Significações do protagonismo dos/as professores/as na igualdade de direitos à população lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT)

André Luiz Machado das Neves, Iolete Ribeiro da Silva

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n2p93

O presente artigo baseia-se em estudo que teve por objetivo compreender as significações de protagonismo na promoção de igualdade de direitos à população Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) a partir dos discursos dos/as professores/as. Adotou-se a abordagem qualitativa e a perspectiva sócio-histórica. Participaram 06 professores/as da rede estadual de ensino de Manaus, Amazonas. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, individuais. Os dados foram analisados baseados na proposta teórico-metodológica da constituição dos Núcleos de Significação. Os/as professores/as atribuem significações de que há protagonismo na promoção de igualdade direitos à LGBT, por meio de discussões em sala de aula sobre a temática. No entanto, não há evidências de premissas críticas e consistentes sobre a sexualidade pautada numa concepção histórica, política, ética e crítica da sexualidade humana e suas manifestações, mas sim uma discussão “tímida” e biologizante. Considera-se que, os/as professores/as com formação para a diversidade, podem ser mediadores na amenização de preconceito e na promoção de igualdade de direitos, considerando a “tímida” abertura da discussão.


Palavras-chave


Significações; Protagonismo; Igualdade de Direitos; LGBT; Professores

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGUIAR, W. M. J. A pesquisa em Psicologia Sócio-histórica: contribuições para o debate metodológico In: BOCK, A. M. B; GONÇALVES, M. G. M.; FURTADO, O. (Orgs.). Psicologia Sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Editora Cortez, 2001.

AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia Ciência e Profissão, v. 26, n. 2, p. 222-45, 2006. Disponível em www.scielo.br/pdf/pcp/v26n2/v26n2a06.pdf. Acesso em 22 jan 2015.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais (1ª a 4ª Série): pluralidade cultural e orientação sexual. v. 10. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, MEC/SEF, 1998.

_______. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007.

_______. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Brasil sem Homofobia: Programa Nacional de Combate a Violência e à Discriminação contra GLTB e promoção da Cidadania Homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

_______. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2004a.

CANEN, A.; XAVIER, G. P. M. Formação continuada de professores para a diversidade cultural: ênfases, silêncios e perspectivas. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 621-641, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

GONZÁLEZ REY, F. L. A subjetividade e seu significado atual na construção do pensamento psicológico. In: GONZÁLEZ-REY, F. L. Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Thomson, 2003.

GRUPO GAY DA BAHIA. Assassinatos de LGBT no Brasil 2012. Disponível em: http://www.ggb.org.br/assassinatos%20de%20homossexuais%20no%20brasil%202011%20GGB.html Acesso em: 19 fev 2015.

MELLO, L.; et al. Para além de um kit anti-homofobia: políticas públicas de educação para a população LGBT no Brasil. Bagoas: Estudos gays: gêneros e sexualidades, n. 07, p. 99-122, 2012.

MORATO, E. M. Vigotski e a perspectiva enunciativa da relação entre linguagem, cognição e mundo social. Educação & Sociedade, n. 71, p. 149-165, 2000.

MOTT, L.; ALMEIDA, C.; CERQUEIRA, M. Epidemia do ódio 260 homossexuais foram assassinados no Brasil em 2010. Disponível em: http://www.ggb.org.br/Assassinatos%20de%20homossexuais%20no%20Brasil%20relatorio%20geral%20completo.html Acesso em: 19 fev 2015.

NEVES, A. L. M. Significados atribuídos por professores a protagonismo em projetos de igualdade de direitos voltados à diversidade sexual. (2013). 109f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) Faculdade de Psicologia, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2013. Disponivel em: http://tede.ufam.edu.br/bitstream/tede/3928/2/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20-%20Andr%C3%A9%20Luis%20Machado%20das%20Neves.pdf Acesso em 10 dez 2014.

NEVES, A. L. M. et al. Teachers' social representations on sexual diversity in a school paraense. Psicol. Esc. Educ. Maringá , v. 19, n. 2, p. 261-270, ago. 2015. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572015000200261&lng=pt&nrm=iso Acesso em 24 mar 2016. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0192831

SANTOS, R. M. S; SANTOS; A. S. Memórias de trajetórias escolares de travestis. Educação, Gestão e Sociedade: revista da Faculdade Eça de Queiros. v. 1, n. 3, 2011. Disponível em: < http://www.faceq.edu.br/regs/downloads/numero03/memoriasTrajetoriasEscolaresTravestis.pdf> Acesso em 23 abr 2015.

SILVA, A. K. L. S. Diversidade Sexual e de Gênero: a construção do sujeito social. Rev. NUFEN, v. 5, n. 1, p. 12-25, 2013. Disponível em: Acesso em: 09 fev 2015.

SILVA, I. R.; MACIEL, D. M. A. A atuação do psicólogo na educação: configuração progressiva de um espaço de atuação profissional. Amazônida. v. 11, p. 54-76, 2006.

SILVA, P. A Subjetivação presente no discurso do protagonismo juvenil. Rev. Bras. Adolescência e Conflitualidade, n. 0, p. 12-18, 2010.

SOUSA FILHO, A. Teorias sobre a Gênese da Homossexualidade: ideologia, preconceito e fraude. In: JUNQUEIRA, R. D. (Org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação; Unesco, 2009.

VIGOTSKI, L. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n2p93

Direitos autorais 2017 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.

 

  Início