologia da potência. Trad. Beatriz de Almeida Magalhães. Belo Horizonte: ed. Autêntica, 2012.

CASTRO, Edgardo. “Animales políticos: el tiempo de la vida y la politicidad del hombre”. In Quadranti – Rivista Internazionale di Filosofia Contemporanea – Volume I, nº I, 2013, p. 14-30.

CHACON, Rodrigo. “Murallas y otros estados de excepción”. In: CHACON, Rodrigo. Revista Estudios Filosofía. Historia y Letras. ITAM. México: 117, vol XIV, verano 2016.

DURANTAYE, Lelan. Agamben, a critical introduction. Stanford: Ed. Stanford University Press, 2009.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. A vontade de saber. São Paulo: Graal, 1999.

HASSNER, Ron E. and WITTENBERG, Jason. Barriers to Entry: Who Builds Fortified Boundaries and Are They Likely to Work? APSA 2009 Toronto. 2009.

MACGOVERN, Mark. “The Dilemma of Democracy: Collusion and the State of Exception”. In. Studies in Social Justice, Volume 5, Issue 2, 2011, p. 213-229.

MARTINS, Lucas Moraes. “O estado de exceção como um espaço vazio de direito”. Pensar, Fortaleza, v. 20, n. 3, p. 847-873, set./dez. 2015.

NEUTZLING, Ignacio e RUIZ, Castor M.M. (Orgs). O (des)governo biopolítico da vida humana. São Leopoldo: Casa Leiria, 2011.

RUIZ, Castor M. M. “Homo Sacer. O poder soberano e a vida nua”. In: RUIZ, Castor M. M. IHU On-Line. São Leopoldo, n.371, ano 11. 29, p.4-42. ago. 2011.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. “Walter Benjamin: o estado de exceção entre o político e o Estético”. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio. Revista Outra Travessia. Nº 5, Florianópolis, 2005, p. 25-38. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/Outra/article/view/12579/11746 acesso em 30.07.2019

TOSCANO, Daniel. “Derecho, Soberanía y Biopolítica en Giorgio Agamben: eslabones indiferenciados de una misma “cinta de moebius”. In: TOSCANO, Daniel. Quaestio Iuris. Vol.09, n,02. Rio de Janeiro, 2016. p.788-806.

ZAMBRANO, Maria. Los bienaventurados. Madrid: Siruela, 2004.

Downloads

Publicado

2022-04-07

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana e Saúde na Modernidade