Estética e simetria nas leis de Newton: uma análise de alguns livros didáticos usados na formação inicial de professores de física

Flaviston Ferreira Pires, José Alves da Silva, Thaís Cyrino de Mello Forato

Resumo


Levando-se em consideração uma concepção de educação voltada para a promoção do ser humano, este trabalho destaca a busca das bases estéticas e simétricas dos fenômenos nas leis de Newton e como ou se essas bases estão presentes em alguns livros didáticos de física utilizados em cursos de licenciatura na área, de modo a propor uma reflexão sobre suas possíveis implicações para o ensino das leis de Newton. Essas bases, de natureza epistemológica, relacionadas à homogeneidade e isotropia do espaço e à irreversibilidade do tempo, são fundamentais para que se compreendam os seus três princípios fundamentais: conservação da quantidade de movimento linear, angular e da energia. Para tanto, realizamos uma pesquisa historiográfica acerca de tais conceitos na obra de diferentes pensadores, buscando identificar pressupostos estéticos possivelmente utilizados na fundamentação dessas leis. Esses primeiros resultados foram utilizados em uma segunda etapa da pesquisa na proposição de instrumentos de análise sobre tais conteúdos nos livros didáticos. A seguir, foram analisados cinco livros utilizados na formação de professores de física.  Constatamos que os livros não discutem as leis de Newton na perspectiva dos conceitos de estética e simetria, apresentando uma versão naturalizada, linear e de caráter enciclopédico dos conceitos físicos referentes às leis de Newton, bem diferente do que propõem os autores que discutem estética e simetria.


Palavras-chave


Estética; Simetria; Leis de Newton; Livros Didáticos; Formação Inicial de Professores

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAPEC. Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). ENPECs edições anteriores. 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2016.

AURÉLIO. Dicionário do Aurélio. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2018.

AZANHA, J. M. P. Uma ideia de pesquisa educacional. 2. ed. São Paulo: Edusp. 208p.

BRAGA, M.; GUERRA, A.; REIS, J. C. O papel dos livros didáticos franceses do Século XIX na construção de uma concepção dogmático-instrumental do ensino de física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 25, n. 3, p. 507-522, dez. 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. Secretaria de Educação Média: Parâmetros Curriculares Nacionais + - Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Física. Secretaria de Educação Média. Brasília: MEC – SEMTEC, 2002.

BUENO, S. Grande dicionário etimológico prosódico da língua portuguesa. São Paulo: Edição Saraiva, 1965. 3 v.

CAPES. Banco de Teses e Dissertações. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2016.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique, 1991.

COHEN, B.; WESTFALL R. S. Newton: textos, antecedentes, comentários. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto/EDUERJ, 2002.

DICIO. Dicio Online de Português. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2018.

FAPESP. Biblioteca Virtual. Banco de dados. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2016.

FORATO, T. C. M. Isaac Newton, as profecias bíblicas e a existência de Deus. In: SILVA, C. C. (Org.) Estudo de História e Filosofia das Ciências: subsídios para aplicação no ensino. São Paulo: Livraria da Física. 2006. p. 191-206.

FORATO, T. C. M. A Filosofia Mística e a Doutrina Newtoniana: uma discussão historiográfica. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 1, n. 3, p. 29-53, nov. 2008.

FORATO, T. C. M.; PIETROCOLA, M.; MARTINS, R. A. História da ciência e religião: uma proposta para discutir a natureza da Ciência. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XVII, 2007, São Luiz, MA. Atas...

FORATO, T. C. M.; PIETROCOLA, M.; MARTINS, R. A. Historiografia e natureza da ciência em sala de aula. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 28, n. 1, p. 27-59, 2011.

GARCIA, M. N. Livros didáticos de física e de ciências: contribuições da pesquisa para o ensino. Educar em Revista, n. 44, p. 145-163, 2012.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA. Física 1: Mecânica / GREF – 5. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos da Física – Mecânica. 8. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S. A., 2008. v. 1.

HEGEL, G.W. F. Curso de estética: o belo na arte. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

HEWITT, P. G. Física conceitual. 9. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002.

KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.

KAWAMURA, M. R. Formação inicial de professores nas áreas de exatas: desafios para as questões de sempre. In: SILVA, J. A.; KLUTH, V. S. (Orgs). Aproximações e distanciamentos no Ensino de Ciências e Matemática: questões de identidade da área no âmbito filosófico e institucional. São Paulo: Porto de Ideias, 2013. p. 45-67.

KIRCHOF, E. R. A estética antes da estética: de Platão, Aristóteles, Agostinho, Aquino, e Locke a Baumgarten. 1. ed. Canoas: Editora da Ulbra, 2003. v. 1. 160p.

LEITE, C.; HOSOUME, Y. Astronomia nos livros didáticos de Ciências – um panorama atual. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XVI, 2005, Rio de Janeiro. Atas...

LOPES, R. C. A. Livros Didáticos: Obstáculos ao aprendizado da ciência química. Química Nova, v. 15, n. 3, p. 254-261, 1992.

LUDWIG, A. C. W. Métodos de Pesquisa em Educação. Educação em Revista, v. 14, n. 2, p. 7-32, Jul.-Dez. 2014.

MACHADO, J. P. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. 4. ed. Lisboa: Livros Horizonte, 1987. v. II.

MARTINS, R. A. A fundamentação histórica da lei da inércia: um exemplo de conflito entre educadores e historiadores da ciência no uso da história da ciência no ensino de física. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, XIV, 2012, Maresias.

MARTINS, R. A. Ciência versus historiografia: os diferentes níveis discursivos nas obras sobre história da ciência. In: ALFONSO-GOLDFARB, A. M.; BELTRAN, M. H. R. (Orgs). Escrevendo a História da Ciência: tendências, propostas e discussões historiográficas. São Paulo: EDUC/Livraria Editora da Física, 2004. p. 115-145.

MARTORANO, S. A. A.; MARCONDES, M. E. R. As concepções de ciência dos livros didáticos de química, dirigidos ao ensino médio, no tratamento da cinética química no período de 1929 a 2004.

Investigações em Ensino de Ciências, v. 14, n. 3, p. 341-355, 2009.

MCGUIRE, J. E.; RATTANSI, P. M. Newton and the 'Pipes of Pan'. Notes & Records. The Royal Society of London, 1966. p. 108-143.

MEGID NETO, J.; FRACALANZA, H. (Org.). O Livro Didático de Ciências no Brasil. 1. ed. Campinas: Editora Komedi, 2006. v. 1. 224p.

MENEZES, L. C. A Matéria uma Aventura do Espírito: fundamentos e fronteiras do conhecimento físico. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2005. 277p.

MENEZES, L. C. Simetrías, Irreversabilidad del Tiempo e Imponderabilidad en la Física. Prometeica - Revista de Filosofía y Ciencias, Córdoba, Argentina, Año II, n. 4, p. 90-91, mayo-jun. 2011.

MORAES, J. O livro didático de física e o ensino de física: suas relações e suas origens. Scientia Plena, v. 7, n. 9. 2011. Associação Sergipana de Ciência. Aracaju, 2011.

MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e Ensino de Ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências, v. 1, n. 1, p. 20-39, 1996.

NASCIMENTO, L. F. História e natureza da ciência: um roteiro para análise do livro didático. 2011. 115 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Física) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2011.

NEVES, M. C. D. Uma investigação sobre a natureza do movimento ou sobre uma história para a noção do conceito de força. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 22, n. 4, 2000.

PAGLIARINI, C. R. Uma análise da história e filosofia da ciência presente em livros didáticos de física para o ensino médio. 2007. Dissertação. (Mestrado em Física Básica) - Instituto de Física de São Carlos, Universidade de São Paulo, 2007.

PIRES, F. F.; SILVA, J. A. Estética e simetria no ensino de física: uma proposta para o ensino de mecânica. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, X, 2015, Águas de Lindoia, SP. Anais...

PRIBERAM. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2018.

PRIGOGINE, I. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. 1. ed. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1996. 199p.

QUADROS, O. J. Estética da vida, da arte, da natureza. 2. ed. Porto Alegre. Livraria Editora Academia, 1986. 231p.

SCIELO. Scientific Electronic Library Online. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2016.

SBF. Sociedade Brasileira de Física. Memória. EPEF. 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2016.

SBF. Sociedade Brasileira de Física. Memória. SNEF. 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2016.

SERWAY, R. A.; JEWETT, J. W. Jr. Princípios de física. v. 1: mecânica clássica. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

SUASSUNA, A. Iniciação à estética. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 2008. 396p.

TALON-HUGON, C. A estética: histórias e teorias. Título original: L’esthétique. Coleção Biblioteca universal. 1. ed. Rio de Janeiro: Edições Texto e Grafia, 2009. 105p.

TIPLER, P. A. Física para cientistas e engenheiros – Mecânica, Oscilações e Ondas, Termodinâmica. 4. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 2000. v. 1.

WESTFALL R. S. A vida de Isaac Newton. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995. 328 p.

ZYLBERSZTAJN, A. Concepções Espontâneas em Física: exemplos em dinâmica e implicações para o ensino. Revista de Ensino de Física, v. 5, n. 2, dez. 1983.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2019v36n2p337

 


Cad. Bras. Ens. Fís. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN 2175-7941 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons
> > > > >