Disseminação, compartilhamento e apropriação da informação no Youtube: uma análise do canal LGBTQ “PÕE NA RODA”

Daniel Martínez-Ávila, Caroline Kraus Luvizotto, Jean Fernandes Brito, Rafaela Carolina Silva

Resumo


Objetivo: Ao abarcar o contexto histórico-social de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Queer (LGBTQ), compreende-se a existência de dimensões de visibilidade, via espaços físicos e virtuais, onde o fortalecimento de uma identidade trafega a ideia de movimento enquanto comunidade. Logo, este estudo investigou as maneiras pelas o canal do Youtube “Põe na Roda” trabalha com a disseminação da informação para a apropriação LGBTQ.

Métodos: Utilizou-se o método de pesquisa Netnografia, com abordagem qualitativa, do tipo exploratória e aplicada, com a análise do vídeo intitulado “Opção Sexual: você nasceu ou virou hétero?”, a partir dos critérios de visibilidade ‘mais visualizações’ e ‘mais comentários’.

Resultados: A troca da informação é percebida pelo criador de conteúdo e pelas formas de relacionamento público-plataforma, dando ao usuário os recursos necessários ao como proceder em caso de alguma necessidade informacional relacionada ao gênero trabalhado. Fica evidente a preocupação e o comprometimento do criador de conteúdo enquanto um profissional disseminador da informação, seja na construção e no desenvolvimento dos seus vídeos, seja na manutenção de uma estrutura coerente do assunto abordado, contando que, ao mediar as informações aos seus usuários, ele se torna um pesquisador.

Conclusões: O movimento LGBTQ apropria-se de informações e proporciona a troca de conhecimentos entre eles e para com o criador de conteúdo do canal analisado. Observa-se, assim, a importância de plataformas como o Youtube para a Ciência da Informação, contando que esses ambientes cumprem para com o tratamento da informação e para com a geração de conhecimento em sociedade.


Palavras-chave


Disseminação da Informação; Apropriação da informação; Comunidade LGBTQ

Texto completo:

Artigo PDF/A

Referências


ALMEIDA, G. B. C.; SOUSA, A. K. N. de; OLIVEIRA, H. P. C. Arquitetura da informação no contexto de gênero: uma análise do website da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. Ciência da Informação em Revista, Maceió, v. 5, n. 3, p. 30-42, dez. 2018. Disponível em: http://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/5601. Acesso em: 10 jun. 2019.

BARRETO, A. A. A estrutura do texto e a transferência da informação. Datagramazero, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 1-14, jun. 2005.

BARROS, M. H. T. C. de. Disseminação da informação: entre a teoria e a prática. Marília: [s. n.], 2003.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2002.

CARVALHO, A. M. G. de. Apropriação da informação: um olhar sobre as políticas públicas sociais de inclusão digital. 2010. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/carvalho_amg_do_mar.pdf. Acesso em: 18 mar. 2019.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Zahar, 2013.

FACCHINI, R.; FRANÇA, I. L. De cores e matizes: sujeitos, conexões e desafios no Movimento LGBT brasileiro: sexualidad, salud y sociedad. Revista Latinoamericana, n. 3, p. 54-81, 2009.

FALLIS, D. Toward an Epistemology of Wikipedia, Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 59, n. 10, p. 1662-1674, 2008.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOHN, M. da G. O protagonismo da sociedade civil – movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LAVALLE, A. G.; CASTELLO, G.; BICHIR, R. M. Quando novos personagens saem de cena: continuidades e mudanças na centralidade dos movimentos sociais. Politica e Sociedade, n. 5, out 2004.

LIMA, S. C. F. de; GERMANO, I. M. P. Visibilidade trans no Youtube em narrativas autobiográficas de Mandy Candy: as vicissitudes da obtenção de informações aliada ao entretenimento e a potencialidade do discurso trans em novas mídias. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 36., 2017, Fortaleza. Anais... Fortaleza, 2017. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/eu/article/view/26854/55776. Acesso em: 06 jun. 2018.

LUVIZOTTO, C. K.; et. al. Comunicação e movimentos sociais: a atuação do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação na internet. Revista Organicom, v.14, p.110 - 123,2017.

LUVIZOTTO, C. K. Luta árdua, penosa e duradoura In: GERALDES, E. C.; ET. AL. Um grito no ar – Comunicação e Criminalização dos Movimentos Sociais.1 ed. Brasília: Fac-UnB, p. 59-64, 2017.

MORESI, E. Metodologia de pesquisa. Brasília: Universidade Católica, 2003.

MURIEL-TORRADO, E.; GONÇALVES, M. Youtube nas bibliotecas universitárias brasileiras: quem, como e para o que é utilizado. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22, n. 4, p. 98-113, 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/35844. Acesso em: 22 ago. 2019.

PERUZZO, C. M. K. Representações dos movimentos populares na mídia e como eles se representam: visibilidade pública e perspectivas cívicas. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 14, n. 28 jul/dez. 2015, p. 31-49.

RAMOS, S. P. D.; SANTANA, M. de M.; SANTOS NETO, J. A. dos. mediação da informação no Youtube: uma análise dos vlogs sobre jogos eletrônicos. In: SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 6., Londrina. Anais... Londrina, 2016. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/cinf/index.php/secin2016/secin2016/paper/view/333/163. Acesso em: 06 jun. 2018.

SARACEVIC, T. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Tradução de Ana Maria P. Cardoso. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 1996.

SANTOS, P. L. V. A. da C.; VIDOTTI, S. A. B. G. Perspectivismo e tecnologias de informação e comunicação: acréscimos à Ciência da Informação? DataGramaZero, v.10, n. 3, 2009.

SHERER-WARREN, I.; LUCHMANN, L. H. Um panorama dos estudos sobre os movimentos sociais e a participação no Brasil. In: SHERER-WARREN, I.; LUCHMANN, L. H. (Orgs). Movimentos sociais e engajamento político: trajetórias e tendências analíticas. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2015.

VIANNA, C. P. O movimento LGBT e as políticas de educação de gênero e diversidade sexual: perdas, ganhos e desafios. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 791-806, set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022015000300791&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 mar. 2018.

VOLPATO, A., ET. AL. Visibilidade Como Estratégia, Estratégias de Visibilidade: Movimentos sociais contemporâneos na internet. Revista ECO-Pós, 22(1), 352-383, 2019.

YOUTUBE. Sobre o YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/yt/about/pt-BR/. Acesso em: 06 jun. 2018.

YOUTUBE/CANALPOENARODA. Opção sexual... vc nasceu ou virou hétero? 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LvwXq1cUHAM. Acesso em: 21 jun. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e67718



Direitos autorais 2020 Daniel Martínez-Ávila, Caroline Kraus Luvizotto, Jean Fernandes Brito, Rafaela Carolina Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1518-2924.

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By  (mais informação)