Risco, sociedade e ambiente: o caso da produção ecológica cooperativa e a gestão global da biodiversidade e dos conhecimentos tradicionais
DOI:10.5007/1807-1384.2011v8n2p335

Guilherme Francisco Waterloo Radomsky, Ondina Fachel Leal

Resumo


O artigo examina o tema do risco a partir de uma análise sobre a biodiversidade e os conhecimentos tradicionais. Examinando o caso de agricultores ecológicos vinculados à Ecovida – rede de agroecologia composta por agricultores, consumidores e mediadores sociais no sul do Brasil – a perspectiva é demonstrar que a biodiversidade na agricultura e os conhecimentos relacionados a cultivos sofrem problemas identificados com uma dupla “erosão”: a diminuição e a susceptibilidade das variedades agrícolas disponíveis para serem cultivadas e o afunilamento dos saberes. As recentes transformações no âmbito dos regimes de propriedade intelectual, especialmente as disposições sobre sementes e saberes, estão diretamente associadas a novos riscos. Os dados utilizados e interpretados são provenientes de uma pesquisa de caráter etnográfico desenvolvida entre agricultores ecológicos, técnicos mediadores e consumidores vinculados à rede no oeste catarinense. Estes atores propõem esquemas coletivos de resistência aos controles sobre a natureza e os saberes, observadas em ações que procuram efetivar a multiplicação de sementes e promover a multiplicidade dos saberes do campo. Resultado do esforço coletivo, a certificação participativa funciona como um dos pilares para problematizar os riscos e mediatizar os controles sobre a produção.

 


Palavras-chave


Risco; Ambiente; Biodiversidade; Propriedade Intelectual; Certificação.

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2011v8n2p335

Direitos autorais



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.