Contribuições da pedagogia socialista para a educação da infância no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2019.e54987

Palavras-chave:

Pedagogia Socialista, Educação Infantil, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

Resumo

A discussão sobre a concepção de educação e de educação infantil orientada pelos pressupostos educacionais socialistas influencia as práticas e produções teóricas que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) desenvolveu em suas três décadas de existência. Este artigo tem como objetivo refletir sobre as contribuições da Pedagogia Socialista para a concepção de educação infantil do MST e, para isso, apresenta convergências entre a concepção de infância e de educação dos autores da Pedagogia Socialista e a proposta educativa para a educação infantil do MST. Para tal, adota como metodologia a pesquisa bibliográfica, com a revisão dos autores precursores da concepção moderna de infância (ARIÈS, 1981; POSTMAN, 1999; MELLO, 2007; KLEIN 2009), da Pedagogia Socialista (SUSCHUDOSLSKI, 1978; PISTRAK, 2000, 2009; SHUGIN, 2013; FREITAS, 2017) e a concepção do MST para a educação de crianças (CALDART, 2000; MST, 2004, 2005; DALMAGRO, 2010). Dentre as principais conclusões, destacamos que as bibliografias revisadas entendem a criança e a sua educação como produtos das relações sociais historicamente construídas. A criança, embora tenha funções psicológicas distintas das dos adultos, está inserida na mesma sociedade, por isso é ilusória a tentativa de separá-la das relações de produção e reprodução da vida social concreta.

Biografia do Autor

Soraya Franzoni Conde, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC

Professora do Departamento de Estudos Especializados em Educação da UFSC e dos Programas de Pós Graduação em Educação e em Serviço Social da UFSC. Pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre as Transformações no Mundo do Trabalho (TMT/CED-CFH/UFSC).

Maicon Jackson Costa, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Mestrando do Programa de Pós Graduação em Educação da UFSC e membro do setor de educação do MST do Paraná.

Referências

ALVES, G. L. A produção da escola pública contemporânea. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

ARENHART, Deise. A educação da infância no MST: o olhar das crianças sobre uma pedagogia em movimento. [CIDADE?] CAXAMBU, MG: Anped, 2004.

ARENHART, Deise. Infância, educação e MST: quando as crianças ocupam a cena. Chapecó: Argos, 2007.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. 279 p.

CALDART, R. Pedagogia do Movimento Sem-Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

CONDE, S. F. A escola e a exploração do trabalho infantil na fumicultura catarinense. 2012. Tese de doutorado. [PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO] UFSC. Florianópolis.

DALMAGRO, S. L. A escola no contexto das lutas do MST. 2010. Tese de doutorado. [PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO? UFSC. Florianópolis.

ENGUITA, M. F. A face oculta da escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

FREITAS, L. C. Prefácio. In: KRUPSKAYA, N. K. A construção da Pedagogia Socialista. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

GOMES. A. C. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: Vértice, 1988.

KLEIN, L. R. O embate pelas leis fabris do século XIX e a definição das idades do trabalho: um estudo sobre a constituição das noções de infância e adolescência. Monografia de conclusão de curso. 2009. [DIREITO] UTFPR. Curitiba, PR.

KLEIN. L. R.; SILVA, G. L. R.; SILVA, R. L. A concepção moderna de infância sob a perspectiva do trabalho. 2010. (artigo no prelo)

KLEIN, L. R. Cadê a criança do Áries que estava aqui? A fábrica comeu... In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE “HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL”, IX, Universidade Federal da Paraíba. Anais eletrônicos. João Pessoa. 2012.

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. Rio de Janeiro: Achiamé, 1982.

KRUPSKAYA, N. K. A construção da Pedagogia Socialista. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

LAFARGUE, P. O direito à preguiça. São Paulo: Claridade, 2003.

MANACORDA, M. A. História da educação: da Antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 2006.

MARX, K. A ideologia alemã, 1º capítulo: seguido das teses sobre Feuerbach/Karl Marx, Friedrich Engels. (Tradução de Sílvio Donizete Chagas) São Paulo: Centauro, 2002.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. (Tradução de Régis Barbosa e Flávio R. Kothe) 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MELLO, S. A. Infância e humanização: algumas considerações na perspectiva histórico-cultural. In: Perspectiva. Florianópolis, v. 25, nº 1, 83-104, jan./jun., 2007.

MST. Educação Infantil: movimento da vida, dança do aprender. Caderno de Educação, São Paulo: MST, nº 12, novembro, 2004.

MST. Caderno de Educação nº 13. Edição Especial Dossiê MST Escola: Documentos e estudos 1999-2001, 2005.

NOSELLA, P. A Linha vermelha do planeta infância: o socialismo e a educação da criança. In: Os intelectuais na história da infância. FREITAS, Marcos Cezar de; KUHLMANN JR., Moysés (Orgs.) São Paulo: Cortez, 2002.

PERROTI, E. A criança e a produção cultural. In: ZILBERMAN, R. (Org.) A produção cultural da criança. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1990.

PISTRAK, M. M. Fundamentos da Escola do Trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2000.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Grafhia, 1999.

POSTMAN, N. A Escola-Comuna. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, p. 152-165, 2007.

SUCHODOLSKI, B. Teoria Marxista da Educação: Vol. II. Lisboa: Estampa, 1978.

SHULGIN, V. N. Rumo ao politecnismo. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Edição

Seção

Dossiê Retratos da Educação Infantil do Campo