Formação inicial em Educação Física e as aprendizagens com a escola: a possibilidade da prática como componente curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2019e56269

Resumo

Conforme as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior de 2015, as licenciaturas devem integrar aos seus programas as atividades teórico-práticas de aprofundamento em áreas específicas (200h), atividades formativas (2.200h), o estágio supervisionado (400h) e a Prática como Componente Curricular - PCC (400h). O objetivo foi verificar as possibilidades da PCC para aproximar acadêmicos de Educação Física do cenário escolar e as possíveis aprendizagens decorrentes dessa integração. Foram entrevistados 41 formandos de Licenciatura em Educação Física e 18 docentes do mesmo curso, com posterior análise de conteúdo. Os dados apontam que a PCC foi lembrada como uma estratégia para intensificar a aproximação dos futuros professores com a Educação Básica e contribuir para a aprendizagem dos saberes profissionais. Quanto mais diversificada e abrangente se apresentar a formação, mais referências sobre a profissão terão os licenciandos, o que poderá contribuir para uma atuação profissional condizente com a realidade do ensino público.

Biografia do Autor

Camila Rinaldi Bisconsini, Universidade Estadual de Londrina

Doutorado em Educação Física (Programa de Pós-Graduação em Educação Física - UEL/UEM)Londrina, Paraná, Brasilhttp://lattes.cnpq.br/2170248293311171

Amauri Aparecido Bássoli de Oliveira, Universidade Estadual de Maringá

Pós-doutorado em Educação Física (UFRGS)Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Educação FísicaMaringá, Paraná, Brasilhttp://lattes.cnpq.br/5845836567219056 

Referências

ANTUNES, Alfredo Cesar. A dimensão prática na preparação profissional em educação física: concepção e organização acadêmica. 2012. 264 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

ARAUJO, Raffaelle Andressa dos Santos; LEITINHO, Meirecele Calíope. Reflexões sobre a prática como componente curricular do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Maranhão. Motrivivência, v. 26, n. 43, p. 89–103, 2014.

ATIENZA, Rodrigo; et al. La percepción del alumnado universitario de educación física sobre la evalución formativa: ventajas, dificultades y satisfacción. Movimento, v. 22, n. 4, p. 1033–1048, 2016.

BARBOSA, Alessandro Tomaz; et al. Concepção de alunos e professores sobre a Prática como Componente Curricular no curso de formação de professores de Ciências e Biologia. In: Congresso Internacional sobre investigación en didáctica de las ciencias, 2013, Girona/ES, Anais... Girona/ES, 2013. p. 270-275, 2013.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Ediões 70, 2016.

BENITES, Larissa Cerignoni; SOUZA NETO, Samuel de; HUNGER, Dagmar. O processo de constituição histórica das diretrizes curriculares na formação de professores de Educação Física. Educação e Pesquisa, v. 34, n. 2, p. 343–360, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v.134, n. 248, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 2783427841, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 009/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 2001a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 28/2001. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 2001b.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 01 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 2002a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 02 de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília, DF, 2002b.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 02 de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 11. ed. Campinas, SP: Papirus, 2014.

CORREIA, Rodrigo Nuno Peiró; FERRAZ, Osvaldo Luiz. Competências do professor de educação física e formação profissional. Motriz, v. 16, n. 2, p. 281–291, 2010.

ISSE, Silvane Fensterseifer; MOLINA NETO, Vicente. Estágio supervisionado na formação de professores de Educação Física: produções científicas sobre o tema. Revista da Educação Física/UEM, v. 27, p. 1–16, 2016.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2013.

MAFFEI, Willer Soares; VERARDI, Carlos Eduardo Lopes; PESSÔA FILHO, Dalton Müller. Formação inicial do professor de Educação Física: produções acadêmicas entre 2005-2014. Motrivivência, v. 28, n. 49, p. 146–163, 2016.

MARCON, Daniel. Construção do conhecimento pedagógico do conteúdo dos futuros professores de Educação Física. 2011. 574 f. Dissertação (Doutorado em Ciências do Desporto) - Universidade do Porto, Porto/Portugal, 2011.

MARTINY, Luis Eugênio; GOMES-DA-SILVA, Pierre Normando. “O que eu transformaria? Muita Coisa!”: os saberes e os não saberes docentes presentes no estágio supervisionado em educação física. Revista da Educação Física/UEM, v. 22, n. 4, p. 569–581, 2011.

METZNER, Andreia Cristina. O papel da didática na formação dos professores de Educação Física: A opinião dos discentes. Conexões, v. 9, n. 1, p. 166–193, 2011.

METZNER, Andreia Cristina; CESANA, Juliana; DRIGO, Alexandre Janotta. Diretrizes Curriculares Nacionais e a Educação Física: levantamento das produções acadêmicas e científicas dos últimos 10 anos. Pensar a Prática, v. 19, n. 4, p. 747–757, 2016.

PALMA, Ângela Pereira Teixeira Victória; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli de; PALMA, José Augusto Victória. Educação Física e a organização curricular. 2. ed. Londrina, PR: Eduel, 2010.

REZER, Ricardo; FENSTERSEIFER, Paulo Evaldo. Docência em Educação Física: reflexões acerca de sua complexidade. Pensar a prática, v. 11, n. 3, p. 319–329, 2008.

RODRIGUES, Heitor de Andrade; DARIDO, Suraya Cristina. As três dimensões dos conteúdos na prática pedagógica de uma professora de educação física com mestrado: um estudo de caso. Revista da Educação Física/UEM, v. 19, n. 1, p. 51–64, 2008.

SILVA JÚNIOR, Arestides Pereira da. Configurações e relações estabelecidas no estágio curricular supervisionado na formação inicial de professores de educação física. 2016. 232 f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá/PR, 2016.

SOUZA NETO, Samuel de; SILVA, Vandeí Pinto da. Prática como Componente Curricular: questões e reflexões. Diálogo Educacional, v. 14, n. 43, p. 889–909, 2014.

VALLE, Ione. O lugar dos saberes escolares na sociologia brasileira da educação. Currículo sem fronteiras, v. 8, n. 1, p. 94-108, 2008.

Downloads

Publicado

2019-05-13

Edição

Seção

Artigos Originais