A relação entre trabalho, cooperação e educação nas pesquisas sobre o movimento dos trabalhadores rurais sem terra

Célia Regina Vendramini

Resumo


O presente artigo é fruto de análise sobre a produção acadêmica (dissertações e teses disponíveis no Banco de Teses da CAPES) a respeito do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em especial sobre as pesquisas que abordam a relação entre trabalho, cooperação e educação. Destacamos as pesquisas que avaliam a experiência cooperativista no interior do Movimento, com base em diferentes concepções: os que compreendem que os problemas da cooperativa dizem respeito aos limites dos próprios cooperados e/ou do MST; os que estabelecem uma relação entre o sucesso ou insucesso da cooperativa e a formação política e técnica dos cooperados; os que criticam a ênfase na dimensão econômica das atividades coletivas nos assentamentos, inspirada na visão empresarial de gestão e racionalidade econômica do mundo da mercadoria; os que criticam a redução da cooperação à cooperativa; e, por fim, os que analisam os limites e as possibilidades das cooperativas no modo de produção capitalista, identificando as tensões entre o velho e o novo.


Palavras-chave


Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra; Movimentos sociais rurais; Cooperativas; Landless Farmworkers Movement (MST); Rural social move-ments; Cooperatives; Movimiento de losTrabajadores Rurales Sin Tierra (MST); Movimientos sociales rurales; Cooper

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795x.2008v26n1p119



Direitos autorais 2008 Célia Regina Vendramini

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.