Saúde mental em municípios de baixo desenvolvimento:

Estudo avaliativo da RAPS no Nordeste

Autores

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Atenção à Saúde Mental, Indicadores de Morbimortalidade, Vazios Assistenciais, Povos Tradicionais

Resumo

Trata-se de um estudo avaliativo sobre a cobertura da Atenção Primária à Saúde (APS) e da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) em municípios de três estados nordestinos (Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte) que fazem parte de regiões com baixo desenvolvimento socioeconômico e baixa oferta de serviços (G1). Investigou-se a associação entre os índices de cobertura da APS, a oferta de serviços na RAPS e o perfil de morbimortalidade em saúde mental em territórios com e sem a presença de povos tradicionais. Procedeu-se a um estudo de caráter descritivo, realizado a partir de análise quantitativa exploratória de dados oriundos de diferentes bases disponíveis em domínio público. Concluiu-se que os municípios do G1, em geral, registram índices de saúde mental mais desfavoráveis em comparação aos regionais e nacionais. Além disso, que a baixa oferta de serviços e os altos índices de morbimortalidade em saúde mental estão associados à presença de povos tradicionais nesses municípios. Destaca-se a fragilização da oferta de cuidado em saúde mental e a existência de vazios assistenciais, situação que merece atenção, visto que esse cenário de desigualdades sociais tem sido o pano de fundo para o aumento da incidência de sofrimento psíquico na população em geral e, em particular, entre os povos tradicionais. Evidencia-se a importância da RAPS e da atenção psicossocial e alerta-se para os efeitos devastadores do desmonte progressivo da Política Nacional de Saúde Mental, que tem contribuído para a deterioração da situação de saúde e para a emergência de práticas asilares na região.

Biografia do Autor

Magda Dimenstein, UFRN

Dra. em Saúde Mental/UFRJ. Psicóloga. Programa de pós graduação em Psicologia/UFRN

Ana Carolina Rios Simoni, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Dra. em Educação/UFRGS. Psicóloga. Departamento de Psicologia/UFRN.

João Paulo Macedo, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Dr. em Psicologia/UFRN. Psicólogo. Programa de pós graduação em Psicologia/UFDPAR

Mariana Liberato, Universidade Federal do Rio Grande do Ceará

Dra. em Psicologia/UFRN. Psicóloga. Programa de pós graduação em Psicologia/UFC. 

Brisana Indio do Brasil de Macedo Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Ceará

Doutoranda em Psicologia no Programa de pós graduação em Psicologia/UFC.

Bruna Quinto, Universidade Federal do Rio Grande do Ceará

Graduanda em Psicologia. Departamento de Psicologia/UFC

Caroline Cabral Nunes, Universidade Federal do Rio Grande do Ceará

Doutoranda em Psicologia no Programa de pós graduação em Psicologia/UFC

Referências

AGOSTINI, Rafael; CASTRO, Adriana Miranda. O que pode o Sistema Único de Saúde em tempos de necropolítica neoliberal? Saúde em Debate, v. 43, p. 175-188, 2020. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/sdeb/2019.v43nspe8/175-188/> . Acesso em: 07 mar. 2021.

AMARANTE, Paulo. Revisitando os paradigmas do saber psiquiátrico: tecendo o percurso do movimento da reforma psiquiátrica. In: AMARANTE, Paulo. (Org.). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: SDE/Ensp. 1995.

BOLONHEIS-RAMOS, Renato Cristina Marques; BOARINI, Maria Lucia. Comunidades terapêuticas: “novas” perspectivas e propostas higienistas. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 22, n. 4, p. 1231-1248, 2015. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/hcsm/v22n4/0104-5970-hcsm-22-4-1231.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro De 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2011. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html>. Acesso em: 07 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Saúde Mental em Dados – 12. Brasília, 2015. Disponível em: <https://www.mhinnovation.net/sites/default/files/downloads/innovation/reports/Report_12-edicao-do-Saude-Mental-em-Dados.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2021.

BRASIL. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2017. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html>. Acesso em: 07 mar. 2021.

CARVALHO, Bruna Ré et al. Avaliação do acesso às unidades de atenção primária em municípios brasileiros de pequeno porte. Cadernos Saúde Coletiva, v. 26, n. 4, p. 462-469, 2018. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/cadsc/v26n4/1414-462X-cadsc-26-4-462.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2021.

CECILIO, Luiz Carlos de Oliveira; REIS, Ademar Arthur Chioro dos. Apontamentos sobre os desafios (ainda) atuais da atenção básica à saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, p. 1-14, 2018. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/csp/2018.v34n8/e00056917/pt/>. Acesso em: 07 mar. 2021.

COSTA, Maria da Graça; DIMENSTEIN, Magda; LEITE, Jáder. Estratégias de Cuidado e Suporte em Saúde Mental Entre Mulheres Assentadas. Revista Colombiana de Psicologia, v. 24, n. 1, p. 13-27, 2015. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=80438019002. Acesso em: 07 mar. 2021.

DANTAS, Cândida Maria Bezerra et al. Território e determinação social da saúde mental em contextos rurais. Athenea digital, v. 20, n. 1, 2020. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/Athenea/article/view/372177. Acesso em: 07 mar. 2021.

DIMENSTEIN, Magda et al. A saúde mental e atenção psicossocial: Regionalização e gestão do cuidado integral no SUS. Salud & Sociedad, v. 9, n. 1, p. 070-085, 2018. Disponível em: <https://www.revistaproyecciones.cl/index.php/saludysociedad/article/view/2869>. Acesso em: 07 mar. 2021.

DIMENSTEIN, Magda et al. Desigualdades, racismos e saúde mental em uma comunidade quilombola rural. Amazônica-Revista de Antropologia, v. 12, n. 1, p. 205-229, 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/view/8303>. Acesso em: 07 mar. 2021.

ESCRITÓRIO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DROGAS E CRIMES (ENODC). Relatório Mundial sobre Drogas 2020. Disponível em: https://wdr.unodc.org/wdr2020/. Acesso em: 07 mar. 2021.

GUIMARÃES, Thaís Andrade Alves; ROSA, Lucia Cristina dos Santos. A remanicomialização do cuidado em saúde mental no Brasil no período de 2010-2019: análise de uma conjuntura antirreformista. O social em questão, v. 22, n. 44, p. 111-138, 2019. Disponível em: <http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=686&sid=59>. Acesso em: 07 mar. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010: características da população e dos domicílios. Rio de janeiro; 2011.

LEROY, Jean Pierre; MEIRELES, Jeovah. Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais: os visados territórios dos invisíveis. In: PORTO, M. F; PACHECO, T; LEROY, J. P. (org.). Injustiça ambiental e saúde no Brasil: o Mapa de Conflitos. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013. p.115-31. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/468vp/pdf/porto-9788575415764.pdf#page=112>. Acesso em: 07 mar. 2021.

LOPES, Claudia de Souza. Como está a saúde mental dos brasileiros? A importância das coortes de nascimento para melhor compreensão do problema. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n.2, p. 1-4, 2020. Disponível em: <https://www.scielosp.org/pdf/csp/2020.v36n2/e00005020/pt>. Acesso em: 07 mar. 2021.

MUSSI, Ricardo Fraklin de Freitas et al. Inquérito de saúde em população quilombola baiana: relato de uma experiência em pesquisa epidemiológica. Saúde e pesquisa, p. 675-685, 2020. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1119160?src=similardocs>. Acesso em: 07 mar. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Global sobre Álcool e Saúde - 2018. Genebra, Suíça, 2018.

PASSOS, Rachel Gouveia et al. Comunidades terapêuticas e a (re) manicomialização na cidade do Rio de Janeiro. Argumentum, v. 12, n. 2, p. 125-140, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/29064. Acesso em: 07 mar. 2021.

PITTA, Ana Maria Fernandes. Um balanço da reforma psiquiátrica brasileira: instituições, atores e políticas. Ciência & Saúde Coletiva, v.16, n.12, p.4579-4589, 2011. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232011001300002&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 07 mar. 2021.

QUINDERÉ, Paulo Henrique Dias et al. Acessibilidade e resolubilidade da assistência em saúde mental: a experiência do apoio matricial. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, p. 2157-2166, 2013. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/csc/2013.v18n7/2157-2166/>. Acesso em: 07 mar. 2021.

SANTOS, Renata Carvalho; SILVA, Maria Sebastiana. Condições de vida e itinerários terapêuticos de quilombolas de Goiás. Saúde e Sociedade, v. 23, p. 1049-1063, 2014. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/sausoc/2014.v23n3/1049-1063/pt/>. Acesso em: 07 mar. 2021.

VIANA, Ana Luiza d’Ávila et al. Regionalização e redes de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 1791-1798, 2018. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/csc/2018.v23n6/1791-1798/pt/>. Acesso em: 07 mar. 2021.

YASUI, Silvio; LUZIO, Cristina Amélia; AMARANTE, Paulo. Atenção psicossocial e atenção básica: a vida como ela é no território. Revista Polis e Psique, v. 8, n. 1, p. 173-190, 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpps/v8n1/v8n1a11.pdf. Acesso em: 07 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

DIMENSTEIN, M.; RIOS SIMONI, A. C.; MACEDO, J. P.; LIBERATO, M.; INDIO DO BRASIL DE MACEDO SILVA, B.; QUINTO, B.; CABRAL NUNES, C. Saúde mental em municípios de baixo desenvolvimento:: Estudo avaliativo da RAPS no Nordeste. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 13, n. 37, p. 113-137, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80703. Acesso em: 19 jan. 2022.