Educação, relações etnicorraciais e decolonização na práxis de professores/as

Elison Antonio Paim, Patrícia Magalhães Pinheiro, Josiane Beloni de Paula

Resumo


Este artigo traz discussões teóricas a respeito da decolonialidade, colonialidade – em sua tríade poder, ser e saber – e racismos. Enfatizaremos a decolonialidade como epistemologia que rompe dualismos, compreende intersecções entre identidades sociais e analisa classificações etnicorraciais como pedra angular da colonialidade do poder, ou seja, fundamental para estruturar o sistema-mundo moderno/colonial/capitalista. Assim, traremos narrativas de professoras, que promovem debates sobre as colonialidades e racismos presentes em nossa sociedade. O artigo resulta de teses em elaboração com foco nas relações etnicorraciais na formação de professores/as. Ressaltamos que a práxis destes processos educativos é compreendida aqui como atitude decolonial e antirracista. Neste momento, trabalhamos com narrativas de duas professoras na interface com o pensamento de autores/as decoloniais e antirracistas.


Palavras-chave


Formação de professores/as; Relações etnicorraciais; Decolonização

Texto completo:

PDFA

Referências


ANTONACCI, Maria Antonieta. Corpos negros em zonas de contato interculturais. In: VELLOSO, Mônica Pimenta. ROUCHOU, Joëlle. OLIVEIRA, Cláudia (Org.). Corpo: identidades, memórias e subjetividades. Rio de Janeiro: Mauad X, 2009.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, nº11. Brasília, maio - agosto de 2013, pp. 89-117.

BEATO, Joaquim. Um novo milênio sem racismo na Igreja e na sociedade. CENACORA, 1998.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011 Acesso em: 20 de maio de 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1987.

GROSFOGUEL, Ramon. La opción decolonial: desprendimiento y apertura. Um manifiesto y un caso. Tabula Rasa, n.8, 2008, p. 243-282.

IANNI, O. O preconceito racial no Brasil. In: Estudos Avançados. São Paulo: USP, 2004. (Entrevista). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0103-401420040001&lng=pt&nrm=iso Acesso em: 20 de maio de 2017.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. Journal of world-systems research,v. 11, n. 2, 2000, p. 342-386.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad-racionalidad. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/36091067/Anibal-Quijano-Colonialidade-eModernidade-Racionalidade Acesso em: 20 de maio de 2017.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de um concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. El giro decolonial. Reflexiones para uma diversidad epistêmica más Allá del capitalismo global, Colombia: Siglo del Homem Editores, p. 127-167, 2007.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad, gramática de la descolonialidad. 1° ed. Buenos Aires: Del Signo, 2010.

MUNANGA, Kabengele. Mestiçagem como símbolo da identidade brasileira. In: SANTOS, Boaventura de Sousa e MENESES, Maria Paula (Orgs.) Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez: 2010.

MUNANGA, Kabengele. Superando o racismo na escola. 3. ed. Brasília: MEC/SEF, 2001.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem. Sugestão de um quadro de referência para a interpretação. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 19, n. 1, 2006, pp. 287-308.

OSÓRIO. R. G. Desigualdade racial e mobilidade social no Brasil: um balanço das teorias. In: THEODORO, M. (Org.). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília; IPEA, 2008. (p. 65-96). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/Livro_desigualdadesraciais.pdf Acesso em: 20 de maio de 2017.

PAIM, Elison Antonio. Para além das leis: o ensino de culturas e histórias africanas, afrodescendentes e indígenas como decolonização do ensino de História. In: MOLINA, Ana Heloisa; FERREIRA, Carlos Augusto Lima. Entre textos e contextos: Caminhos do ensino de História. Curitiba: Editora CRV: 2016.

PASSOS, Joana Célia. dos. Jovens Negros: trajetórias escolares, desigualdades e racismo. 29ª reunião anual da ANPED: Caxambu, 2006. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/trabalho/GT21-1846--Int.pdf Acesso em: 20 de maio de 2017.

PROGRAMA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. Gênero e Raça – todos pela igualdade de oportunidades: teoria e prática. Brasília: MTb-a. Assessoria Internacional, 1998.

WALSH, Catherine. ¿Son posibles unas ciencias sociales/culturales otras? Reflexiones en torno a las epistemologias decoloniales. Nómadas. Revista Crítica de Ciencias Sociales y Jurídicas, Colômbia, n. 26, p. 102-113, abril 2007, p. 103.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2019.e52614



Direitos autorais 2019 Elison Antonio Paim, Patrícia Magalhães Pinheiro, Patrícia Magalhães Pinheiro, Josiane Beloni de Paula, Josiane Beloni de Paula

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.