Liberem os mangás: juventudes frente à leitura e à informação

Autores

  • Jacira Gil Bernardes Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS
  • Aline Accorssi Centro Universitário La Salle, Canoas, RS

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2016v13n3p81

Palavras-chave:

Leitura, Juventude, Equipamento Cultural, Biblioteca

Resumo

No presente artigo buscamos refletir e discutir os sentidos e significados que jovens de um bairro de periferia possuem acerca da leitura e informação. Para isto, realizamos oito entrevistas semiestruturadas com jovens entre 18 e 24 anos participantes de um projeto social, chamado Casa das Juventudes, no Bairro Guajuviras, de Canoas/RS, Brasil, integrante do Projeto Territórios de Paz. A Casa das Juventudes é um centro de formação e espaço de convivência. Nela funciona o PROTEJO (Proteção de Jovens em Território Vulnerável), projeto social voltado para jovens em situação de violência e outras formas de vulnerabilidade social. Os resultados indicam que a leitura faz parte da vida cotidiana dos jovens, uma vez que os mesmos expressam interesse e iniciativa em ter contato, dentro e fora da Casa, com livros e informações em geral. Contudo, o acesso à leitura é dificultado em seus cotidianos por vários motivos, tais como: ausência de bibliotecas públicas; equipamentos e espaços culturais públicos inadequados, ou por demais suntuosos, em relação à realidade social em que estes jovens estão inseridos. O não acesso à informação configura-se mais pela falta de acervo adequado nas bibliotecas, associado ao alto custo para a aquisição de livros e outros documentos, do que a falta de interesse pela prática da leitura. 

Biografia do Autor

Jacira Gil Bernardes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS

Mestre em Memória Social e Bens Culturais, pelo Centro Universitário La Salle - Canoas, RS, Brasil. Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Aline Accorssi, Centro Universitário La Salle, Canoas, RS

Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul com estágio na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris. Professora nos Cursos de Psicologia e Pedagogia e professora-pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Bens Culturais do Centro Universitário La Salle, Canoas, RS, Brasil.

Referências

Areias, D. (2008). Leitura e juventude: o que temos diante dos olhos? In: Semana de Educação (13.: 2008). Educação, formação e sociedade: desafios contemporâneos; comunicações e Pôsteres. Rio de Janeiro: UERJ. Retirado em 3 jan. 2013 de http://www.educacao.uerj.br/SemanaEducacao 2008 /Trabalhos/arq078.pdf.

Bauman, Z. (2007) Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Brenner, A.K. & Dayrell, J. & Carrano, P. (2005). Culturas do lazer e do tempo livre dos jovens brasileiros. In: Abramo, H. W. & Branco, P. P. M. Retratos da juventude brasileira. p. 175-214. São Paulo : Fundação Perseu Abramo.

Caldin, C.F. (2001). A leitura como função terapêutica. Bibli: Revista de Bibliotecononomia e Ciência da Informação, v. 6 (12).

Carvalho, L.C. (2012) Práticas de leitura e escrita na contemporaneidade: jovens & fanfictions. Tese (doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-graduação em Educação.

Castro, M.G. & Abramovay, M. (2002). Jovens em situação de pobreza, vulnerabilidades sociais e violências. Cadernos de Pesquisa, (116) p. 143-176.

Catani, A.M. & Gilioli, R.S.P. (2008). Diversidade de interpretações das culturas juvenis. In: Catani, A.M. & Gilioli, R.S.P. Culturas juvenis: múltiplos olhares. p. 89-103. São Paulo : UNESP.

Dayrell, J. (2003). O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, (24).

Dayrell, J. (2001). A música entra em cena: o rap e o funk na socialização da juventude em Belo Horizonte. Tese (doutorado) Universidade de São Paulo. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação.

Dupas, G. (2007). O mito do progresso. Novos Estudos CEBRAP, (77), p. 73-89.

Ferreira, S.P.A. & Dias, M.G.B.B. (2004). A leitura, a produção de sentidos e o processo inferencial. Psicologia em Estudo, v. 9 (3), p. 439-448.

Galvão, T.V.B. (2008) O papel das transformações sociais e da identidade juvenil na construção de comunidades de sentido. In: Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (4. : Salvador: 2008) Anais. Salvador : UFBa. Retirado em 21 abr 2013 de http://www.cult.ufba.br/enecult 2008 /14338.pdf.

Goulemot, J.M. (1996). Da leitura como produção de sentidos. In: Chartier, R. (Org.). Práticas de leitura. p. 107-116. São Paulo : Estação Liberdade.

Instituto Pró-livro (2011). Retratos da leitura no Brasil. Rio de Janeiro : IPL. Retirado em 05 abr. 2012 de http://www.prolivro.org.br /ipl/ publier4.0/ texto. asp?id=352 .

Lourenço, A.L.C. (2010). Otakus: jovens brasileiros e cultura pop nipônica. In: Lourenço, A.L.C. Juventude contemporânea: culturas, gostos e carreiras. p. 61-74. Rio de Janeiro : 7 Letras.

Marina, J.A. & Válgoma, M. (2007). A magia de ler. Lisboa, Ambar.

Milanesi, L. (1986). Ordenar para desordenar: centros de cultura e bibliotecas públicas. São Paulo : Brasiliense.

Minayo, M.C.S. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo : Hucitec.

Minayo, M.C.S. (org.) (2011). Pesquisa social : teoria, método e criatividade. 28.ed. Petrópolis : Vozes.

Oswald, M.L. & Rocha, S.L.A. (2013). Sobre juventude e leitura na "idade mídia": implicações para políticas e práticas curriculares. Educar em revista, (47), p. 267-283. Retirado em 13 maio 2013 de http://www.scielo.br/scielo.php?script= sci_arttext&pid =S0104-40602013000100014&lng= pt& nrm =iso.

Plano nacional do livro e leitura (2011). O que é o PNLL? In: Plano Nacional do Livro e Leitura. [Site oficial] Brasília: PNLL. Retirado em 12 nov 2011 de http://www.pnll. gov.br/.

Primeiro Censo Nacional das Bibliotecas Públicas Municipais (2011). In: Brasil. Ministério da Cultura. [Site oficial]. Brasília : MinC. Retirado em 12 nov. 2011 de http://www.cultura.gov.br/site/2010/04/30/primeiro-censo-nacional-das-bibliotecas-publicas-municipais.

Santos, C. S. E. & De Marco, G. (2012). O Jovem e a construção de “si” através da publicização de imagens e postagens nas redes sociais. In: Simpósio em tecnologias digitais e sociabilidade (Salvador : 2012). Anais. Salvador. Retirado em 12 fev 2013 de http://gitsufba.net/anais/wp-content/uploads/2013/09/n1_jovem_44921.pdf.

Sposito, M.P. (2006). Juventude: crise, identidade e escola. In: Dayrell, Juarez, org. Múltiplos olhares sobre educação e cultura. p. 96-104. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Unesco (2011). Acesso à Cultura no Brasil. Brasília. Retirado em 31 out 2011 de http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/culture/access-to-culture/.

Unesco (2004). Políticas públicas de/para/com as juventudes. Brasília: UNESCO. Retirado em 14 abr 2012 de http://unesdoc.unesco.org/images/ 0013/001359/135923por.pdf.

Velho, G.& Duarte, L.F.D. (2010). Apresentação. In: Velho, G.& Duarte, L.F.D. (orgs.) Juventude contemporânea: culturas, gostos e carreiras. p. 7-8. Rio de Janeiro : 7 Letras.

Downloads

Publicado

2016-09-01

Edição

Seção

Artigos - Condição Humana na Modernidade