Disseminação, compartilhamento e apropriação da informação no Youtube: uma análise do canal LGBTQ “PÕE NA RODA”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e67718

Palavras-chave:

Disseminação da Informação, Apropriação da informação, Comunidade LGBTQ

Resumo

Objetivo: Ao abarcar o contexto histórico-social de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Queer (LGBTQ), compreende-se a existência de dimensões de visibilidade, via espaços físicos e virtuais, onde o fortalecimento de uma identidade trafega a ideia de movimento enquanto comunidade. Logo, este estudo investigou as maneiras pelas o canal do Youtube “Põe na Roda” trabalha com a disseminação da informação para a apropriação LGBTQ.

Métodos: Utilizou-se o método de pesquisa Netnografia, com abordagem qualitativa, do tipo exploratória e aplicada, com a análise do vídeo intitulado “Opção Sexual: você nasceu ou virou hétero?”, a partir dos critérios de visibilidade ‘mais visualizações’ e ‘mais comentários’.

Resultados: A troca da informação é percebida pelo criador de conteúdo e pelas formas de relacionamento público-plataforma, dando ao usuário os recursos necessários ao como proceder em caso de alguma necessidade informacional relacionada ao gênero trabalhado. Fica evidente a preocupação e o comprometimento do criador de conteúdo enquanto um profissional disseminador da informação, seja na construção e no desenvolvimento dos seus vídeos, seja na manutenção de uma estrutura coerente do assunto abordado, contando que, ao mediar as informações aos seus usuários, ele se torna um pesquisador.

Conclusões: O movimento LGBTQ apropria-se de informações e proporciona a troca de conhecimentos entre eles e para com o criador de conteúdo do canal analisado. Observa-se, assim, a importância de plataformas como o Youtube para a Ciência da Informação, contando que esses ambientes cumprem para com o tratamento da informação e para com a geração de conhecimento em sociedade.

Biografia do Autor

Daniel Martínez-Ávila, UC3M – Universidade Carlos III Madrid, Espanha

 Doutor em Documentação pela UC3M – Universidade Carlos III Madrid, Espanha. Atualmente é Professor na Documentação pela UC3M – Universidade Carlos III Madrid, Espanha. Professor Permanente do Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Estadual Paulista (Unesp).  Dedica seus estudos a organização, representação da informação e abordagens com enfase nas Tecnologias de Informação e Comunicação. 

Caroline Kraus Luvizotto, Universidade Estadual Paulista

 Doutora em Ciências Sociais pela Unesp. Docente da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação e do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Unesp – Universidade Estadual Paulista, campus de Bauru. Líder do Grupo de Pesquisa Comunicação Midiática e Movimentos Sociais – ComMov. Atua na área de Sociologia da Comunicação, desenvolvendo estudos sobre a relação entre Comunicação, Cidadania e Movimentos Sociais, com ênfase nos temas: participação, mobilização socia

Jean Fernandes Brito, Universidade Estadual Paulista

Doutorando em Ciência da Informação pelo programa de Pós Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Atua nos seguintes temas: Midias sociais, ativismo, comunidade LGBTQ.

Rafaela Carolina Silva, Universidade Estadual Paulista

Doutoranda em Ciência da Informação pelo programa de Pós Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Atua nos seguintes temas: Bibliotecas Hibridas, gestão, mediação e uso da informação

Referências

ALMEIDA, G. B. C.; SOUSA, A. K. N. de; OLIVEIRA, H. P. C. Arquitetura da informação no contexto de gênero: uma análise do website da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. Ciência da Informação em Revista, Maceió, v. 5, n. 3, p. 30-42, dez. 2018. Disponível em: http://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/5601. Acesso em: 10 jun. 2019.

BARRETO, A. A. A estrutura do texto e a transferência da informação. Datagramazero, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 1-14, jun. 2005.

BARROS, M. H. T. C. de. Disseminação da informação: entre a teoria e a prática. Marília: [s. n.], 2003.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2002.

CARVALHO, A. M. G. de. Apropriação da informação: um olhar sobre as políticas públicas sociais de inclusão digital. 2010. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/carvalho_amg_do_mar.pdf. Acesso em: 18 mar. 2019.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Zahar, 2013.

FACCHINI, R.; FRANÇA, I. L. De cores e matizes: sujeitos, conexões e desafios no Movimento LGBT brasileiro: sexualidad, salud y sociedad. Revista Latinoamericana, n. 3, p. 54-81, 2009.

FALLIS, D. Toward an Epistemology of Wikipedia, Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 59, n. 10, p. 1662-1674, 2008.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOHN, M. da G. O protagonismo da sociedade civil – movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LAVALLE, A. G.; CASTELLO, G.; BICHIR, R. M. Quando novos personagens saem de cena: continuidades e mudanças na centralidade dos movimentos sociais. Politica e Sociedade, n. 5, out 2004.

LIMA, S. C. F. de; GERMANO, I. M. P. Visibilidade trans no Youtube em narrativas autobiográficas de Mandy Candy: as vicissitudes da obtenção de informações aliada ao entretenimento e a potencialidade do discurso trans em novas mídias. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 36., 2017, Fortaleza. Anais... Fortaleza, 2017. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/eu/article/view/26854/55776. Acesso em: 06 jun. 2018.

LUVIZOTTO, C. K.; et. al. Comunicação e movimentos sociais: a atuação do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação na internet. Revista Organicom, v.14, p.110 - 123,2017.

LUVIZOTTO, C. K. Luta árdua, penosa e duradoura In: GERALDES, E. C.; ET. AL. Um grito no ar – Comunicação e Criminalização dos Movimentos Sociais.1 ed. Brasília: Fac-UnB, p. 59-64, 2017.

MORESI, E. Metodologia de pesquisa. Brasília: Universidade Católica, 2003.

MURIEL-TORRADO, E.; GONÇALVES, M. Youtube nas bibliotecas universitárias brasileiras: quem, como e para o que é utilizado. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22, n. 4, p. 98-113, 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/35844. Acesso em: 22 ago. 2019.

PERUZZO, C. M. K. Representações dos movimentos populares na mídia e como eles se representam: visibilidade pública e perspectivas cívicas. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 14, n. 28 jul/dez. 2015, p. 31-49.

RAMOS, S. P. D.; SANTANA, M. de M.; SANTOS NETO, J. A. dos. mediação da informação no Youtube: uma análise dos vlogs sobre jogos eletrônicos. In: SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 6., Londrina. Anais... Londrina, 2016. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/cinf/index.php/secin2016/secin2016/paper/view/333/163. Acesso em: 06 jun. 2018.

SARACEVIC, T. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Tradução de Ana Maria P. Cardoso. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 1996.

SANTOS, P. L. V. A. da C.; VIDOTTI, S. A. B. G. Perspectivismo e tecnologias de informação e comunicação: acréscimos à Ciência da Informação? DataGramaZero, v.10, n. 3, 2009.

SHERER-WARREN, I.; LUCHMANN, L. H. Um panorama dos estudos sobre os movimentos sociais e a participação no Brasil. In: SHERER-WARREN, I.; LUCHMANN, L. H. (Orgs). Movimentos sociais e engajamento político: trajetórias e tendências analíticas. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2015.

VIANNA, C. P. O movimento LGBT e as políticas de educação de gênero e diversidade sexual: perdas, ganhos e desafios. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 791-806, set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022015000300791&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 mar. 2018.

VOLPATO, A., ET. AL. Visibilidade Como Estratégia, Estratégias de Visibilidade: Movimentos sociais contemporâneos na internet. Revista ECO-Pós, 22(1), 352-383, 2019.

YOUTUBE. Sobre o YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/yt/about/pt-BR/. Acesso em: 06 jun. 2018.

YOUTUBE/CANALPOENARODA. Opção sexual... vc nasceu ou virou hétero? 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LvwXq1cUHAM. Acesso em: 21 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2020-01-03

Edição

Seção

Estudos de Caso