Folguedos juninos: o ensino da dança sob a perspectiva das dimensões dos conteúdos

Autores

  • Pollyane Barros Albuquerque Vieira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará
  • Elisabete dos Santos Freire Universidade São Judas Tadeu
  • Graciele Massoli Rodrigues Universidade São Judas Tadeu

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n55p248

Palavras-chave:

Dança, Educação física escolar, Dimensões dos conteúdos

Resumo

A educação física teve, e ainda tem, uma forte predominância do conteúdo esporte na escola. A partir da década de 1990, surgem novas contribuições na educação física, com novos temas/conteúdos nas aulas. Entretanto, a dança ainda é pouco frequente nas aulas de educação física escolar. O presente relato de experiência tem por objetivo ressignificar a prática pedagógica da dança, numa relação dialógica entre professor e aluno. A análise teve como cenário um Projeto Interdisciplinar onde foram vivenciados dois conteúdos: a quadrilha e o carimbó. Identificamos a ressignificação do conteúdo dança com uma vivência que transcende o “saber fazer”, e uma oportunidade de refletir sobre os aspectos de gênero, sexualidade e diversidade religiosa.

Biografia do Autor

Pollyane Barros Albuquerque Vieira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará

Licenciada Plena em Educação Física e Especialista em Educação Física
Escolar pela Universidade de Pernambuco (2007). Mestrado em
Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu (2014). Doutoranda
em Educação Física na Universidade São Judas Tadeu. É professora do
ensino básico, técnico e tecnológico do Instituto Federal de Educação,
Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA). Tem experiência na área de
Educação Física, com ênfase em Ensino Médio, atuando principalmente
nos seguintes temas: educação física escolar, práticas dialógicas,
práticas pedagógica, materiais curriculares de ensino, material didático.

Elisabete dos Santos Freire, Universidade São Judas Tadeu

Licenciada (1990) e Mestre (1999) em Educação Física pela Universidade
de São Paulo e Doutora (2012) em Educação Física pela Universidade
São Judas Tadeu. Atua como Professora nos Cursos de Graduação e de
Pós Graduação Stricto Sensu em Educação Física da Universidade São
Judas Tadeu. Atuou, também, com o Ensino da Educação Física na
Escola, trabalhando nos diferentes níveis de ensino da Educação Básica,
o que motivou a escolha da principal linha de pesquisa a qual se dedica:
Educação Física, Escola e Currículo. Nos últimos anos tem desenvolvido
pesquisas sobre os saberes escolares a serem aprendidos nas aulas de
Educação Física e, especialmente, sobre a construção de valores na
escola. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Física,
Escola e Currículo - GEPEFEC.

Graciele Massoli Rodrigues, Universidade São Judas Tadeu

Licenciada em Educação Física e Especialista em Educação Física para
Pessoas com Deficiência (Universidade Federal de Uberlândia - 1994)
possui Mestrado e Doutorado em Educação Física pela Universidade
Estadual de Campinas (1998) e (2002). Tem experiência na área de
Educação Física e Dança nos contextos escolares e não escolares
atuando principalmente nos seguintes temas: educação física adaptada,
esporte adaptado, educação física inclusiva, envelhecimento e atividade
física, grupos de convivência de idosos, deficiência e
envelhecimento.Coordena o Grupo de Estudos em Educação Física e
Pessoas com Deficiência na Universidade São Judas Tadeu. Atualmente é
professora titular da Escola Superior de Educação Física de Jundiaí e no
Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Educação Física e em
Ciências do Envelhecimento da Universidade São Judas Tadeu.

Referências

BRASIL. Lei Federal nº 9.394 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 6 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

IFPA/CRMB. Projeto Político Pedagógico Campus Rural de Marabá. Marabá, 2010.

KUNZ, Elenor. Educação física: ensino & mudanças. 2.ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2001.

OLIVEIRA, Rogério Cruz; DAOLIO, Jocimar. Educação intercultural e educação física escolar: possibilidades de encontro. Pensar a Prática: Goiânia, v. 14, n. 2, p. 1-11, maio/ago. 2011.

PAES, Salete Dubra. O Lugar das Práticas Dialógicas no Ensino da Língua Inglesa. Pesquisa em Pós-Graduação - Série Educação: v. 3, n. 6, p. 113-120, 2011.

VAGO, Tarcísio Mauro. ; Pensar A Educação Física Na Escola: Para Uma Formação Cultural da Infância e da Juventude. Cadernos de Formação RBCE, p. 25-42, set. 2009.

Downloads

Publicado

2018-10-09

Edição

Seção

Porta Aberta