Liberem os mangás: juventudes frente à leitura e à informação

Jacira Gil Bernardes, Aline Accorssi

Resumo


No presente artigo buscamos refletir e discutir os sentidos e significados que jovens de um bairro de periferia possuem acerca da leitura e informação. Para isto, realizamos oito entrevistas semiestruturadas com jovens entre 18 e 24 anos participantes de um projeto social, chamado Casa das Juventudes, no Bairro Guajuviras, de Canoas/RS, Brasil, integrante do Projeto Territórios de Paz. A Casa das Juventudes é um centro de formação e espaço de convivência. Nela funciona o PROTEJO (Proteção de Jovens em Território Vulnerável), projeto social voltado para jovens em situação de violência e outras formas de vulnerabilidade social. Os resultados indicam que a leitura faz parte da vida cotidiana dos jovens, uma vez que os mesmos expressam interesse e iniciativa em ter contato, dentro e fora da Casa, com livros e informações em geral. Contudo, o acesso à leitura é dificultado em seus cotidianos por vários motivos, tais como: ausência de bibliotecas públicas; equipamentos e espaços culturais públicos inadequados, ou por demais suntuosos, em relação à realidade social em que estes jovens estão inseridos. O não acesso à informação configura-se mais pela falta de acervo adequado nas bibliotecas, associado ao alto custo para a aquisição de livros e outros documentos, do que a falta de interesse pela prática da leitura. 


Palavras-chave


Leitura; Juventude; Equipamento Cultural; Biblioteca

Texto completo:

PDF/A

Referências


Areias, D. (2008). Leitura e juventude: o que temos diante dos olhos? In: Semana de Educação (13.: 2008). Educação, formação e sociedade: desafios contemporâneos; comunicações e Pôsteres. Rio de Janeiro: UERJ. Retirado em 3 jan. 2013 de http://www.educacao.uerj.br/SemanaEducacao 2008 /Trabalhos/arq078.pdf.

Bauman, Z. (2007) Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Brenner, A.K. & Dayrell, J. & Carrano, P. (2005). Culturas do lazer e do tempo livre dos jovens brasileiros. In: Abramo, H. W. & Branco, P. P. M. Retratos da juventude brasileira. p. 175-214. São Paulo : Fundação Perseu Abramo.

Caldin, C.F. (2001). A leitura como função terapêutica. Bibli: Revista de Bibliotecononomia e Ciência da Informação, v. 6 (12).

Carvalho, L.C. (2012) Práticas de leitura e escrita na contemporaneidade: jovens & fanfictions. Tese (doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-graduação em Educação.

Castro, M.G. & Abramovay, M. (2002). Jovens em situação de pobreza, vulnerabilidades sociais e violências. Cadernos de Pesquisa, (116) p. 143-176.

Catani, A.M. & Gilioli, R.S.P. (2008). Diversidade de interpretações das culturas juvenis. In: Catani, A.M. & Gilioli, R.S.P. Culturas juvenis: múltiplos olhares. p. 89-103. São Paulo : UNESP.

Dayrell, J. (2003). O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, (24).

Dayrell, J. (2001). A música entra em cena: o rap e o funk na socialização da juventude em Belo Horizonte. Tese (doutorado) Universidade de São Paulo. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação.

Dupas, G. (2007). O mito do progresso. Novos Estudos CEBRAP, (77), p. 73-89.

Ferreira, S.P.A. & Dias, M.G.B.B. (2004). A leitura, a produção de sentidos e o processo inferencial. Psicologia em Estudo, v. 9 (3), p. 439-448.

Galvão, T.V.B. (2008) O papel das transformações sociais e da identidade juvenil na construção de comunidades de sentido. In: Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (4. : Salvador: 2008) Anais. Salvador : UFBa. Retirado em 21 abr 2013 de http://www.cult.ufba.br/enecult 2008 /14338.pdf.

Goulemot, J.M. (1996). Da leitura como produção de sentidos. In: Chartier, R. (Org.). Práticas de leitura. p. 107-116. São Paulo : Estação Liberdade.

Instituto Pró-livro (2011). Retratos da leitura no Brasil. Rio de Janeiro : IPL. Retirado em 05 abr. 2012 de http://www.prolivro.org.br /ipl/ publier4.0/ texto. asp?id=352 .

Lourenço, A.L.C. (2010). Otakus: jovens brasileiros e cultura pop nipônica. In: Lourenço, A.L.C. Juventude contemporânea: culturas, gostos e carreiras. p. 61-74. Rio de Janeiro : 7 Letras.

Marina, J.A. & Válgoma, M. (2007). A magia de ler. Lisboa, Ambar.

Milanesi, L. (1986). Ordenar para desordenar: centros de cultura e bibliotecas públicas. São Paulo : Brasiliense.

Minayo, M.C.S. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo : Hucitec.

Minayo, M.C.S. (org.) (2011). Pesquisa social : teoria, método e criatividade. 28.ed. Petrópolis : Vozes.

Oswald, M.L. & Rocha, S.L.A. (2013). Sobre juventude e leitura na "idade mídia": implicações para políticas e práticas curriculares. Educar em revista, (47), p. 267-283. Retirado em 13 maio 2013 de http://www.scielo.br/scielo.php?script= sci_arttext&pid =S0104-40602013000100014&lng= pt& nrm =iso.

Plano nacional do livro e leitura (2011). O que é o PNLL? In: Plano Nacional do Livro e Leitura. [Site oficial] Brasília: PNLL. Retirado em 12 nov 2011 de http://www.pnll. gov.br/.

Primeiro Censo Nacional das Bibliotecas Públicas Municipais (2011). In: Brasil. Ministério da Cultura. [Site oficial]. Brasília : MinC. Retirado em 12 nov. 2011 de http://www.cultura.gov.br/site/2010/04/30/primeiro-censo-nacional-das-bibliotecas-publicas-municipais.

Santos, C. S. E. & De Marco, G. (2012). O Jovem e a construção de “si” através da publicização de imagens e postagens nas redes sociais. In: Simpósio em tecnologias digitais e sociabilidade (Salvador : 2012). Anais. Salvador. Retirado em 12 fev 2013 de http://gitsufba.net/anais/wp-content/uploads/2013/09/n1_jovem_44921.pdf.

Sposito, M.P. (2006). Juventude: crise, identidade e escola. In: Dayrell, Juarez, org. Múltiplos olhares sobre educação e cultura. p. 96-104. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Unesco (2011). Acesso à Cultura no Brasil. Brasília. Retirado em 31 out 2011 de http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/culture/access-to-culture/.

Unesco (2004). Políticas públicas de/para/com as juventudes. Brasília: UNESCO. Retirado em 14 abr 2012 de http://unesdoc.unesco.org/images/ 0013/001359/135923por.pdf.

Velho, G.& Duarte, L.F.D. (2010). Apresentação. In: Velho, G.& Duarte, L.F.D. (orgs.) Juventude contemporânea: culturas, gostos e carreiras. p. 7-8. Rio de Janeiro : 7 Letras.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2016v13n3p81

Direitos autorais 2016 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.