A potência da narração na educação geográfica: uma reflexão epistemológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e84225

Palavras-chave:

Educação geográfica, Narração, Epistemologia

Resumo

A busca por uma educação geográfica que ofereça plurais e diversificados aprendizados transita por uma conexão mais profunda e sensível do sujeito com o mundo e, neste sentido, a narração adquire uma potência reveladora dessas possibilidades na medida em que permite (re)mobilizar o lado artístico da Geografia. Partindo do pressuposto que o diálogo entre Ciência e a Arte esteve, por muito tempo, adormecido no interior das reflexões epistemológicas da Geografia - fato relacionado ao domínio da hiperespecialização científica, organizado pelo método pragmático-positivista - os modos de fazer e pensar Geografia também foram, em alguns momentos, reduzidos e limitados, por exemplo, às operações estritamente descritivas; e, ainda hoje, a despeito dos avanços nas áreas correlatas, sofre com o reducionismo das possibilidades de leituras de mundo. Assim, o presente artigo, de cunho teórico e conceitual, reforçado pela pesquisa exploratória e revisão bibliográfica sobre o tema, objetiva refletir a relação entre a narração e a Geografia, buscando ir além do seu uso como recurso metodológico, mas evidenciando a dimensão do sensível e o treinamento do olhar. Nesse diálogo entre ideias e pensadores, intentamos preencher uma lacuna e apontar para caminhos geográficos que contribuam para a ampliação do debate epistemológico que permeia a educação geográfica.

Biografia do Autor

Marcia Alves Soares da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Brasil

Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil. Professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Cuiabá, UFMT, Brasil. Mestra em Geografia pela Universidade Federal Fluminense, UFF, Rio de Janiro, Brasil. Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Brasil.

Ricardo Devides Oliveira, Universidade de São Paulo, USP

Mestre em Geografia pelo Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas/SP, Brasil. Professor de Geografia Humana e Ensino de Geografia na Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC. Doutorando em Geografia Humana na Universidade de São Paulo, USP, Brasil (2017).

Francisco de Assis Gonçalves Junior, Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Brasil

Doutor em Geografia pela Universidade de São Paulo, USP, Brasil. Professor do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Brasil. Doutor em Geografiapela Universidade de São Paulo, USP, Brasil. Mestre em Geografia  pela Universidade Estadual de Maringá,  UEM. Graduado em Geografia, Licenciatura e Bacharelado, pela Universidade Estadual de Maringá, UEM, Brasil.

Referências

ALPERS, Svletana. A arte de descrever. São Paulo: Edusp, 1999.

AGUIAR, F; BERNARDES, A; FRIGÉRIO, R. C. Tessituras de lugar: narrativas e pesquisa em Geografia. In: XII CONFICT – V CONPG, 2020, Campos de Goytacazes. Anais eletrônicos...Campinas, Galoá, 2020.

BEZERRA, J. B; MELO, F. P. Os dilemas da tríade geografia física, humana e disciplinas pedagógicas na formação do licenciado. I Colóquio Internacional de Educação Geográfica, 2018.

BROCKMEIER, J; HARRÉ, R. Narrativa: problemas e promessas de um paradigma alternativo. Psicologia: Reflexão e crítica, 16(3), 2003, p. 525-535.

BRASHER, Jordan P. Narrating space/spatializing narrative: where narrative theory and geography meet. The AAG Review of Books. 5(3), 2017. p. 180-182.

CALLAI, Helena C. Educação geográfica para uma formação cidadã. Revista de Geografia Norte Grande. 70, 2018, p. 9-30.

CARVALHO, Marcos B. O insípido está sempre incorreto. GEOgraphia, 2010, p. 140-156.

CASTELLAR, S; VILHENA, J. Ensino de Geografia. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

CORREA, M. A Evolução paradigmática da ciência geográfica: fronteiras epistêmicas e caráter pedagógico. Ensino & Pesquisa, v.12, n. 02, 2014, p. 42-51.

COSTELLA, R. Z; REGO, N. Educação geográfica e ensino de geografia, distinções e relações em busca de estranhamentos. Signos Geográficos, v.1, 2019.

COSTA, Paulo C. G. Quadros geográficos: uma forma de ver, uma forma de pensar. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

CLAVAL, Paul. Epistemologia da Geografia. Florianópolis, Editora UFSC, 2 ed., 2014.

DARBY, Henry C. O problema da descrição geográfica. Confins, 44, 2020.

KIMBLE, George H. T. A geografia na Idade Média. Londrina: UEL, 2000.

GREGORY, D. et al. The dictionary of human geography. 4 ed. Wiley-Blackwell, 2009.

GONZÁLES, Manuel Souto. ¿Qué escuelas de Geografia para educar en ciudadanía? In: Revista Didáctica de las Ciencias Experimentales y Sociales, n. 24. Valência: Editora daUniversidade de Valência, 2010.

KATUTA, A. A geografia, a cartografia, a descrição e a alienação. Estudos Geográficos, Rio Claro, 11(2), 2013, p. 98-110.

LUBRICH, O et al. Alexander von Humboldt: Revolucionando a literatura de viagem. Floema, Ano VI, n. 6, 2010, p. 31-71.

MARTINS, R. E. M. W; TONINI, I. M. A importância do estágio curricular supervisionado em geografia na construção do saber/fazer docente. Geografia, Ensino & Pesquisa, v. 20, n.3, 2016.

MENEZES, V. S; KAERCHER, N. A. Geografia e educação: uma discussão epistemológica. GEOSUL, 32(65), 8, 2017, p. 144-158.

MOREIRA, Ruy. O círculo e a espiral: para a crítica da geografia que se ensina – 1. Niterói: Edições AGB Niterói, 2004.

MOREIRA, Ruy. O que é geografia. São Paulo: Brasiliense, 2ªed, 2010.

MÜLLER, G. H. Jouissance de la nature. Le besoin artistique et le devoir scientifique de la description de la nature: conclusions de Friedrich Ratzel. Philosophie Scientia, n. S2, pg. 129-146. Disponível em https://bityli.com/9447kk. Acessado em: 20 set. 2021.

OLIVEIRA, R. D; SEEMANN, J. A geografia mora nos detalhes e no todo. GEOgraphia, 23(51), 2021, p. 1-12.

OLIVEIRA, G.E.P.L; PEZZATO, J. P. A potencialidade da pesquisa narrativa para as investigações sobre o ensino de geografia. Anais do IV SIPEQ, Rio Claro, 2010.

OZOUF-MARIGNIER, M. V.; ROBIC, M. C. A França no limiar de novos tempos: Paul Vidal de La Blache e a regionalização. GEOgraphia, ANO IX, n. 18, 2007.

PARKER, Joshua. What we talk about when we talk about space and narrative (and why we’re not done talking about it). Frontiers of Narrative Studies, 4(2), 2018, p. 178-196.

RATZEL, Friedrich. Sobre a narração da natureza. GEOgraphia, 23(51), 2021. https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2021.v23i51.a51686.

RATZEL, Friedrich. Sobre a interpretação da natureza. GEOgraphia, v.12, n.23, 2010, p. 157-176.

RAMOS, E. C. M. A dimensão estética do ensino de geografia: uma contribuição à renovação da geografia escolar. Geografia, Ensino & Pesquisa. v. 23, 2019, p. 1-28.

REGO, N. et al. Geografia: práticas pedagógicas para o ensino médio. Porto Alegre: Artmed, 2007.

REGO, N; KOZEL, S. Narrativas, geografias e cartografias: para viver é preciso espaço e tempo. Porto Alegre: Editora Compasso Lugar-Cultura/Editora IGEO, 2020.

RICOUER, P. The narrative function. In: RICOUER, P. Hermeneutics and the Human Sciences. Cambridge: Cambridge University Press, 1981, p. 274-296.

RODRIGUEZ, D. Description in space. Geography and narrative form. Frontiers of Narrative Studies. 4(2), 2018, p. 327–341.

ROQUÉ, Bianca. B. Geografia sensível e suas origens na estética. Geograficidade. V. 10, n. especial, 2020, p. 183-202.

SILVA, Marcia Alves Soares da. O eu, o outro e o(s) nós: Geografia das Emoções à luz da Filosofia das Formas Simbólicas de Ernst Cassirer (1874-1945) e das narrativas de pioneiros da Igreja Messiânica Mundial. 303 f. Tese (Doutorado em Geografia), Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2019.

SEEMANN, Jorn. Entre mapas e narrativas: reflexões sobre as cartografias da literatura, a literatura da cartografia e a ordem das coisas. RA’EGA. v. 30, 2014.

TUAN, Yi-Fu. Language and the making of place: a narrative-descriptive approach. Annals of the Association of American Geographers, 8(14),1991, p. 684-696.

VALLE, Laura B. A cartografia narrativa como possibilidade na educação geográfica: uma reflexão inicial. Giramundo. v. 4, n. 8, 2017.

VITTE, A.C; RIBAS, A.D. O curso de geografia física de Immanuel Kant (1724-1804): uma contribuição para a história e a epistemologia da ciência geográfica. GEOgraphia, v.10 (19), 2008.

Downloads

Publicado

2022-10-13

Como Citar

Alves Soares da Silva, M., Devides Oliveira, R., & de Assis Gonçalves Junior, F. (2022). A potência da narração na educação geográfica: uma reflexão epistemológica. erspectiva, 40(4). https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e84225

Edição

Seção

As Epistemologias da Educação Geográfica