Saúde mental em municípios de baixo desenvolvimento: Estudo avaliativo da RAPS no Nordeste

Conteúdo do artigo principal

Ana Carolina Rios Simoni
João Paulo Macedo
Mariana Liberato
Brisana Indio do Brasil de Macedo Silva
Bruna Quinto
Caroline Cabral Nunes

Resumo

Trata-se de um estudo avaliativo sobre a cobertura da Atenção Primária à Saúde (APS) e da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) em municípios de três estados nordestinos (Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte) que fazem parte de regiões com baixo desenvolvimento socioeconômico e baixa oferta de serviços (G1). Investigou-se a associação entre os índices de cobertura da APS, a oferta de serviços na RAPS e o perfil de morbimortalidade em saúde mental em territórios com e sem a presença de povos tradicionais. Procedeu-se a um estudo de caráter descritivo, realizado a partir de análise quantitativa exploratória de dados oriundos de diferentes bases disponíveis em domínio público. Concluiu-se que os municípios do G1, em geral, registram índices de saúde mental mais desfavoráveis em comparação aos regionais e nacionais. Além disso, que a baixa oferta de serviços e os altos índices de morbimortalidade em saúde mental estão associados à presença de povos tradicionais nesses municípios. Destaca-se a fragilização da oferta de cuidado em saúde mental e a existência de vazios assistenciais, situação que merece atenção, visto que esse cenário de desigualdades sociais tem sido o pano de fundo para o aumento da incidência de sofrimento psíquico na população em geral e, em particular, entre os povos tradicionais. Evidencia-se a importância da RAPS e da atenção psicossocial e alerta-se para os efeitos devastadores do desmonte progressivo da Política Nacional de Saúde Mental, que tem contribuído para a deterioração da situação de saúde e para a emergência de práticas asilares na região.

Detalhes do artigo

Como Citar
DIMENSTEIN, M.; RIOS SIMONI, A. C.; MACEDO, J. P.; LIBERATO, M.; INDIO DO BRASIL DE MACEDO SILVA, B.; QUINTO, B.; CABRAL NUNES, C. Saúde mental em municípios de baixo desenvolvimento:: Estudo avaliativo da RAPS no Nordeste. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 13, n. 37, p. 113-137, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80703. Acesso em: 15 ago. 2022.
Seção
Política de Saúde Mental no Brasil e Atenção Psicossocial
Biografia do Autor

Magda Dimenstein, UFRN

Dra. em Saúde Mental/UFRJ. Psicóloga. Programa de pós graduação em Psicologia/UFRN

Ana Carolina Rios Simoni, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Dra. em Educação/UFRGS. Psicóloga. Departamento de Psicologia/UFRN.

João Paulo Macedo, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Dr. em Psicologia/UFRN. Psicólogo. Programa de pós graduação em Psicologia/UFDPAR

Mariana Liberato, Universidade Federal do Rio Grande do Ceará

Dra. em Psicologia/UFRN. Psicóloga. Programa de pós graduação em Psicologia/UFC. 

Brisana Indio do Brasil de Macedo Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Ceará

Doutoranda em Psicologia no Programa de pós graduação em Psicologia/UFC.

Bruna Quinto, Universidade Federal do Rio Grande do Ceará

Graduanda em Psicologia. Departamento de Psicologia/UFC

Caroline Cabral Nunes, Universidade Federal do Rio Grande do Ceará

Doutoranda em Psicologia no Programa de pós graduação em Psicologia/UFC

Referências

AGOSTINI, Rafael; CASTRO, Adriana Miranda. O que pode o Sistema Único de Saúde em tempos de necropolítica neoliberal? Saúde em Debate, v. 43, p. 175-188, 2020. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/sdeb/2019.v43nspe8/175-188/> . Acesso em: 07 mar. 2021.

AMARANTE, Paulo. Revisitando os paradigmas do saber psiquiátrico: tecendo o percurso do movimento da reforma psiquiátrica. In: AMARANTE, Paulo. (Org.). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: SDE/Ensp. 1995.

BOLONHEIS-RAMOS, Renato Cristina Marques; BOARINI, Maria Lucia. Comunidades terapêuticas: “novas” perspectivas e propostas higienistas. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 22, n. 4, p. 1231-1248, 2015. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/hcsm/v22n4/0104-5970-hcsm-22-4-1231.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro De 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2011. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html>. Acesso em: 07 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Saúde Mental em Dados – 12. Brasília, 2015. Disponível em: <https://www.mhinnovation.net/sites/default/files/downloads/innovation/reports/Report_12-edicao-do-Saude-Mental-em-Dados.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2021.

BRASIL. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2017. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html>. Acesso em: 07 mar. 2021.

CARVALHO, Bruna Ré et al. Avaliação do acesso às unidades de atenção primária em municípios brasileiros de pequeno porte. Cadernos Saúde Coletiva, v. 26, n. 4, p. 462-469, 2018. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/cadsc/v26n4/1414-462X-cadsc-26-4-462.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2021.

CECILIO, Luiz Carlos de Oliveira; REIS, Ademar Arthur Chioro dos. Apontamentos sobre os desafios (ainda) atuais da atenção básica à saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, p. 1-14, 2018. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/csp/2018.v34n8/e00056917/pt/>. Acesso em: 07 mar. 2021.

COSTA, Maria da Graça; DIMENSTEIN, Magda; LEITE, Jáder. Estratégias de Cuidado e Suporte em Saúde Mental Entre Mulheres Assentadas. Revista Colombiana de Psicologia, v. 24, n. 1, p. 13-27, 2015. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=80438019002. Acesso em: 07 mar. 2021.

DANTAS, Cândida Maria Bezerra et al. Território e determinação social da saúde mental em contextos rurais. Athenea digital, v. 20, n. 1, 2020. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/Athenea/article/view/372177. Acesso em: 07 mar. 2021.

DIMENSTEIN, Magda et al. A saúde mental e atenção psicossocial: Regionalização e gestão do cuidado integral no SUS. Salud & Sociedad, v. 9, n. 1, p. 070-085, 2018. Disponível em: <https://www.revistaproyecciones.cl/index.php/saludysociedad/article/view/2869>. Acesso em: 07 mar. 2021.

DIMENSTEIN, Magda et al. Desigualdades, racismos e saúde mental em uma comunidade quilombola rural. Amazônica-Revista de Antropologia, v. 12, n. 1, p. 205-229, 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/view/8303>. Acesso em: 07 mar. 2021.

ESCRITÓRIO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DROGAS E CRIMES (ENODC). Relatório Mundial sobre Drogas 2020. Disponível em: https://wdr.unodc.org/wdr2020/. Acesso em: 07 mar. 2021.

GUIMARÃES, Thaís Andrade Alves; ROSA, Lucia Cristina dos Santos. A remanicomialização do cuidado em saúde mental no Brasil no período de 2010-2019: análise de uma conjuntura antirreformista. O social em questão, v. 22, n. 44, p. 111-138, 2019. Disponível em: <http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=686&sid=59>. Acesso em: 07 mar. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010: características da população e dos domicílios. Rio de janeiro; 2011.

LEROY, Jean Pierre; MEIRELES, Jeovah. Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais: os visados territórios dos invisíveis. In: PORTO, M. F; PACHECO, T; LEROY, J. P. (org.). Injustiça ambiental e saúde no Brasil: o Mapa de Conflitos. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013. p.115-31. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/468vp/pdf/porto-9788575415764.pdf#page=112>. Acesso em: 07 mar. 2021.

LOPES, Claudia de Souza. Como está a saúde mental dos brasileiros? A importância das coortes de nascimento para melhor compreensão do problema. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n.2, p. 1-4, 2020. Disponível em: <https://www.scielosp.org/pdf/csp/2020.v36n2/e00005020/pt>. Acesso em: 07 mar. 2021.

MUSSI, Ricardo Fraklin de Freitas et al. Inquérito de saúde em população quilombola baiana: relato de uma experiência em pesquisa epidemiológica. Saúde e pesquisa, p. 675-685, 2020. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1119160?src=similardocs>. Acesso em: 07 mar. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Global sobre Álcool e Saúde - 2018. Genebra, Suíça, 2018.

PASSOS, Rachel Gouveia et al. Comunidades terapêuticas e a (re) manicomialização na cidade do Rio de Janeiro. Argumentum, v. 12, n. 2, p. 125-140, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/29064. Acesso em: 07 mar. 2021.

PITTA, Ana Maria Fernandes. Um balanço da reforma psiquiátrica brasileira: instituições, atores e políticas. Ciência & Saúde Coletiva, v.16, n.12, p.4579-4589, 2011. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232011001300002&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 07 mar. 2021.

QUINDERÉ, Paulo Henrique Dias et al. Acessibilidade e resolubilidade da assistência em saúde mental: a experiência do apoio matricial. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, p. 2157-2166, 2013. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/csc/2013.v18n7/2157-2166/>. Acesso em: 07 mar. 2021.

SANTOS, Renata Carvalho; SILVA, Maria Sebastiana. Condições de vida e itinerários terapêuticos de quilombolas de Goiás. Saúde e Sociedade, v. 23, p. 1049-1063, 2014. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/sausoc/2014.v23n3/1049-1063/pt/>. Acesso em: 07 mar. 2021.

VIANA, Ana Luiza d’Ávila et al. Regionalização e redes de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 1791-1798, 2018. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/csc/2018.v23n6/1791-1798/pt/>. Acesso em: 07 mar. 2021.

YASUI, Silvio; LUZIO, Cristina Amélia; AMARANTE, Paulo. Atenção psicossocial e atenção básica: a vida como ela é no território. Revista Polis e Psique, v. 8, n. 1, p. 173-190, 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpps/v8n1/v8n1a11.pdf. Acesso em: 07 mar. 2021.