A escola e a exploração do trabalho infantil na fumicultura catarinense

Autores

  • Soraya Franzoni Conde UFSC
  • Célia Regina Vendramini UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2014v32n3p977

Palavras-chave:

Trabalho Infantil, Escola, Campo

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre as relações entre a escola e a exploração do trabalho infantil no contexto da fumicultura catarinense, considerando as particularidades e os aspectos universais a que os trabalhadores do campo estão submetidos. A pesquisa foi realizada em 11 escolas, com a participação de 1080 crianças e adolescentes dos municípios catarinenses de São Bonifácio, Imbuia e Canoinhas. Observou-se que a existência de uma tênue fronteira entre o trabalho da criança e aajuda à organização da vida familiar é um elemento fundamental das atuais formas de exploração e generalização do trabalho coletivo. Dessa forma, o lugar ocupado pela escola no campo vai além do ensino e da quali( cação necessária ao trabalho na

sociedade capitalista. A escola e as unidades de educação infantil são também, dialeticamente, o local do não trabalho, onde as crianças e os adolescentes são poupados da labuta diária, encontram colegas da mesma idade, brincam, aprendem e descansam. 

Biografia do Autor

Soraya Franzoni Conde, UFSC

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora do Departamento de Estudos Especializados em Educação, do Programa de Pós-graduação em Educação e colaboradora no Programa de Pós-graduação em Serviço Social daUniversidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Célia Regina Vendramini, UFSC

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Professora do Departamento de Estudos Especializados em Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Downloads

Publicado

2014-06-13

Edição

Seção

Artigos de Dossiês Temáticos