Participação e representação: a pessoa com deficiência nas arenas do poder

Autores

  • Gustavo Martins Piccolo Universidade de Araraquara, UNIARA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e85394

Palavras-chave:

Deficiência, Participação, Justiça

Resumo

O presente artigo objetiva destacar a importância que a ocupação de postos eletivos e arenas deliberativas por pessoas com deficiência exerce na promoção de políticas públicas, as quais tenham por núcleo central a questão da inclusão, seja por meio de agrupamentos por movimentos sociais, pela atuação em conselhos deliberativos ou enquanto revestida de autorização eleitoral. Trata-se de ensaio teórico derivado de revisão de literatura integrativa, a qual se valeu de autores clássicos na análise sobre o processo de representação política nas democracias contemporâneas, tomando por cenário as bases e marcos nacionais legais acerca dos direitos da pessoa com deficiência, promulgados no Brasil e no mundo. O texto principia seus apontamentos ao demarcar a importância histórica operada quando da transformação ativista do conceito de deficiência como perfilhado sob o prisma da produção social, discurso que nos permite pensar a atuação de pessoas com deficiência em termos de protagonismo político. Finaliza, ao destacar que os avanços mais significativos em termos de políticas públicas às pessoas com deficiência ocorreram justamente quando da concatenação de pressão exercida por movimentos sociais, conselhos deliberativos e parlamentares com deficiência, o que avulta  como fato fundamental que as pessoas com deficiência ocupem estes espaços e arenas de forma a exercerem interferência na confecção de agendas públicas que visualizem como necessária a transformação das estruturas sociais como parte central da confecção de um mundo acessível e justo.

Biografia do Autor

Gustavo Martins Piccolo, Universidade de Araraquara, UNIARA, Brasil

Referências

ALVES, Elizabete Gonçalves; FRASSETTO, Silvana Soriano. Libras e o desenvolvimento de pessoas surdas. Aletheia, Canoas, n.46, p.211-221, abr.2015. Acessado em 08 de julho de 2021. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942015000100017&lng=pt&nrm=iso.

ARAUJO, Cícero. Legitimidade democrática, igualdade e desigualdade. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n.9, p.71-91, 2012. In: https://doi.org/10.1590/S0103-33522012000300003.

BARTON, Len; OLIVER, Michael. Disability Studies, Past, Present and Future. Leeds University: The Disability Press, 1997.

BRASIL. Senado Federal. “Emenda Constitucional nº 12 de 17/10/1978”. Brasília, DF: Senado Federal, 1978.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10436.htm.

BRASIL. Decreto N. 5626/2005: Regulamenta a Lei n. 10436/2002, que oficializa a Língua Brasileira de Sinais. Brasília, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm.

BRASIL Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Brasília: 2009.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: 2015.

BRASIL. Senado Federal. PEC 34/2016. Acrescenta o art. 101 ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reservar cadeiras parlamentares para pessoas com deficiência na Câmara dos Deputados, nas assembleias legislativas e na Câmara Legislativa do Distrito Federal e nas câmaras municipais nas quatro legislaturas subsequentes. Brasília, DF: Senado Federal, 2016.

BRASIL. Decreto nº 9.759, de 11 de abril de 2019. Extingue e estabelece diretrizes, regras e limitações para colegiados da administração pública federal. Brasília: 2019.

BRASIL. Decreto Nº 10.502, de 30 de setembro de 2020. Institui a Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. BRASÍLIA: 2020.

BRITO, Fábio. Bezerra. O movimento social surdo e a campanha pela oficialização da língua brasileira de sinais. 2013. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

CHARLTON, James. Nothing about us without us: Disability oppression and empowerment. Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 2010.

DAVIS, Lennard. Enforcing normalcy: Disability, deafness, and the body. New York: Verso, 1995.

FENEIS – Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos. As comunidades surdas reivindicam seus direitos linguísticos. Rio de Janeiro, 1993.

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. O Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência na Visão de seus Conselheiros Relatório de Pesquisa Projeto Conselhos Nacionais: perfil e atuação dos conselheiros. Brasília: Ipea, 2012.

LANNA JÚNIOR, Mário, Cleber, Martins. História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil - Brasília: Secretaria de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010.

LAVALLE, Adrian, Gurza; VERA, Ernesto, Isunza. A trama da crítica democrática: da participação à representação e à accountability. Lua Nova, São Paulo, n.84, p.95-139, 2011. In http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452011000300005.

LUCHMANN, Ligia, Helena. Associações, participação e representação: combinações e tensões. Lua Nova, São Paulo, n.84, p.141-174, 2011. In. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452011000300006.

MANIN, Bernard. The Principles of Representative Government. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

MANIN, Bernard; PRZEWORSKI, Adam; STOKES, Susan. Eleições e representação. Lua Nova, São Paulo, n.67, p.105-138, 2006. In: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452006000200005.

MIGUEL, Luis, Felipe. Representação política em 3-D: elementos para uma teoria ampliada da representação política. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 18, n. 51, p. 123-140, 2003. https://doi.org/10.1590/S0102-69092003000100009.

MIGUEL, Luis, Felipe. Bourdieu e o "pessimismo da razão”. Tempo soc., São Paulo, v.27, n.1, p.197-216, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/0103-207020150111.

MONTESQUIEU, Charles. Do Espírito das Leis. São Paulo, Abril Cultural, 1973.

MORRIS, Jenny. Feminism and disability. Feminist Review, n. 43, p. 55-67, 1993.

PATEMAN, Carole. Participação e teoria democrática. São Paulo, Paz e Terra, 1992.

PHILLIPS, Anne. De uma política de ideias a uma política de presença? Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v.9, n.1, p.268-290, 2001. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000100016.

PITKIN, Hanna, Fenchel. The concept of representation. Berkley: University of California Press, 1967.

PITKIN, Hanna, Fenchel. Representação: palavras, instituições e idéias. Lua Nova, São Paulo, n.67, p.15-47, 2006. https://doi.org/10.1590/S0102-64452006000200003.

SCHUR, Lisa; ADYA, Meera. Sidelined or Mainstreamed? Political Participation and Attitudes of People with Disabilities in the United States. Social Science Quarterly, 94 (3): 811–839, 2013.

TSE. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Estatísticas Eleitorais - Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais. In: Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais (tse.jus.br), 2020.

UN. UNITED NATIONS. General Assembly, Convention on the Rights of Persons with Disabilities, 2006. In: https://www.refworld.org/docid/4680cd212.html.

UPIAS. Fundamental Principles of Disability Union of the Physically Impaired Against Segregation: Press Editorial, 1976.

VIEIRA, Mônica, Brito; SILVA, Felipe, Carreira. Democracia deliberativa hoje: desafios e perspectivas. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n.10, p.151-194, 2013. In: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-33522013000100005.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. World report on disability. Switzerland: WHO, 2011.

Downloads

Publicado

2022-11-22

Como Citar

Piccolo, G. M. . (2022). Participação e representação: a pessoa com deficiência nas arenas do poder. erspectiva, 40(4), 1–22. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e85394