O silenciamento da comunidade LGBTTQ+ no telejornalismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2021.e75175

Palavras-chave:

Jornalismo, LGBTTQ , preconceito, telejornalismo, silenciamento

Resumo

Diante do fato de que a cada 19 horas uma pessoa da comunidade LGBTTQ+ é assassinada ou se suicida no Brasil, este artigo visa analisar a cobertura e o silenciamento das demandas da comunidade LGBTTQ+ no telejornalismo. Para tanto, realizou-se um estudo de caso com a maior emissora do Maranhão, a TV Mirante. O corpus é composto por matérias jornalísticas dos três principais telejornais da emissora, entre os anos de 2015 e 2018. Mesclaram-se procedimentos metodológicos quantitativos e qualitativos que permitiram verificar o silenciamento das notícias sobre este grupo social e de suas demandas em um dos estados onde mais morrem pessoas da comunidade LGBTTQ+.

Biografia do Autor

Ingrid Pereira de Assis, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC - Brasil), com doutorado sanduíche na Universidade de Aveiro (Portugal); mestre em Ciências Sociais, pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA - Brasil); e bacharel em Comunicação Social – Hab. Jornalismo, também pela UFMA, Brasil.

Karla Cristina Ferro Freire, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA - Brasil); e bacharel em Comunicação Social – Hab. Jornalismo, também pela UFMA.

Melina de la Barrera Ayres, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professora do Departamento de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pós-Doutora em Jornalismo pela UFSC e Doutora em Ciências Humanas pelo Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Referências

ABRAMO, P. Padrões de manipulação na grande imprensa. São. Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Rio de Janeiro. Relume-Dumará, 1994.

BAUER, Martin W; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis. RJ: Vozes. 2002.

BRASIL, Declaração Universal Dos Direitos Humanos. Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm. Acessada no dia 22 de novembro de 2013.

BRASIL, Secretaria de Direitos Humanos. Relatório sobre violência homofóbica no Brasil: ano de 2012. Disponível em: http://www.rcdh.es.gov.br/sites/default/files/RELATORIO%20VIOLENCIA%20HOMOFOBICA%20ANO%202012.pdf. Acesso no dia 27 de janeiro de 2019.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1999.

COMBESSIE, Jean-Claude. O método em Sociologia: O que é e como se faz. São Paulo: Loyola, 2004.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FACCHINI, Regina; FRANÇA, Isadora Lins. Convenções de gênero, sexualidade e violência: pesquisa com participantes de eventos do Orgulho LGBT de São Paulo – 2009. Latitude, Vol. 7, nº 1, pp. 13-32, 2013.

FERREIRA, Vinícius ; SACRAMENTO, Igor . Movimento LGBT no Brasil: violências, memórias e lutas. In: Reciis – Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde, 2019.

FOUCAULT, Michel. A história da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988.

GONÇALVES, Gean; MEDINA, Cremilda. Signo da relação e os desafios das narrativas jornalísticas sobre as LGBT. In. Revista SBPjor / Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 2018.

JESUS, Jaqueline G. Trans-formações: poder e gênero nos novos tempos. In: Anais do 18º Congresso Brasileiro de Psicodrama. Brasília: Federação Brasileira de Psicodrama, 2012.

LEAL, Bruno Souza; CARVALHO, Carlos Alberto. A grande mídia brasileira e identidades LGBT: um retrato em 2008. Revista Diálogos de La Comunicacíon, 2012.

LEAL, Bruno Souza; Carvalho, Carlos Alberto de. Sobre jornalismo e homofobia ou: pensa que é fácil falar? In: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.12, n.2, maio/ago. 2009.

LEAL, Bruno Souza. Telejornalismo e autenticação do real: estratégias, espaços e acontecimentos. In: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.2, maio/ago. 2008.

MELO, José Marques de. Jornalismo Opinativo: gêneros opinativos no jornalismo brasileiro. Campos do Jordão: Mantiqueira, 2003.

MOTT, Luiz; MICHELS, Eduardo; PAULINHO. Relatório 2017 de Mortes Violentas de LGBT no Brasil. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf. Acesso no dia: 28 de janeiro de 2019.

MUSSOKOPF, A. Via(da) gens teológicas. Itinerários para uma teologia queer no Brasil. São Paulo: Ponte Editorial, 2012.

OLIVEIRA, Glaucia da Silva Destro de. Construção, negociação e desconstrução de identidades: do movimento homossexual ao LGBT. Cad. Pagu, Campinas, n°. 34, Jun. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332010000100015&lng=en&nrm=iso. Acesso no dia 15 de novembro de 2013.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento de sentidos. Campinas: Ed. da Unicamp, 1992.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Interpretação; autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas, SP: Pontes, 2004.

PATERNOSTRO. Vera Íris. O texto na TV. 2. ed. Rio de Janeiro: Editoral Elsevier, 2006.

PENA, Felipe. Teoria do Jornalismo. São Paulo: Contexto, 2005.

PERUZZOLO, Adair Caetano; CASAGRANDE, Magnos Cassiano. O fenômeno da violência e sua relação com meios de comunicação, comunicação humana e Estado. In: Revista do Laboratório de Estudos da Violência da UNESP/Marília. Ano 2012 – Edição 10 – Dezembro/2012.

POLI, Luciana Costa. A ampla possibilidade de adoção por casais homoafetivos face às recentes decisões dos tribunais superiores brasileiros. In: Revista Direito e Desenvolvimento, João Pessoa – a. 3, n. 6, p.195 - 222 jul/dez., 2012.

POUPART, Jean. A entrevista de tipo qualitativo: considerações epistemológicas, teóricas e metodológicas. In: POUPART, J. et al. (Orgs.). A pesquisa qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes: 2008.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.20, n.2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SHOEMAKER, Pamela J.; VOS, Tim P. Teoria do Gatekeeping: Seleção e Construção da Notícia. Porto Alegre: Editora Penso, 2011.

SILVA, Gislene. Para pensar critérios de noticiabilidade. Revista Estudos em Jornalismo e Mídia, Vol.II, Nº 1, 1º Semestre, 2005.

SILVA, Maria Alice Siqueira Mendes e. Sobre a análise de discurso. In: Revista de Psicologia. Unesp, SP: 2005.

TV MIRANTE. Maranhão é o 4º em denúncias de violência contra homossexuais. São Luís (MA). 29 de julho de 2013. Disponível em: http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2013/07/maranhao-e-o-4-em-denuncias-de-violencia-contra-homossexuais.html.

VEIGA, Marcia Silva. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Volume: 8. Editora: Insular. 2014

VENTURA, Magda Maria. O Estudo de Caso como Modalidade de Pesquisa. Revista SOCERJ.p. 383-386, setembro/outubro, 2007.

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. 3. Ed. Lisboa: Presença, 1994.

Downloads

Publicado

2021-05-31

Edição

Seção

Artigo Eixo Temático: (Re)discutindo sexualidade: corpo, prazer e desejo em tempos conservadores